sexta-feira, 26 de junho de 2009

Morre Michael Joseph Jackson.

We’ve been together, for such a long time now... Music, music and me. Nós estivemos juntos, por tanto tempo, a música, a música e eu. Não apenas Michael esteve junto de suas músicas, não deixa apenas um legado forte realmente virando um ícone de uma era e de várias gerações, como também suas músicas estiveram sempre junto de seus fãs também, unindo.

Aquele garoto, nascido em agosto de 1958 na cidade de Gary, Indiana, conviveu com a pobreza sendo o sétimo filho de uma renca. Já criança foi descoberto pela Diana Ross, que lançou aquele pequeno garoto com voz afinada no show-business junto de seus irmãos. Sofria muito nas mãos do pai, rigoroso, nunca quis que o filho ficasse com o segundo lugar. Uma vida de esforço, de privações, de tristeza mas ao mesmo tempo de muitas alegrias. You know that love survives, so we can rock forever. Você sabe que o amor sobrevive, então vamos dançar eternamente.

Detentor do álbum mais vendido de todos os tempos, Thriller antes havia estabelecido um recorde de 55/60 milhões, numa época que não existia sequer internet. Sobreviveu, a nova recontagem da Sony o colocou acima das 100 milhões de cópias vendidas, um recorde absoluto e inalcançável. Michael sempre foi o primeiro. Primeiro em número de álbuns vendidos, número de prêmios, o primeiro negro a ter um clipe passando na MTV, primeiro a unir tão bem o pop, R&B e rock 'n roll. Primeiro também na fidelidade de fãs. Fã de Michael Jackson tem orgulho em falar que é fã do Rei do Pop, não é qualquer fãzinho de bandinhas underground, eles enchem o peito na hora de falar "Michael Jackson". Talvez seja por isso que lotaram o hospital, sempre estão atrás dele, e sempre fazem loucuras. Todos, de todas as idades. Mesmo que sejam aqueles que crianças viram no Fantástico há anos atrás aquele cara branco na Estátua da Liberdade dizendo I don't matter if you're black or white. Eu não ligo se você é preto ou branco.

Muita gente veio me perguntar como estou, se fiquei triste, ou coisas do gênero. Acredito porém que veio em boa hora sua morte - fui um fã roxo de Michael Jackson entre 2001 e 2004, mas depois simplesmente de um dia pro outro, parei. Acompanhei ainda as acusações mais recentes de abuso infantil e fiquei feliz com o resultado da inocência dele. Ainda lembro muitos passos de dança, tenho todos seus álbuns pela Epic/Sony na carreira solo e dois DVDs daqueles que não era clipes, eram quase que curta-metragens, excelentemente produzidos. Michael foi a ponte entre a minha infância e adolescência, foi a ponte entre o garoto tímido e calado, para o ator dançarino que hoje fala alto, quase gritando. Ele embalou desde os momentos de felicidade, os momentos pensativos, e os momentos em que alguma garota me dava um pé na bunda, os momentos de paixão, os de tristeza, enfim... And she promissed me in secret, that she'd love me for all the time. It's a promise so untrue... Tell me what will I do ? E ela me prometeu em segredo, que me amaria para sempre. Uma promessa tão mentirosa... Me diga o que vou fazer?

Acredito que se isso acontecesse há uns cinco anos eu ficaria arrasado. Mas hoje estou apenas triste. Desde 2001 estamos esperando novidades dele, que só lançou coletâneas e mais coletâneas, tava parecendo uma Ayumi Hamasaki. E agora, morreu.

Fui hoje no shopping ali próximo do Largo 13 pra comprar uma coisa e os camelôs estão tocando alto os clipes nos DVDs genéricos do Rei do Pop. Muita gente lotando pra comprar o Number Ones, Visionary, The Essential e afins. Muita gente parando pra relembrar aquele que fez parte de tanta gente, de tantas vidas, que estava se apagando até agora se apagar de vez. Engraçado que há algumas semanas eu estava tirando o pó de algumas coisas e encontrei meus CDs dele, comecei a ouvir de novo depois de tanto tempo. Mas infelizmente, se foi. Vá em paz! Este que marcou a vida de tantos, inclusive a minha.

Hoje duas postagens. Michael pegou a todos de surpresa. Vá em paz, Michael Jackson. Elvis não morreu, tampouco Michael morrerá também. Suas obras podem ter certeza que ficarão eternizadas para sempre nos corações de todos. Abaixo, a que é considerada por muitos a melhor apresentação do Michael Jackson, na comemoração dos 25 anos da Motown, a sua primeira gravadora, apresentando Billie Jean no auge de sua carreira mostrando a todos pela primeira vez aquele passo estranho, de "andar para trás", o Moonwalk.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog