sexta-feira, 13 de junho de 2008

Violência, obscuriedade e corrupção.

Ontem estava indo pra faculdade e no caminho de lá fiquei pensando na vida. Vi um cara no bar falando sobre aqueles filmes de terror antigo, do estilo Jason, Freddy Krueger e similares. Acho que posso fazer uma comparação das manias da sociedade, de tempos em tempos, de acordo com uma série de jogos que eu adoro: Metroid Prime.

Primeiramente: isso não é propaganda ou algo do tipo. Fiquei procurando coinciências e achei ela. Segundo que o primeiro Metroid Prime foi lançado pro GameCube em 2002, e o último em 2007.

Há vinte anos atrás algo que temia e dava estofo à imaginação das pessoas era a violência. Podemos encaixar filmes de terror, como esses clássicos, que hoje qualquer pessoa que vê consegue dar muito mais risada que qualquer clássico do Mr. Bean. De alguma forma as pessoas se acostumaram com violência, a tal ponto de ficarem mais chocadas ao ver o cachorrinho sendo atropelado na rua e dividido no meio com os intestinos pra fora do que ver uma pessoa morrendo com um tiro na cabeça na esquina de casa. Digo isso por experiência própria, se se não gostou do texto a partir daqui pare de ler porque vou pegar pesado.

Nessa época haviam crimes muito bem pensados - em menor número, porém com uma certa poesia até dos que são encontrados hoje. Havia os ladrões que roubavam que pra viver, pois seus doze rebentos em casa estavam com fome e precisavam de comida. Iam pra prisão, mas, se bandido tem alguma poética em seus crimes, havia um certo romantismo. Dificilmente matavam pessoas, havia uma espécie de ética, pois as pessoas vinham a violência e a temiam. Claro que a censura sempre há para, de alguma forma proteger as pessoas, mas isso não vem tanto ao caso. Metroid Prime segue essa mesma linha: susto e defesa do mundo. Um mundo onde o Metroid Prime espalhou uma substância altamente radioativa, o Phazon, por todo o planeta aniquilando os Chozo, criaturas como pássaros que viviam lá, e esse mesmo Phazon foi descoberto pelos Space Pirates e com isso poderiam fazer os Metroid terem uma mutação maior e fazerem armas mais fortes a partir desse organismo. Pela paz da galáxia, Samus vai acabar com a festinha.

Vamos ver agora os tempos hoje.

Hoje eu sempre vejo uma obscuriedade nas pessoas. Pessoas querem ser dark, são fechadas, conversam de uma forma temperada de um mistério. O terror também mudou, não é mais aquela coisa da violência, e sim o oculto. Antigamente, todos eram cristãos, hoje vemos muitos metidos a wiquianos ou que aprendem rezas estranhas na web e acham que pode aplicar em suas vidinhas medíocres. São pessoas tímidas que pra se enturmar caem na bebida, drogas e fazem junto desses grupos seu estilo dark e assim fazerem contra-parte as pessoas light. É uma sociedade de extremos, que embora todos adorem dizer que são equilibrados, acabam sempre caindo de um lado ou pra outro.

Dá pra perceber hoje que bandido não rouba mais pra comer. Bandido rouba para ter. Bandido quer ter um celular bacana. Bandido quer ter o carro que aparece na TV. Bandido quer se vestir como o galã da novela das oito. Bandido não tem mais fome, afinal as condições econômicas hoje estão melhores que antigamente (e claro, NÃO ESTOU ELOGIANDO O GOVERNO LULA, OK?). Conhece algum bandido que roubou pra comer? Se um bandido rouba comida vai parar na Hebe, pois os bandidos de hoje mesmo viraram obscuros, querem exatamente o domínio, usando seus métodos, claro. Metroid Prime 2 - Echoes trata exatamente disso. São dois mundos: Light Aether banhado pela luz e seres pacíficos e fracos, os seres Luminoth (Josés e Marias que querem trabalhar em paz) e Dark Aether com seus temíveis e violentos Ings (bandidos) que querem tirar tudo que os Luminoth têm e tomar o planeta pra eles. Mas acima de tudo: o planeta tem uma atmosfera dark, extremamente sombria, ao menos em grande parte do jogo que você passa, em Dark Aether, funciona assim. Para ver nessa escuridão, tem que apelar pro Echoes Visor, um visor que captura o "eco" dos sons dos seres e assim você consegue a localização deles.

Na minha opinião, o futuro reserva uma coisa bem mais interessante.

Metroid Prime 3 - Corruption fala exatamente disso: corrupção. Dark Samus (que era o Metroid Prime no primeiro jogo e volta no segundo e no terceiro) tenta criar Phazon e acabar com todos os seres em três mundos diferentes. Não sei muito do jogo, exceto que os Space Pirates estão querendo isso também. O jogo porém não tem atmosfera dark, nem muito clara também.

Vejo um mundo sem essa distinção de pessoas mais obscuras ou mais abertas. Mas haverá um terceiro que influenciará ambos. Almas corrompidas, de fato. Fato é: mesmo que pessoas tenham um atmosfera mais sombria, não deixam de ser responsáveis e terem valores como honra e ética. Pessoas sendo mais abertas, também não deixam de ser responsáveis. A moral e ética morrerão, e o mundo ficará corrupto, e não é apenas nos políticos. Evidências hoje não faltam, porém imaginem daqui a vinte anos coisas como "mortes legais, onde pessoas que querem morrer, morrem", "aborto", "suicídios em massa", "pessoas matando pessoas mais que hoje" e coisas do tipo. Todos esses temas, há vinte anos atrás eram tabu, eram temas que nunca se discutiam. Hoje são temas que pessoas discutem, cada um tem opinião. Daqui a vinte anos, eles existirão e serão "direitos" da sociedade.

Desde o início do século passado o mundo viu a modernidade. A modernidade traz é claro benefícios com ela, mas esses benefícios vem gradativamente com a corrosão de coisas do passado. Se para pintar como ele queria, Van Gogh teve que passar por cima de milhões, esses milhões se tornaram não apenas aceitáveis à sua arte, mas tolerantes. O mundo aparentemente evoluiu, mas essa evolução veio banhada por "corruption" em pequena escala, e isso vem aumentando. Se há cinquenta anos a moda ditava que todos tinham que se vestir de uma maneira, hoje as pessoas tem a liberdade de se vestir da maneira que querem. Hoje vêem a liberdade crescendo e as tornando corruptas, porém meus claros, liberdade e corrosão são coisas que andam juntas, e mesmo que comecem separadas, em algum momento histórico elas se unem. Um a um coisas consideradas hoje "porque o mundo não era assim antes", antigamente eram coisas que eram perfeitamente normais. Casamentos arranjados, uma coisa que era normal, e muitos lutaram contra isso, dizendo que defendiam a causa do amor, e hoje vemos ninguém casado, e relacionamentos entre pessoas durando semanas. E aqui sim, estou generalizando.

Sim. Vinte anos aproximadamente as pessoas matarão as outras legalmente, derrubarão impérios, abortarão, se matarão "legalmente" (suicídio é crime? to fudido, hehe) e essas coisas do tipo. Um caminho feito não por nós, mas os nossos filhos. Inevitável? Bom... Eu gosto de exemplificar que inclusive os lugares mais conservadores que conheço - e não adianta dizer que não há nenhum mais forte que esse porque não há - igrejas evangélicas cada vez mais são liberais. Minha avó por exemplo, é de um tempo onde era proibido ter televisão, mulheres terem cabelo curto e vestirem calças então, nem pensar. Hoje praticamente não há nenhuma igreja que siga isso. Um bom exemplo é a apocalíptica [você sabe muito bem qual é!] ter a record comendo na sua mão (ou na mão de deus, quem sabe...) e várias "evangélicas" moderninhas usando calças tão coladas que dá até vontade de pecar com elas. =P

Se é inevitável?
Sim.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog