segunda-feira, 28 de maio de 2007

Olha só! Que beleza!

Sim, hoje tá até que um dia bom. Alias, o fim de semana foi muito bom. Sábado teve curso de pintura e deu pra pintar, claro. E ficou ótimo, diga-se de passagem. Minha pintura parece que realmente vai sair! Mas logo as aulas de pintura acabarão. T___T' E eu ficarei tristinho. Mas acordarei tarde aos sábados, mas ficarei tristinho. E no mesmo dia ainda fomos eu e o Ivo pro... CEMITÉRIO!

Sim! Que lugar bom pra ir com os amigos heim! HEuahea... Cemitério. o_O' Fomos ao cemitério do Araçá, pra quem não sabe fica exatamente na frente do Hospital das Clínicas e do InCor e os hospitais bons lá do centro. Fica perto do estádio do Pacaembu e de Higienópolis, logo... Esse cemitério é dos bons, e as lápides são simplesmente perfeitosas. To falando sério, mas não gosto muito pq as pessoas não apenas colocadas nos jazigos, logo não são enterradas (pra mim enterradas significa ficar soterrado por terra) e por isso eu não gosto muito (sempre penso que algum morto vai sair de lá e me pegar...).

Na saída encontrei uma família indo embora, acho que provavelmente estavam saindo do velório de algum membro de suas famílias. Sabe, isso que eu acho interessante na morte. Na outra vez que fui, não encontrei nenhuma família igual aquela, mas eu via em uns rostos uma cara um tanto abatida, mas eles continuavam olhando pra frente.

Exato, como se mesmo depois de terem sofrido bastante ainda mantessem a cabeça erguida, e prontos para continuar suas vidas e superar aquilo. Aí lembrei de alguns poucos (isso eu tenho muito a agradecer a Deus por não ter-me feito visto mais funerais), de avós distantes e até do meu avô materno que faz muita falta, sempre na saída saímos relativamente felizes, afinal um caminho da vida havia sido superado, agora aquela pessoa estaria com certeza em um lugar melhor.

Acho que isso é excelente, dá pra ver que mesmo a morte existindo e sendo impossível de se evitar as pessoas conseguem de alguma forma supera-los e manter-se erguidos, até que a sua chame apague e eles também morram. Sem contar que eu sempre gostei de cemitérios, é um lugar que parece sempre ser fora desse mundo, com uma paz que não tem como se explicar. É o destino final nosso, e isso apenas afirma a minha veia gótica. É... Mas não encaro a morte como tristeza, fico feliz com ela até.

Podem me chamar de louco, mas sempre vi a morte como uma libertação. Estamos presos a vivermos sofrendo, fazendo coisas ruins, ouvindo coisas e também fazendo o mal aos outros que... Exceto pelo fato de várias lápides serem bem resolvidas, enquanto outras serem mais apenas simbólicas (pra não falar a diferença entre ricos e pobres até na hora da morte) todos eles estavam debaixo da terra, no mesmo lugar, e esse caráter de libertação e igualdade que a morte nos dá é algo que em nenhuma outra esfera de vida podemos encontrar, apenas na morte mesmo que é o fim...

Parando de publicar meus pensamentos e voltando ao que interessa...

Ae o Ivo foi tirar umas fotos e saíram bacanas! To vendo que sairá um bom Audiovisual, claro né... Eu ajudei nas fotos! Hehehe... Hoje também foi um dia tranquilo e eu joguei enfim na Guerra do Emperium, no Ragnarok! MUITO FODA! Acreditem, nunca tinha jogado nela. o_o~~ Conquistamos dois castelos mas não conseguimos segura-los por um bom tempo. Matei um paladino tb, hohoho! Meu sabio não é pra qualquer um não, hehehe...

Ah, e hoje meu pai teve uma conversa comigo. Sim, sem as típicas proibições infantis, como se ele me tratasse como criança e pensasse que eu não sei conversar. Odeio isso. ><' Mas até que conversou comigo e chegamos a alguns acordos sobre eu procurar mais um emprego. Ok, ok... Não me enxem. ¬¬

Em suma, só. A foto ilustra o momento do post debaixo. =D

"Não está totalmente diferente, mas também não está exatamente igual."

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog