sexta-feira, 11 de julho de 2008

O que a sociedade tem a ver com a corrupção.

Dias atrás estava assistindo Invenção do contemporâneo, na TV Cultura, aliás um dos que eu sempre tento assistir, mas o que chamou a atenção foi um comercial. Esse comercial chama atenção de um problema da nossa infeliz sociedade brasileira: corrupção.

Tento evitar de falar de política, mas sempre acabo voltando nesse tema, enfim.

A sociedade da República das Bananas, e dos Bananas, é regida por um sentimento de impunidade. Quem faz alguma coisa ruim, dificilmente se ferra. Vivemos num país gozado, onde estudiosos na escola são os mais sofridos, onde os que não estudam sempre são os mais populares e chamam mais a atenção e consequentemente pregam seu meio de vida pra atrair mais seguidores. Uma sociedade, vou dizer engraçada pra não baixar muito o nível, onde acreditam que lugar de bandito é na prisão, onde apenas o fato de se isolar ele da sociedade irá trazer paz, e não recuperá-lo para o convívio com os outros.

A pergunta do comercial é: O que você tem a ver com a corrupção?

A impunidade faz com que as pessoas cometam crimes sem jamais pagarem por isso. Não digo apenas os ladrões, como o que roubou meu Motorola V8, mas também os ladrões lá de cima, como a figura carimbada na imagem desse post. Minha mãe, devo dizer, me educou em algumas coisas de uma maneira muito ruim. Me ensinou que, caso eu ache uma carteira na rua, pegue o dinheiro dela e devolva apenas os documentos. Caso alguém dê troco a mais pra você, finja que está correto, e só reclame caso esteja faltando, não sobrando. Caso alguém deixe dinheiro cair no chão e não tenha percebido, pegue e finja que nada aconteceu.

Mas desde moleque, eu percebia que isso estava errado. E caso vocês achem que eu sou um grande idiota, perguntem-se e ponham-se no lugar da pessoa que sofre a ação de perder dinheiro. Não gostariam, correto? Caso não fossem com vocês não ligaram, mas quando mexe conosco a coisa é diferente? Não.

Isso já está implantado na cultura. O brasileiro malandro, mas não tem nada a ver com fazer gluglu. Todo mundo adora falar da corrupção dos políticos, mas a pergunta é: "E você? Já foi corrupto hoje?". Um comercial, nem uma organização vai mudar essa consciência. Pessoas tem motivos para ser malandras e picaretas.

No nordeste, pessoas ainda morrem de fome. Morrem de fome em pleno século XXI, num dos países mais ricos entre os mais pobres. Num país que mata a fome do mundo, mas não consegue matar sua própria fome, e acreditem, esse é um assassinato que eu cometeria sem o menor arrependimento. No sertão as pessoas são espertas, são como urubus que lutam por carniças. Lá, o pobre só vive se é esperto, se é malandro, pois o governo bananal não consegue até hoje dar uma condição boa de vida pra eles. A família da minha mãe veio de lá, fugindo da seca, da fome e da solidão. Minha avó chegou aqui mas nem tem vontade de sequer pensar em voltar pra Bahia. Talvez seja as más lembranças de uma época que ela viveu na infância. Caso não fossem espertos, não viveriam, logo na primeira oportunidade de ir pra São Paulo, agarraram com os dois braços.

O habitante desse país tem que ser malandro pra viver, mas também é malandro porque quer. Expurgar, eliminar os vestígios ruins será uma tarefa praticamente impossível, como já disse, essas ações foram quase que implantadas pela minha mãe, e embora eu a ame mais que qualquer uma, não admito que tenha me educado bem. Mas acabar com a impunidade e dar uma melhor vida pras pessoas é o básico. O fim dessa malandragem vem depois do salci fufu.

Mais informações no site: http://www.oquevocetemavercomacorrupcao.com/

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog