quarta-feira, 25 de julho de 2007

Olha só, férias acabando.

E eu nem sei se fizeram ou não a bendita rematrícula na faculdade. Pra ser sincero, nem dou muita bola pra isso. Ano passado foi um ano turbulento, onde aprendi a arte de saber deixar coisas de lado e não ligar para elas. Eu ando ás vezes me perguntando se isso pode ser usado tanto pro mal quanto pro bem, e a resposta vêm de forma fragmentada, meio igual a um quebra cabeça.

Quando voltava da Anime Friends, no último domingo, encontrei com a Daisy, apenas uma amiga da época de colegial. Um pouco mais velha, mas não havia mudado nada. E ela demorou a me reconhecer, e só veio falar comigo quando eu me surpreendi com a presença dela lá. E aí enquanto eu conversava com ela eu mesmo me perguntava: "O que eu mudei? Será que consigo agir da mesma forma que agia quando nos conhecemos há anos atrás?"

Ela pra variar me disse, meio que de forma irônica, que eu não mudei nada. E eu que fiquei, até admito, um tanto desapontado. Mas não fiquei tanto pq lembrei da frase de uma senhora que me disse não há muito tempo, a grande Nazaré, que "a gente pode mentir pra todo mundo, menos pra si mesmo".

Eu acho que eu me perdi, isso sim! Só tenho que me achar. Somente existe uma pessoa pelo qual eu mantenho contato antes do ano passado, resolvi me fechar e meio que "começar vida nova e mudar". Mas quando eu penso que eu teria mudado, que eu teria exatamente me tornado diferente para que eu não sofresse igual ao que aconteceu no ano que já foi, exatamente por eu não falar com ninguém sobre o que aconteceu, enfim...

E ela me me diz que eu não mudei nada. Talvez eu tenha mudado, quem sabe a minha vida não é a tal encenação que eu tanto tento estrelar. Talvez ainda eu sequer tenha mudado, e continuo a pessoa pura e ingênua de antes, que não conhece o que há de mais terrível nas pessoas, mas... Peraí!

O que há de mais terrível eu conheço. Inclusive a morte por um aspecto que poucos conhecem...

Se eu mudei, ou se continuo o mesmo, não sei. Perpetuarei na minha eterna busca para saber se o que fiz foi certo, ou errado.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog