terça-feira, 5 de agosto de 2008

Prisão pra isolar ou recuperar?

No Brasil temos o estranho hábito de dizer que lugar de vagabundo é na prisão. É também aqui onde se gasta entre mil e mil e quinhentos reais pra manter eles lá, fechados, sem contato social e claro, sem nada o que fazer. Tirando os milhares que morrem nas favelas do Rio, quando não morrem vão para as nossas já bem lotadas prisões. Mil reais é além do que eu pago de faculdade, mas o estado perpetua em ficar pagando horrores pra mantê-los lá da mesma forma.

Existe porém uma idéia deveras equivocada do papel da prisão. Temos uma idéia de prisão como lugar de isolamento do marginal, onde todos nós temos por direito a nossa liberdade - seja ela de expressão, de aceitação dessa expressão, de ações contanto que não inflinja a liberdade do meu próximo. Se todos temos o direito assegurado por lei de ir e vir, se eu chego e mato alguém eu estou a impedindo de ir e vir, e exatamente por eu infligir esse direito eu pago com o meu maior bem - no caso, a liberdade de também poder ir e vir.

É meio estranho, e embora eu conheça muitos advogados, e tido relacionamento com várias também, basicamente é isso que o livro da legislação tupiniquim leva milhares de centenas de páginas pra falar. Seu direito termina quando você impede alguém de usufruir esses mesmos direitos. Mas voltando ao papo de cadeia, bom...

Cadeias são lugares extremamente seguros. Bandido não tem o perigo de Michael Corleone, no Poderoso Chefão, de morrer vítima de mafiosos simplesmente porque você fica "protegido" nela, tanto que é de lá que muitos bandidos mandam matar, extorquir e tudo mais. Porém o fato é que nos acostumamos em definir cadeia como o lugar onde deve-se isolar um criminoso. Acredito claro, deve-se isolar o bandido (inclusive o filho da p*** que roubou meu Motorola V8!) porém ao mesmo tempo deve trazê-lo de volta ao convívio em sociedade.

Muitos estados do sul tem feito isso e conseguido. Bandidos muitos começam de pequeno: são vítimas da grande igualdade que existe em nosso país. São crianças abandonadas que se acostumaram ao pouco e ao nada, e vêem que do outro lado têm outros tantos que têm tudo. Faltam um pai e uma mãe pra ensinar algumas noções da vida e alguma moral. Não falo da educação e da renda (primeiramente a educação por favor... País só com operário e gente de telemarketing não dá), mas falo que, uma vez que "perdeu" essa pessoa, tentem recuperá-la na prisão, educando-o, ensinando o valor de um trabalho e uma vida honesta.

A questão não apenas de se isolar, mas de recuperar e indivíduo para o convivio em sociedade. Tem um filme muito bom que fala disso (e não é Tropa de Elite, haha), mas esqueci o diacho do nome dele. Quando lembrar eu posto aqui.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog