quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Todos os caminhos me encaminham pra você.

Bossa nova. Virei fã. E é bem verdade também que os poemas de Mr. Moraes na minha opinião haviam palavras, e é isso que importa. Tem textos aqui que eu escrevo (ou escrevi) com paixão mesmo, pegando lá do fundo, e acho que é por isso que os mesmos ficam com um teor muito peculiar, e interessante e claro, gigantescos. Ao ler dá pra ver um sentimento lá, e eu viajo nas coisas que escrevo. Coisa de retardados como eu.

Mas acho que é isso, né? Por mais que as pessoas afirmem que devam ser frias e zelosas acredito que isso não é o "ser humano", afinal somos nós que damos e criamos sentimentos, recebemos afeto e tudo mais. Pois é exatamente o estado "apaixonado" que põe tudo de pernas pro ar. Nessa hora tudo ganha cores, aromas nunca vistos antes.

E talvez até seja mesmo uma pura reação hormonal igual todos cientistas dizem. Um efeito muito similar às drogas é induzido no cérebro ao ficarmos apaixonados, e não seria estranho se ao mesmo tempo ficarmos viciados nela. E permanecemos, mesmo que a vida nos separe, ou nos impeça de estar com quem mais amamos.

Namores felizes não tem graça. Todos dizem que nada menos queriam que não ter dores de cabeça, mas como dizem, mulheres existem pra criarem problemas e os homens para solucioná-los (hahaha... super-hiper-mega machista. Brincadeirinha, minhas queridas. Só pra descontrair, hihih), mas o que quero dizer é que  grandes relacionamentos são feitos exatamente dessa mesma dificuldade, assim como um poeta não é grande se não sofrer. As dificuldades, as tristezas que fazem a felicidade ser algo a mais, e que faz muitas vezes valorizarmos as coisas boas e superarmos as más.

Relacionamentos não são uma coisa fácil, e nunca serão. E se são fáceis, acabam rapidamente. Mas é, nas horas difíceis que o casal se dá conta que mesmo de tão unidos sabem que não importa os caminhos que a vida der, mas que qualquer um que pegar levarão um ao encontro do outro novamente. Exatamente essa garantia que faz as pessoas crédulas no incrédulo.

Essa mesma força que dá forças para persistir e conquistar.
Post hoje ao som de Nozaki Sayuri - Eu não existo sem você. Tem uns vídeos dela no Youtube excelentes, em homenagem à paixão que japoneses têm pela bossa nova estou ouvindo uma descendente japonesa cantando Antonio Carlos Jobim.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog