sexta-feira, 19 de setembro de 2008

E quando olham pra trás, uma renca de filhos.

Dias atrás fui colocar créditos pra jogar Ragnarok e encontrei lá na Lan House que eu coloco uma amiga dos tempos de escola. Amigona mesmo, e conseguiu me reconhecer (ok... Ela já tinha me visto até de cabelo tingido, mas não tinha acredito) e ficamos jogando papo fora enquanto o rapaz colocava créditos. Acredite, não tenho nada contra portugueses, mas que são lerdos e só pegam no tranco, isso é bem provado pela maioria deles que eu conheço, inclusive o que eu coloco créditos na Lan House.

Me surpreendeu que ela já tem inclusive uma filha. Eu fiquei meio estranho, afinal pelo que eu conhecia seria ela exatamente a que menos talvez demoraria a procriar. Mas procriou. Aliás, eu tenho vários amigos que já tem seus filhos e esposas e ao encontrar com eles na rua eles me perguntam: "E você? Quando vai casar? Tá na hora heim!", e eu falo: "Cara... Se tu pegasse metade do meu azar que eu tenho com a mulherada, só com metade você entenderia!".

Cada um na sua vida e estilo, hahaha. Tem gente que não quer e consegue, eu quero e não consigo, haha...

Um desses amigos que encontrei, aliás tou tendo um estranho azar (ou sorte) de encontrar essa negada, ao menos os que ainda estão vivos durante esses dias. Esse outro trabalhava na telefônica (uia, vai ter gente pulando de ódio aí, hehe) e conseguiu mesmo sendo um atendente de telemarketing conseguiu graças ao esforço ganhar uma viagem para ver a central da telefonica lá na Espanha, uia. Achei isso muito bom, reconhecimento do trabalho que eu não imaginava que chegava a esse patamar logo aqui nesse país, a republica das bananas.

Mudando novamente de assunto, ontem foi dia dos símbolos nacionais que é uma daquelas datas pra mostrarmos nosso patriotismo por um país Seu Madruga, que é pobre, feio e desempregado. Eu ainda pergunto onde pessoas nascidas aqui procuram essa noção de patriotismo e onde arranjam isso. O mais engraçado é que muitos que se adoram dizer "patriotas" tem uma situação financeira melhor do que a maioria das pessoas desse país, que embora a FGV tenha dito que somos um "país classe média" ainda temos um grande número de pessoas pobres e pessoas abaixo da linha da pobreza.

Realmente, quem tem dinheiro acaba sendo patriota, o que nunca foi uma novidade. Agora quero ver um favelado com seis filhos e um emprego de salário mínimo levantar e dizer que tem orgulho de ser brasileiro pelas mesmas condições que o "país que deve ser amado" lhe dá. Hipocrisia pura. Engraçado que tem um monte de gente que ainda fala que tem que ser porque o país tem natureza (mas anda no meio do mato que você volta sem as calças!), tem mulheres lindas (em poucas palavras: turismo sexual) e é terra de oportunidade (claro, imigrantes que fazem fortunas e elevam ainda mais a diferença entre as classes).

Por isso prefiro cantarolar God save the Queen do que Hino Nacional da Terra Bananal. E ainda metem o pau em mim dizendo que tá tudo mil maravilhas. Ah, me poupe e vai enfiar esse patriotismo onde eu vou nem falar...

1 comentários:

Gabriela disse...

Hahahahaha, quanta raiva nesse seu coraçãozinho! Mas eu concordo. Realmente o Brasil só é bom pra quem tem seus rios de dinheiro pra morar na bolha do complexo Cidade Jardim, por exemplo. Aquele é o maior exemplo de que aqui só vive "bem" ou quem tem muito ou manda no morro ou na favela. É esse país não tem muito jeito...

Postar um comentário

Arquivos do blog