terça-feira, 30 de junho de 2009

Michael morreu de desgosto.

Pra terminar o assunto por aqui, quero destacar um texto que li, escrito por um companheiro meu, o Duadu lá no Arayashiki, que acho que exemplifica totalmente não apenas a morte, mas quem foi Michael Joseph Jackson.
Pode parecer bobagem isso que eu vou dizer, mas, de certa maneira, acho que MJ encontrou paz na morte, se é que existe isso.

Muita gente o devia invejar pela fama, pela fortuna, como as pessoas pra variar invejam umas as outras: só por causa dos bens materiais, e esquecem que, como diria Saint Exupéry, o essencial é invisível aos olhos.

E esse essencial acredito que MJ nunca teve.

Tinha um pai maluco que o assediava física e moralmente, uma família invejosa (salvo talvez por uma das irmãs), nenhum amigo verdadeiro, nenhuma mulher (não acredito nos casamentos de fachada dele), nada, só um bando de parasitas o tempo inteiro rodeando ele e querendo sugar um pouco da sua fortuna.

Eu jamais gostaria de ter vivido a vida dele, com todo o respeito a tudo que ele construiu, mas é cruel demais.

Muita gente vai dizer: "Ah, mas MJ era querido pelo mundo inteiro! Como ele não tinha amigos?"

Eu DUVIDO que tivesse amigos mesmo.

Eu já vi videos dele em que ele dizia ser uma pessoa extremamente solitária e incapaz de fazer as coisas mais simples da vida, como ir numa mercearia comprar um doce, sem ser cercado por uma multidão querendo que ele dançasse, cantasse, arrancando os cabelos e berrando.

Aliás, assistam se puderem os videos da série "Vivendo com Michael Jackson" no Youtube, pra vocês verem do que eu falo.

Uma coisa é vc idolatrar o cara, vc ter admiração fervorosa pelo trabalho dele, pelos passos de dança, pela música, outro é se portar como um amigo verdadeiro, dar amor pra pessoa, fazer ela se sentir amada e querida, e isso ninguém, tampouco a família de MJ conseguiu fazer.

O resultado foi um cara de 50 anos que tinha uma mentalidade de um adolescente, isolado num mundo só seu, convivendo a maior parte do tempo com crianças, que deviam ser os seres com quem ele mais se identificava pela inocência e modo espontâneo de agir.

As últimas vezes que observei MJ pela net, por foto, videos, ele parecia visivelmente debilitado fisicamente, com um semblante desanimado, o sorriso no seu rosto era amarelo, quase forçado, de alguém insatisfeito, talvez não só com a vida ao seu redor como consigo mesmo, de alguma maneira.

No fundo eu acho que ele ja devia estar de saco cheio, de tudo: da indústria da música, da imprensa, dos parasitas que o rodeavam, das pessoas que o amavam e o idolatravam só por ele ser o "Rei do Pop" e não apenas o Michael Jackson...

...das acusações de pedofilia, da imagem de monstro pedófilo e degenerado que o acompanhou durante muito tempo graças aos tablóides (e ainda o acompanha mesmo depois de morto, na visão de muitos), de saco cheio da maldade que o rodeava o tempo todo e que ele ingenuamente achou que podia combater por um tempo, com a música e suas mensagens de paz e amor nos videos e entrevistas.

Esse infarto aos 50 anos me parece mais uma morte trazida por um desgosto profundo, de um cara que chegou lá em cima, talvez no lugar mais alto que um astro poderia chegar, olhou lá de cima aqui pra baixo e se decepcionou com o que viu.

Não acho que ele ia aguentar aqueles 50 shows, talvez até tivesse morrido no meio de um, o que seria bem pior, quase como aconteceu com o Tim Maia.

Pra mim o encanto do nosso mundo, pro MJ, já havia acabado a algum tempo, e quem é que pode culpar ele?

Como diria o psicanalista Augusto Cury: "O normal hoje é ser intolerante, é ser egoista, individual, é viver estressado, trabalhar demais, comer porcaria, idolatrar bens materiais, tratar uns aos outros agressivamente e de maneira breve e ríspida."

Nesse tipo de sociedade o cara que abraça árvores, conversa com flores, ou, no caso do MJ, vive num mundo inocente só seu, se achando em casa apenas estando rodeado de crianças, não tem lugar, é uma ABERRAÇÃO, um DOENTE MENTAL a ser motivo de piada.

Agora, mais uma vez, a indústria vai aproveitar a morte de mais um astro pra tirar até a última gota de dinheiro possível do público, e voltaremos a (a)normalidade de sempre.

Que descanse em paz, e seja recebido na verdadeira Neverland, mas agora em boa companhia.

Até um dia.

E uma frase escrita pela Natália "Vovó Tétis", que acho que é bem interessante. "A morte de cada homem diminui-me, porque sou parte da humanidade. Portanto, nunca procure saber por quem os sinos dobram; eles dobram por ti." - John Donne.

1 comentários:

Cris disse...

Eu não sei se devo acreditar em tanta pureza assim do MJ, mas concordo que só agora q ele morreu que tem a consideração que merecia.
Vamos Alain, saia da deprê por causa do Michael.
Beijossssssssssssss

Postar um comentário

Arquivos do blog