terça-feira, 26 de junho de 2007

Foi apenas um sonho...

Eu dormia tranquilamente no último final de semana. Ouvia ao fundo meu irmão na sua hora de jogatina de Ragnarök Online, e eu havia acabado de almoçar. Não havia escovado os dentes, mas nem ligava. É no fim de semana tediante em casa que damos folga até a coisas chatas como tomar banho, escovar os dentes e pentear o cabelo.

Sabe quando começamos a nos sentir em outro mundo quando estamos adormecendo. Acho que muitos não percebem isso, e dificilmente eu percebo. A gente ao invés de ver, acaba tornando-se o espectador e nos vendo lá embaixo. Mas sonhos servem exatamente para isso. Costumava controlar, mas vi que isso acaba com toda a graça. O bom mesmo do sonho é ser o espectador, não adianta. E ainda mais num sonho desse tipo.

Afinal, estávamos em minha casa. Era manhã ainda. E era apenas eu e ela. Estávamos como nos dias de hoje, já adultos, mas eu me sentia como uma criança. De verdade! Afinal, apenas ela que é uma pessoa especial pra mim e apenas ela é com quem eu posso contar pra tudo, seja amizade, companheirismo ou aquele ombro pra desabafar. Teríamos um dia inteiro, apenas eu e ela, onde não nos relacionaríamos como namorados, ou um casal simples.

Seria um dia reinado pela maior das purezas, onde brincaríamos e iriamos nos entreter da maneira que sempre gostaria de fazer. Sem malícia nenhuma. Conversaríamos, iríamos até fazer o almoço e comer juntos. Veríamos TV juntos e até iriamos tirar o típico cochilo no meio daquele filme chato e acordaríamos depois e iriamos constatar que um tava dormindo no colo do outro profundamente, e iríamos rir disso durante meses e meses.

Mas o fim do dia chegaria, e eu saberia que isso significava que ela, mesmo depois de anos de amizade, mesmo depois dela ter me ajudado, e ter no ano passado me dado tal presente de aniversário que eu sei que jamais me esquecerei a minha vida inteira, não importa que mulher que apareça na minha vida daquele ponto em diante, sei que hoje ela está longe de mim.

Está tão longe que é impossível pra mim tê-la em meus braços para mais do que uma amizade. Hoje ela está namorando, e namorando bem. O rapaz a ama, é trabalhador, esforçado, tem cabelo grande e nem é tão alto... Nem digo nada. respeito o rapaz porque ele me parece gente fina. E até prefiro que ela o prefira para isso, afinal o cara é um ano mais velho que eu e sei que esse namoro irá muito provavelmente evoluir para algo mais denso, isso é, se já não está agora.

Mas se engana se você pensa que fico triste com isso. Não fico. Talvez apenas um pouco. Mas a felicidade que eu sinto é incomparável. Amar acima de tudo é desejar o melhor para a pessoa. É dar conselhos, é ajudar, é ouvir... Sei que os dois formam um casal magnifíco, e apoio o namoro dela, mesmo eu sofrendo um pouquinho. Acima de tudo eu desejo o melhor pra ela, e se ela está com ele é pelo simples fato de que ela o ama e é ela que o completa e vice-versa. Por isso não teria coragem de nunca fazê-la trai-lo comigo ou com ninguém mais.

Apenas ela que me faz sentir-me como um moleque. É com quem eu posso conversar de absolutamente tudo sem me sentir constrangido. É com ela, que eu posso deixar a ponpa de Sir e toda minha educação britânica, e mesmo se eu faço uma besteira como peidar, ela diz "Ah, e daí. Isso é até bom. Pelo menos vc não é tão entupido como sua educação aparenta!". É ela uma pessoa que mesmo depois de tantos tempos, acontecimentos e tudo mais eu possa chamar de "amiga", e por isso mesmo o sonho era perfeito.

Pois seríamos apenas amigos, porque eu apoio o namoro dela, mesmo eu a amando. Porque se ela é feliz namorando ele, a única coisa que tenho a desejar é que ela continue com ele e seja feliz. =) A parte chata seria no final do sonho, quando ela teria que ir embora, mas já estou acostumado com isso. Gosto quando as coisas tem começo, meio e fim. Querendo ou não colegas, nada é pra sempre.

E então foi assim. Logo eu acordei... Meu irmão tinha gritado algo inaudível, acho que ele tinha morrido no período de Guerra do jogo. E então o sonho acabou, e eu voltei pra essa vida salgada. Mas ao menos no sonho eu provei um pouquinho das coisas doces.

Mas foi apenas um sonho...

sábado, 23 de junho de 2007

Meu cabelo vermelho. Saudades.

Só não pego a Naiara, a menina que tingiu o cabelo, pq foi ELA quem tingiu, yeah... ù_u/~~

Sim pq ela é minha amigona, yeah²!

E parece que estou sem assunto, mas não estou. Hoje, enfim, graças aos deuses e aos céus, acabou o semestre. E digo mais, acabou bem. Ao menos pra mim, mas acho que pra grande maioria, espero. Tenho que admitir, acho que tinha muito neguinho aí pensando que iria pegar DP e tal, e no final agora podemos enfim festejar. Afinal o que parecia que terminaria de todas as formas, menos boa, terminou de forma ótima.

É meus caros, to vendo que essa faculdade nova vai dar o que falar. =P Mais que arquitetura? Não sei. Vamos ver. Mas já deu pra ver quais são os grupinhos, quais os que não podem se tocar, quais a gente quer ver longe, quais não querem nada com nada, e claro, os que colaboram, participam e querem algum coisa da vida. O pessoal já veio dizendo pra eu entrar no MSN, e nossa... Já não entro o bastante? =\ (ok, essa última foi péssima)

Hoje começou o inverno. Mas pelo visto será mais um longo e quente inverno... Quente e seco (isso não me dá boas lembranças... Oh saco), mas creio que será bom. Julho passado ao menos foi um mês marcante, espero que esse seja repleto de coisas boas tb.

Ás vezes eu acho que não sou daqui. E falo sério. Tem horas que tudo parece uma baita ilusão, como se fosse um teatro. Meus déjá vus que confirmem isso, mas tem hora que eu sei exatamente o que irá acontecer, como e em que circunstância. É como se a vida fosse um grande teatro com pessoas encenando, onde apenas eu fosse o telespectador. Ao menos de vez em quando eu tenho essa impressão. Meio Citizen Kaine e tal...

Eu lembro também de quando eu meditava eu sentia coisas muito estranhas. Teve uma vez que eu meditei tanto, que senti meu corpo brilhando da cor dourada, feito ouro mesmo. É meio coisa de maluco, mas é verdade. Depois disso eu comecei a diminuir. Vai que eu desperto um Nirvana aí e depois distorcem a minha vida criando uma fé nova e tal? =\ Por isso que eu nem gosto de dizer que sou budista. Ok, é o que eu digo, mas "se qualquer um está apto a alcançar o Nirvana, pq não podemos ser Buddha?". Ok, o Dalai lama é uma reencarnação de Buddha, mas acho que o mundo precisa nesses tempos de uma razão, uma nova religião, atualizada, melhorada e que siga princípios novos.

Nossa... =\

Credo. O que eu to falando? =P~~ Sabe, isso me lembra de um amigo meu do colegial. Ele era meio lunático e tal, alias nem sei que destino o pobre coitado teve. Ele tomava umas drogas doidas lá e ainda era ator. Devo dizer que existia uma admiração mútua entre nós, e se meus instintos de homem não falassem mais alto, acho que poderia até ter "rolado alguma coisa". E nem tenho medo de admitir nem de falar isso, pq preconceito não tenho, mas acho que nem ele queria tb, eaehuehuae.. xD~~ (mas deixando bem claro que nada entre nós rolou, embora ele seja levemente bissexual e tal, mesmo eu só vendo ele com garotas, parecia que se sentia atraído por homens tb. Mas tb não teria me incomodado se tivesse acontecido alguma coisa tb...)

Ok, mudando de papos bissexuais... Uma das loucuras que ele dizia era que eu "Um dia mudaria o mundo", e que ele ou eu seria uma espécie de novo messias. Brincadeiras à parte, acho que hoje em dia trocaríamos de lugar, onde ele seria João Batista e eu talvez Jesus, enfim... To me achando demais. =P~~

Alias, lembrei dele agora. Queria saber o que aconteceu com ele. Tanta coisa aconteceu, que o tempo parece que passou mais lento, cada vez mais lento... São apenas dois anos, amigos, que se transformarão em mais três, décadas e quem sabe séculos...

sexta-feira, 22 de junho de 2007

Olha, uma nova obra by me!

É uma pintura em tinta acrílica e em um papel de fibra de algodão, logo ficou bem legal. ^^ Pena que foi num A4, e a limitação do espaço teve que dar uma limitação da capacidade também, ehehe... mas no final das contas achei que ficou legalzinho. =D Quem é? É Maria Madalena, minha santinha do coração (e do meu dia também) e minha dama de vermelho!

22 de julho, oh yeah! Só não é melhor pq não é 22 de março. u_u~~

Mas voltando ao assunto... Gostei desse, embora eu seja um saco comigo mesmo e me critique mais do que tudo. Claro, nao saiu cem-por-cento, mas até que me impressionei, e estou já começando a ter as manhas de pintura - o que está sendo um total aprendizado, é como se eu tivesse re-aprendendo a desenhar - afinal pintura pra quem sabe, é algo BEEEEM... Diferente eu diria. Ambos não são difíceis, mas precisamos de dedicação!

Eu tava até vendo depois que eu terminei, lembrei de uns rascunhos que eu fazia quando moleque, hehe... Eu acho que a comunicação por meios pictóricos foi o que eu mais desenvolvi, pq eu era aquele "típico menino tímido que só sabia desenhar", nem ler eu sabia direito. Digo, eu era um analfabeto que sabia ler, mas não lia. Aí adquiri o hábito de ler, o que me ajudou a escrever, e ainda estou penando a me acostumar a falar, ehauheau... xD

Sim pq eu sempre era um moleque bem tímido. Ainda hoje me considero tímido pacas, embora isso me atrapalhe bastante em vários setores da vida. o_o Mas consigo até que me virar bem com a minha timidez, muito obrigado! Considerando que há uns cinco anos eu quase não falava nada, acho que estou até meio tagarela... o_o~~

Nossa, hoje eu dei uma passada na famosa "feira do Padre Marcelo Rossi", na frente do Santuário dele. E.. Nossa, cada coisa r0x que eu achei. Dá até vontade de ser católico heaheiauehau... Comprei um terço pra mim e uma correntinha com um crucifixo (mais um! sim, sou fanático por crucifixos, acho eles tao fodas... Embora eu não seguindo a religião). Quem sabe qd eu virar terei os equipamentos todos!

Eu ia jogar Ragnarok mas o jogo tá lerdíssimo. ><' Já morri duas vezes só hoje. =\

Acho que só pra concluir: estou ficando abismado com vários, o que eu poderia carinhosamente apelidar de "pixa-fresco" (pixação+afresco) pq tenho que admitir, o pessoal do Gente muda (muito conhecido aqui no Capão, diga-se de passagem) está fazendo um trabalho que estou adorando. Desde a época da ditadura militar, onde a grande maioria pixava palavras de revolta, com o fim desta muitos só queriam "botar a sua marca" em paredes de todo o tipo e tal... Até a pixação foi deixada como uma "violação sadia", mas uma "violação imbecil"...

Isso é, até alguns carinhas da periferia de São Paulo criar o "Gente muda". Quem andar pelas ruas e avenidas da área de periferia-sul de São Paulo os encontrará. É aquela pixação que além de ser arte, e belíssima por sinal, tem um teor político, cultural e até filosófico. E tenho que admitir, a crítica social de alguns é simplesmente perfeita. Tiro o chapéu pra eles! Tenho encontrado em cada vez mais lugares aqui da zona sul, e eles tão ganhando bastante espaço, ao menos pra mim já ganharam o respeito (e olha que isso é relativamente dificil heim!).

Parabéns e continuem fazendo sua arte, crítica e acima de tudo, passando suas mensagens! =D

segunda-feira, 18 de junho de 2007

Olha só! Graças a minha pobreza em não ter dinheiro para comprar um godê decente, tenho que me virar com forma de gelo mesmo!

Foto da minha forma de gelo pra pintura. Ela tá meio suja pq aí já passou tudo quanto é tipo de tinta, e nessa foto estava com aquarela. Na verdade foi uma brincadeira mas foi de propósito, afinal o que acontece quando se misturam duas cores complementares (pessoal da faculdade estudará isso semestre que vem!), no caso o vermelho e o verde? Elas se anulam, gerando o preto ou um tom mais pro marrom. Isso é meio dificil pq se o pigmento fosse 100% puro seria mais fácil, mas como não existe pigmento 100% puro...

Alias, aquarela é simplesmente mágica. Pena que demora séculos para secar (ao menos pra mim), mas também né... Não me considero artista, pq até qualquer Vera Fischer da vida agora é artista. Artista hoje em dia são aqueles que têm os holofotes para si e eu sempre neguei isso, pq holofotes só traz grana, e os verdadeiros artistas são os ligados à verdadeira arte, e a boemia é a única sobrevivente desse nosso grande "boom" monetário.

Também não me considero boêmio pq eles são um grupo mais organizado embora eu odeie agir em grupos (mesmo minha futura profissão EXIGINDO isso...), se eu fosse me definir diria que eu sou um "artista solitário, que produzo arte simplesmente para o deleite não apenas visual das pessoas, mas acima de tudo cultural e filosófico". Tava até vendo pq, nesse ano comecei a me aventurar em uma arte um tanto complicada que nos dias de hoje é bem deixada de lado, talvez pq o mundo inteiro tenha visto tal arte durante séculos e agora enjoaram... Que é a arte cristã!

Sim, eu gosto de fazer com temas bíblicos, e sim, eu gosto da igreja católica. i_i~~

Ok, muitos vão me matar. Na verdade eu sou budista, mas budismo é bem filosofia, não tem crença em um deus, apenas em uma divindade. Diria melhor, divindade é meio que escalão superior, embora eu seja um budista mais xiita e considere Buddha como um cara igual a mim. Mas eu gosto da igreja católica e do poder dela, tanto nas artes, como no pensamento, como nas mensagens, enfim... Pode parecer meio estranho, mas sou muito mais o Brasil continuar católico e o papa mandando aqui do que ver idiotas da Universal ou de qualquer outra seita de esquina querendo mandar aqui. Embora o papa fale muita besteira, mas ele é um líder fixo, com uma ideologia fixa, enfim...

Ok, ficou meio em cima do muro, mas está mais pra cá do que pra lá. Bom, to meio sem saco pra postar, peço desculpas. Meu pai me pagou e pediu pra eu traduzir uns textos técnicos pra ele. O preço? Amigável. Cinqüenta reais. O texto? Um cú arrombado, cagado, melado, com hemorróida, podre, com vermes brancos e ainda por cima de tudo, peludo. 49 páginas para o meu deleite de textos técnicos com palavras que fazem até inglês ficar de queixo caído e procurar no dicionário seu significado. Se ele mandar outro me dizendo que é fácil, mandarei ele enfiar no buraquinho dele (que deve estar sofrendo horrores com as hemorróidas ocasionais que ele sofre) e nem por nenhum dinheiro farei isso de novo.

Só farei pq disse que farei. Acho que homem que é homem honra o que diz e vai até o final. Acho que qualquer um, se você gosta ou segue algo, tem que ir até o final e ter apenas isso como sua filosofia e defendê-la. Nós podemos morrer, podemos perder tudo, dinheiro, mulheres, Ragnarök e coca-cola. Mas nossos valores, e o que achamos certo, jamais podemos perder. E lutar por eles sempre, oh yeah!

Escrevi demais, fellas. =P

sábado, 16 de junho de 2007

Vamos começar hoje com uma foto do Kaoru, o líder e guitarrista da banda nipônica Dir en Grey! Ok... Faz tempo que eu não posto uma foto dele, mas deu crise de identidade.

Sim, pq hoje temos que comemorar! Pois foi uma semana do cão (foi o cão que botou pra nois beber!) e hoje enfim eu posso, assim como o resto do pessoal da faculdade, e respirar em paz. Ao menos começar a respirar em paz até as notas definitivas saírem.

Afinal o primeiro semestre da nova faculdade foi um tanto... Interessante. Nova correria, e bem mais frenética que na passada. Também pudera... Estou há mais de uma semana sem postar. Mas devo dizer que o feriadão do dia 7 até o dia 10 não teve nada de bom, exceto a conclusão de muitos trabalhos ferrados que nos deram muito trabalho. Mesmo assim na segunda conseguimos escapar da sociologia, logo poderemos fazer uma apresentação melhor, e Projeto Experimental nem me lembro direito o que tivemos...

Na terça fui pra faculdade vadiar pq já tinha as notas concluídas em desenho (oh yeah!), e na quarta apresentamos rapidamente o trabalho de teoria do design e ainda deu pra pegar um cd bom do Korn e ficar ouvindo até agora. Eles fazem um som bacana. Na quinta foi bem sussegado, entrega de trabalhos e na sexta enfim concluímos a inutilidade-acadêmica-e-da-vida-e-perda-de-tempo de Rube Goldberg. E acreditem: funcionou magicamente.

E ainda fui pela primeira vez á balada! Olha só heim, quem diria? Mas não fiquem cantando vitória, pois sou um cara muito gente-fina e não bebi nem fumei! \o\ Sim caros amigos... Na verdade eu acho interessante eles lugares que eu vejo que na verdade eu não me encaixo nem a pau na filosofia dos jovens de "Carpe Diem" nem nada do tipo... Eu sou um cara com um autocontrole muito excessivo e vejo que é por isso que eu acabo não me enturmando com as pessoas exatamente por serem voláteis demais e eu ser racional e frio demais... u___u~~

Ok. quem me conhece e ainda vive sabe que eu nunca fui assim, mas... ARGH... Agora que eu to vendo. Agora que eu to tendo exatamente o que eu mais quis na minha vida, ser alguém frio e calculista, um mero ator que finge rir, se divertir, que somente liga em passar a todos o que eu quero mesmo passar. ><'~~

Pois é.. E acreditem, eu desejava isso. Na verdade já faz um ano que eu acabei tendo a estopim para isso, e quase um ano que eu decidi me fechar mesmo e tornar-me frio, mas acho que estou sendo frio demais e eu quero talvez ter sentimentos de novo. Mas por outro lado eu lembro pelo que eu passei e... Nossa... isso parece crise de identidade cruel.

Enfim, não me recrimino mas também não me vanglorifico. Acho que no fundo eu fico mesmo em cima de muro, na linha tenue entre a frieza extrema e o calor abundante, mas ultimamente eu sei que estou cada vez mais caindo pro lado da frieza e tenho que me controlar, pq eu desejei isso. Desejei ser uma pessoa fria com todas as minhas forças, e agora que eu estou experimentando o que desejei eu tenho que reclamar?

Putz... Isso tá me dando dor de cabeça. >< Mas juro que paro por aqui. Mesmo eu "não sendo igual às dezenas de pessoas lá na balada", eu me sinto feliz. E me diverti bastante, foi um lugar de boa música e deu pra dançar um bocado (embora muitas músicas eu não conhecia e outras tantas não tinha gostado, eu me diverti nas que eu conhecia... Epa, peraê... Se eu fosse tão frio eu não teria me divertido e... Pois é, essa é a linha tênue que eu sempre falo, ou vc vai feio em uma, ou se esborracha na outra...).

Ah, e valeu a Cris pelo passeio e às amigas dela tb! /o/

Acho que é por isso que eu tb não consigo namorar, heuaheua... Acho que estou congelado demais, frio demais até com mulheres. Trato-as bem, afinal sou um gentleman, mas não faço mais que isso. Se quiser amizade, também estou disposto, mas dou um grande ponto final aí pq oras... Já me acostumei a ser assim, colegas. Eu desejei ser o que eu sou, e agora só tenho que arcar com as consequências do que eu desejei.

E hoje fui ver Pirates of the Caribbean 3 - At World's End, e... UAU... Sem comentários. Embora tenha ouvido somente críticas, achei totalmente incrível. Não achei melhor que o segundo, mas se equipara a ele. O segundo digamos que recebeu a nota 10, e o 3 recebeu nota 9,8... Só pecou em duas coisas: ter mostrado os outros piratas lutando e tendo mais participação. Mas aí o filme teria mais de 4 horas, e ele já tava bem grandinho (quase de 3 horas!).

E eu indico, embora tenha ouvido muitas críticas, eu indico com louvor! Ainda acho o primeiro fraquinho, mas os outros dois é que o filme torna-se um verdadeiro filme não apenas de fantasia, mas de aventura. =)

No mais amigos, vamos voltar à rotina de postagens!

quinta-feira, 7 de junho de 2007





Making of & Comentários do autor

Uau! Isso que é o cúmulo da frescura. Sinceramente não sei qual será o signo que as pessoas que virem meu Audiovisual darão a ele, mas hoje, que estou escrevendo isso, tenho minhas sérias suspeitas. Acho que de inicio as pessoas darão MUITA risada, embora sendo algo essencialmente e puramente trágico. Digo isso porque já foi atribuída a minha pessoa a alcunha de palhaço da sala, então já viu né?

Brincadeiras de lado, quando eu fiz o trabalho eu lhe atribui um significado em todas as fotos, textos e vídeos. Tudo lá tem um porque e tem apenas o objetivo de fixar a atenção do espectador e claro, contarem uma estória com inicio, meio e fim. Além de explicar o motivo de cada foto, e dar a oportunidade pra quem não viu, quem dormiu, quem falava com o amigo ou quem tenha se distraído mais com a entrada dum carro no estacionamento do que na música um tanto, calma do trabalho multimídia, aproveitem e vejam acima. Se já viu, pode começar a ler embaixo. Não deixe de comentar no final da postagem, dizendo se gostou o que sugere o que mudaria.

De longe isso não é perfeito. É o primeiro. Mas quem sabe com o direcionamento certo, será o primeiro de muitos.

O título é sexual.Disgrace. Porque diabos esse título? Literalmente, é desgraça sexual, mas o que está sendo citado não é exatamente o que está explícito, mas também fazendo uso da fala feminina que em muitas vezes do clipe aparece. A música é Filth in the beauty, da banda japonesa de rock the Gazette. Ah, não sabia que o Japão fazia rock? Pra você o Japão é a terra de gente de olho puxado, que come sushi, bebe saquê, mora em Tóquio e todos andam de quimono? Sim, graças aos deuses o Japão evoluiu, mesmo perdendo um pouco de sua cultura, eles fazem rock como ninguém, e diria até além.

A idéia inicial seria passar uma idéia de narcisismo. E foi essa a idéia final também, ora bolas! Não foi vaidade e tampouco metrossexualismo. Narcisismo é, além disso, é quando você só pensa em si mesmo além de sempre achar-se o melhor e pronto para humilhar alguém, além de ter uma vaidade acima de nível aceitável. O tema auto-retrato encaixa-se exatamente nesse ponto. Não tenho medo de admitir isso de mim, sou assim e odeio, embora não viva sem. É meio que o professor Fábio, que fuma sabendo que em questão de anos morrerá, pois suas células não conseguirão mais eliminar o tabaco e seu metabolismo acelerará, ocasionando um belo câncer. Sobre o narcisismo, eu tento controlá-lo, mas acho que traumas são sempre ligados a coisas do passado, e como não estou aqui pra ficar falando do meu passado, que eu odeio falar sobre isso, vamos a explicação das cenas!




As fotos [ sexual.DISGRACE ]
Sempre que no clipe aparecer uma tarja com apenas uma foto minha e com a fala sexual.DISGRACE no topo significa que o personagem que eu interpreto sofre uma mudança. São três as mudanças no clipe, uma no pré-narcisismo, uma no narcisismo, e uma no pós-narcisismo.

Cores
Sim, o vídeo é todo rodado em tons de cinza. As poucas cores, que recebem um maior destaque, não por acaso, significam várias coisas. O branco do inicio do primeiro vídeo, é a pureza, é o pré-narciso. O vermelho é a corrupção, e quando o ser torna-se corrompido e vira narcisista. O preto é a morte do anterior e a ressurreição do próximo (o não-narcisista) e por último o amarelo é ser não-narcisista completo.







Seqüência fotográfica 1
Uma natureza morta. Ta, mas e daí? Elas significam o ideal de beleza. Elas são a beleza em si, vinho, duas taças, livros, até uma vela pra dar aquele quê de harmonia. Porém, existe algo de imundo que os corrói. E está em destaque, uma marca de batom vermelho. Isso ilustra a primeira fala da cantora (o Gabriel Camelo disse que é a Beyoncé) dizendo que "O lado reverso da beleza tingiu-se por uma amada imundice", onde a imundice seria o batom.

Seqüência de vídeo 1
Pra quem viu o clipe (se não viu, clique aqui) da própria banda, encontrarão uma similaridade. Ok, não plagiei, mas o meu tem um significado que não é "balançar a cabeça porque a música ficou mais frenética", e sim porque a bagunça significa a mudança, deixar de lado o que há atrás e simplesmente mudar. Simples, fácil e rápido. Aqui o branco tem papel fundamental, pois ele ainda não é narcisista. Branco significa a pureza, o nascimento. Reparem também na violência da dança. E por favor, não reparem no cortiço onde moro... Já falei que moro no Capão Redondo.










Seqüência fotográfica 2
Aqui é o ser tornando-se narcisista. Pra quem não conhece: basicamente a lenda do Narciso de Ovídio, filósofo romano é o conto do garoto mais belo que faz com que Eco, uma ninfa, apaixona-se por ele. Ele, desprezando-a acaba recebendo uma maldição de que se olhar seu reflexo irá se apaixonar. As fotos mostram exatamente essa interação entre a água e o Narcissus. Coloquei muitas fotos, pra literalmente esfregar na cara do pessoal qual é a idéia do filme, porque não imaginava que tão poucas pessoas conheciam essa lenda (isso é parte de uma pesquisa pessoal).








Seqüência fotográfica 3
Opa, agora sim o cara virou narcisista total! Ou ao menos está virando. Aquele que conheceu o reflexo conhece o, digamos, upgrade do seu layout. Em outras palavras fora do design, ele vira vaidoso, por ser belo igual aquilo não o satisfaz, e começa a fazer mudanças em seu corpo, como depilações, máscaras de lama, maquiagem, tingir o cabelo, barbear, e até passar delineador nos olhos, e por último cortar o cabelo. Ele procura um ideário de beleza.






Seqüência fotográfica 4
Seqüência pequena, se apenas quatro fotos. Quem não conhece, é a Naiara Alexandre, uma grande amiga minha que cedeu casa, paciência, maquiagem, tempo e até a mãe dela pra bater as fotos. Agradeço pela milésima vez aqui! Ela é o ideário de beleza que ele procura, porém ela está num degrau muito acima dele e o humilha de várias formas. Ela aqui faz um papel diferente, mas continua sendo a Eco, pois foi ela que o corrompeu só que é depois dela que ele aprende a se valorizar a procurar a sua beleza própria.




Seqüência fotográfica 5
Rápida, apenas um sentido único: solidão. Pode ser bonito, pode estar o que for, mas está isolado, jogado ao chão, sem ninguém. Não conseguiu sequer chegar aos pés da beleza que buscava então a única opção é tentar superar, e achar um significado para tantas coisas.

Seqüência de vídeo 2
Agora, ele está ao contrário, veste preto. E se bagunça novamente. O preto, como foi dito, significa o luto por não ser mais narcisista, além de tudo a transição. Vê-se a violência a tristeza singela em seu rosto. Ele sofre, novamente.

"A eternidade nessa beleza não existe."

Parece um pouco coisa de Padre Quevedo, algo como "La eternidad nessa belezza non ecsiste!!", mas brincadeiras a parte isso ilustra bem. Porque ser sempre belo, bonito, vaidoso se todos um dia envelheceremos, morreremos e não seremos mais belos igual ao que somos enquanto jovens? Exceto que faça igual Dorian Gray, isso acontecerá, inevitavelmente, e ele descobrirá isso.





Seqüência fotográfica 6
Na primeira foto ele abandona o traje vermelho, trocando-o pelo preto. Mais pra frente, todos os cosméticos e coisas do tipo que o faziam bonito ele também abandona e pisa neles. Não estão mais no melhor lugar (na altura do rosto), mas agora sim é algo desprezível, (na altura dos pés) chegando a pisar nelas que mesmo assim continua com a cor corrompida, a cor vermelha.

"Antes, apenas a amada imundice."

Quem lembra da fala do começo do vídeo? "Existe um lado da beleza que está tingido por uma amada imundice.", então nesse ponto em diante não há mais a imundice. A imundice é o narcisismo, é a beleza do sentir-se belo e sempre procurar ser o mais belo.




Seqüência fotográfica 7
Como não dá pra ser bonito a vida inteira, nosso herói demonstra isso não com a idade, mas com acidentes. E se ele perder um olho? Se ele sofrer cicatrizes profundas no rosto? E se ele começar a ver-se distorcido? É exatamente esse significado das fotos, só que de uma forma bem trágica. Seu olho fica branco, as cicatrizes tecem seu rosto com tal nitidez que se torna algo forte, e o olhar-se no espelho não tem o mesmo sentido.





Seqüência fotográfica 8
Na primeira, ele deixa de usar os trajes vermelhos e os substitui por novos, amarelos. O amarelo, como dito é o pós-narcisismo, ele não é mais o vaidoso de antes, e agora de uma forma bem cruel, aprendeu que a verdadeira beleza não está no que moda, tendências e outras coisas dizem, mas sim no seu próprio ideal e o que você mesmo acha belo, intuitivamente. Pode o espelho quebrar e pessoas tentarem zombar (segunda e quarta fotos, respectivamente), mas o importante é ter personalidade (terceira foto).

"Agora a verdadeira beleza. A personalidade."

Eu gostei do grito da cantora. Como não tem o que explicar aqui, vou falar que, a voz da mulher não é da banda. Pelo menos até onde eu sei é uma mulher convidada. A banda é toda formada de homens, embora eles seguindo o estilo Visual kei (herança visual, estilo visual no original) acabam tendo um visual um tanto andrógino. Portanto, são todos os homens, apenas suas fantasias é que remontam do que as pessoas comumente chamam de punk japonês.







Seqüência fotográfica 9
A exibição do novo personagem. O novo Narcissus, sem o olho, rebelde, mostra-se uma nova pessoa. Na primeira foto a idéia é passar uma nova foto do novo, só que agora de um ângulo dando prioridade a ele, a mudança da foto não mais simétrica, o novo tira até fotos diferentes. A segunda destaca o olho perdido pelo excesso de cuidados, a terceira ele está de costas ao espelho, e ele não liga mais para o que ele reflita. A quarta ele está queimando uma foto onde ele está ainda com a roupa vermelha, corrompida. Queimando seu próprio passado. Mostrando o dedo numa cena tórrida, com a sua rebeldia, e logo após a última dessa seqüência onde ele zomba de um quadro dele que a mostra como era antes. Atenção: o fato de o dedo estar no pescoço é intencional, e não é de forma alguma uma mensagem subliminar de que o outro morreu. De fato, o narcisista do quadro morreu, dando lugar a um novo, esse detalhe foi intencional.




Seqüência fotográfica 10
Cemitério. Sim, foi engraçada a ida no cemitério! Mas piadinhas de lado, agradecimentos à lápide e aos fantasmas por não me ter importunado, a primeira foto apenas destaca a camisa e a flor amarelas, a nova cor do anti-narcisista, e ao mesmo tempo sua expressão não é mostrada. Quando a segunda foto aparece, é possível ver um sorriso no rosto do personagem, e na terceira mostra o motivo da risada e o presente: escrito em vermelho que o narcisista está morto e enterrado, e a única coisa a entregar a ele será uma flor amarela, para que ele descubra qual o real significado da beleza.

Seqüência de vídeo 3
Agora ele balança a cabeça feliz e mais lentamente. Ele se bagunçará pra sempre agora, pois é do caos que ele se achou, e se a bagunça que o mudou, porque permanecer o mesmo? Porque o estilo sempre ser o mesmo? Sempre mudar, mas a regra é não voltar a ser narcisista.





Seqüência fotográfica 11
Todas elas tiradas no Parque da Luz. Na primeira, uma vista dele num local público zombando dos outros, depois ele tomando um banho de cachoeira, e agora dando valor a ele (se ele fosse narcisista NUNCA faria isso. Estragaria a maquiagem! Se bem que hoje em dia existe maquiagem a prova de água, mas...). Por final uma foto dele zombando do estilo certinho das pessoas transeuntes e a penúltima foto ele perto de um lago, agora mais o encarando igual ao narcisista, mas sim perto dele, sem medo, mas mostrando-se superior a ele.


Foto final
Essa foi uma das fotos que eu mais gostei. Em rápidas palavras: à esquerda, o antigo, o corrompido, o vermelho, o narcisista. À direita, o novo, o estiloso, o amarelo, e anti-narcisista. Sem contar a expressão na face deles, o da esquerda, tristonho. O da direita, feliz e delirante.

Considerações finais
Agradeço do fundo do coração a todos que ajudaram, seja filmando, tirando fotos, cedendo tempo, atuando, maquiando e acima de tudo sugerindo. Foi um longo trabalho, a primeira foto eu tirei no dia oito de março, e a última no dia seis de maio, mesmo com essa folga não foi algo fácil, mas resolvi fazer devagar pra que saísse do jeito que eu queria.

Cem por cento igual ao que eu queria, não saiu. Talvez por complicações técnicas do próprio Windows Movie Maker, mas tenho que admitir que saísse algo bom, planejado igual a minha primeira idéia, mas não exatamente igual. Teve fotos que foram desperdiçadas, fotos que eu queria fotografar, mas não foi possível, enfim... Ao total eu tirei 349 fotos, totalizando 80 MG só de fotos em VGA JPEG. Utilizadas apenas 72 e com o peso bem inferior, menos de 5 MG.

Mas valeu a pena, e esse estilo, essa maneira de passar uma mensagem me atraiu muito. Acho que vou retomar muitas idéias que nasceram junto do sexual.DISGRACE que foram abandonadas, sendo apenas essa concluída.

Mais uma vez meu muito obrigado, e até o próximo, o "Under the name of justice". Aguardem!

Arquivos do blog