quarta-feira, 17 de junho de 2009

Fim do Ragnarök Online no Brasil - Parte 2

Retomando no último post, estava falando sobre o merge dos três servidores e ainda a questão acerca do início do Openkore, o programa Bot. Como disse antes, Ragnarok assim como grande parte dos MMORPGs vão de encontro com o maior dos valores da civilização atual: tempo. Para tanto existem Bots, que é basicamente deixar o computador jogando por você, evoluindo e obviamente, ganhando itens. Porém mesmo os métodos de burlar dos programas de proteção da própria N-Protect já existissem, mesmo assim os Bots não se proliferavam. Por que logo atualmente que esse tipo de coisa começou a ocorrer?

Depois do merge o servidor durante os primeiros meses ficou realmente um lugar bombado de pessoas. Os clãs poderosos do Iris, contra os do Loki e Chaos. Rolavam desafios e tudo mais. Até que um belo dia a Gravity, querendo tirar ainda mais vantagens e ir de encontro com as tendências atuais acerca dos MMORPGs, criaram os Kafra Points, ou conhecido aqui como Ragnarok Online Points, os populares, ROPs. Lembrando que isso foi pouco antes da fusão dos servidores.

Gerou uma grande revolta no jogo, e fez muitas pessoas saírem também. Muitas dessas coisas podem ser vistas nesse vídeo. O próprio jogo se uniu, os clãs por uma bandeira de derrubar os ROPs. Mas o que raios são os ROPs? É uma moeda que é comprada com dinheiro de verdadinha para adquirir novos itens, que não acredito ser apelões, mas são bons, obviamente. Acontece que isso traz pessoas com dinheiro sendo capazes de terem itens tão bons quanto os que ficam lá juntando loots ou itens dropados por MVPs (chefes).

Acredito que a vinda de ROPs foi algo decisivo, junto com outro fator: a grande venda de contas e o comércio em dinheiro mesmo que rolava. Pessoas evoluíam e percebiam que poderiam vender suas contas com caras fortões por um bom dinheiro. Vendiam, e deixavam o jogo, obviamente. A coisa realmente ficou interessante e cada vez mais dinheiro em Reais se confundia com os Zenys do jogo.

Que fique claro que o dinheiro é de cada um, e cada um faz o que bem entender.

Chegou a um ponto crucial. Se a venda de personagens estava sim lucrativa, assim como a venda de ROPs, porque não também vender zenys? Vamos lembrar que, até esse momento o uso de bots era algo isolado - mas que existia - muitas vezes por grandes líderes de clãs, ou mesmo quem não tinha muita paciência pra conseguir uma carta no jogo (carta é um item, em geral com 0,01% de chance de ser dropado, e anexado a uma arma traz novos atributos, efeitos, etc). Foi mais ou menos nessa reviravolta do novo tipo de jogador de Ragnarok - o que antes era o cara que jogava só fim de semana, moleque que se esforçava e faltava no cursinho de computação pra jogar, ou ainda a menina que só entrava pra ver o seu "môzinho". Esse perfil de jogador meio que desapareceu. Veio então a pessoa com cartão de crédito, vontade de ter zenys rápido pelo intenso mercado que se instalava.

Novos itens cada vez mais caros, os "godly", entre outros só caiam das mãos de uma das mais temidas MVP por exemplo, Valkyrie Randgris, tinham preços exorbitantes. Pessoas queriam ter dinheiro no game, mas não queriam usar o Openkore. Mas muitos tinham dinheiro e eram independentes.

Reais, BOTs, zenys são os atores principais. Só faltou então enfim a cena teatral mostrada. Nasceram e explodiram BOT Farms. Mas isso, é pra próxima postagem (prometo, a última!).

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog