segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Pegue as coisas, feche e porta e vá embora pra nunca mais voltar.

Bom dia. Pegue seus pertences e vá embora. Carregue seus sentimentos para um lugar distante e os abandone.

Ouvi o barulho de alguém chegando. Estava envolto por uma manta, deitado no sofá. Sequer tinha notado, já passavam das sete da manhã, o dia já tinha raiado. Ela entrou e deu logo de cara comigo. Estava ela com cabelo bagunçado, roupas desengonçadas, mas isso das roupas era sempre. Parecia estar levemente maquiada. Me fitou com um ar surpreso, já questionando: "Ei, o que você tá fazendo aí? Por acaso ficou me esperando a noite inteira?"

"Claro que não". Mentira. Não estava conseguindo dormir, de alguma forma a sua não-presença me dava medo. Mal ouviu a minha resposta, outra interrogação surgiu: "Espero que não esteja cobrando fidelidade de mim. Nossa relação é arranjada, não sinto nada por você e somente tenho que conviver com você, nada mais que isso. Apenas de fachada".

"Cala essa boca. Saí com duas ontem". Outra mentira. Talvez não seja tantos pelos laços, mas naquele momento percebi que algo crescia em mim. Cheguei a fraquejar, gaguejar um pouco na resposta. Meu pulso acelerou e ela se dirigiu até o banheiro.

Naquela hora, não sei porque meus olhos se encheram de lágrimas.

Traição é uma coisa tão triste. Se homens soubessem como é triste você gostar de alguém e saber que ela some repentinamente ou então simplesmente te troca, te abandona, não sente nada por você mesmo você ainda sentindo. É algo que machuca tanto a gente, tanto quanto mulheres. Acredito que se muitos homens que sentissem na pele isso jamais iriam dar em cima de qualquer outra garota com sua namorada do lado. Mesmo.

Mas depois que o ato é consumado, nada mais temos a fazer a não ser sentar. Desistir de tudo, largar tudo, inventar mil e uma coisas. Pode ser também de você ser a pessoa mais desprezível do mundo e aceitar dar uma nova chance pensando em "redenção", ou simplesmente porque "ama".

Quando porém essa segunda chance existe, a gente percebe que ama muito mais o outro que a si próprio. Percebe que sua alma é doentia, embora exista sim uma nobreza invejável. Que a pessoa não sai da sua cabeça, que quer perdoar e ao mesmo tempo não quer. Acredita sim que existem bilhões de mulheres no mundo, mas sua mente teima em crer que existe apenas uma. E você se fecha.

E cai num precipício.

Não se olha mais no espelho.

Dá segundas, terceiras, quartas e infinitas chances. E ela erra segundas, terceiras e quartas até infinitas vezes uma atrás da outra.

Naquela hora ela voltou, saindo do banheiro. Limpei o rosto quando percebi a maçaneta girando. Ela caminhou com aqueles passos perdidos até a cozinha, olhou pra mim de súbito e disse: "Você mente muito mal". Não fiz nada. Me senti um lixo de pessoa, e embora fosse apenas um jovem na época, parecia estar com aqueles sérios problemas de adultos tardios.

Mudo. Até a respiração estava controlando. Sentia meus batimentos mais fortes. Até que o silêncio foi quebrado por uma sentença dela "Você é bonzinho demais. Você acredita nas pessoas, acredita em amor, em Deus, em justiça, honra e se alguém especial está perdido você corre ao seu encontro".

Na hora não aguentei e falei em tom alto "VAI SE FUDER! Tá aí me humilhando, chamando de miolo mole? Vá cuidar da sua vida e da gente da tua laia!".

"Não. Não foi isso que quis dizer", e depois ela concluiu, calma e fria como toda boa aquariana "Apenas é seu estilo. Não faz tanto o meu, mas sem dúvida é algo louvável".

sábado, 29 de agosto de 2009

Possuir é nada, desejar é tudo.

Me falaram uma vez que eu tinha que aprender a humilhar uma mulher, e vice-versa. Engraçado que inclusive pessoas mais velhas falam isso, falam que é assim que se consegue prolongar um namoro, um casamento e uma vida a dois.

Francamente de início não dei muito crédito, oras. Afinal os filmes românticos não mostram nada disso, nem mesmo as novelas ou romances. Mas aí como que para um bom entendendedor meia palavra basta comecei a reparar nos casais a minha volta.

Aí a ficha caiu quando vi num desses programas da cultura de madrugada, em especial as palestras interessantíssimas do "Invenção do Contemporâneo", diziam que no amor Possuir é nada, desejar é tudo.

Resume bastante por si só. Casal bonitinho, ao menos os jovens, não dão muito certo por bom tempo. Óbvio que isso é uma generalização baseada na maioria que vejo. Exatamente os que brigam são os que mais ficam juntos. Não existe a idéia de "me possua", mas o "me deseje" acaba sobrepujando.

Quer ver como é simples e isso não tem restrição de gênero nem nada? Só não tente se seu relacionamento não está consolidado ainda. Se você é mulher, comece uma discussão por algo idiota, como um cadarço desamarrado, um cabelo bagunçado ou o cônjuge usar sempre a mesma jaquetona desbotada e furada de maloqueiro. Existe uma briga e pode anotar, o cara vai depois ligar pra você. E pasme, o amor vai estranhamente crescer.

Esses filósofos e psicólogos são uns gênios mesmo. Por isso a vida inteira tento estudar essas duas coisas e nunca consigo. Tem que ter uma cabeça muito boa mesmo!

Depois da discussão não tem mais o clima ameno de entrega do amor, e sim quase uma reconquista, e re-re-re-re-re-reconquista. O desejar pode durar por uma vida inteira, entre inúmeras e inúmeras vai e volta, onde trará muito sofrimento e bocado de prazer. A gente tem que sofrer mais, mas tem que receber coisas poucas e boas também. Não na mesma proporção, acredito. Senão vai ficar igual a mim que só sofri a vida inteira, recebi nada de bom e vou lá e tento me matar. Simples assim.

Ou então se só recebe coisa boa, não consegue ter cabeça o suficiente pra sofrer e foge, corre de tudo.

Pode existir também diversos epílogos, mas o que me chamou atenção foi o epílogo da mágoa no programa. Afinal seres humanos tem um limite, e embora até hoje meu saldo de inimizades seja atualmente de apenas uma única pessoa - e acredite, sou melhor que monge nessa parte! Tenho uma paciência a uma tolerância que até minha psiquiatra dizia que é além dos limites, kkkk - mas tem gente que pega mágoa e aí termina relacionamentos depois de tanto "desejar", pra procurar alguém com quem pessoa apenas "possuir".

Mucho loco esses baguio de pisicolojia, manu!

Que é normalmente o que acontece. Depois de um tempo o pessoal começa a deixar o amor de lado, não o tornando mais o motor da relação, mas o companheirismo que é o que eu acho beeeem mais bacana. =) Acaba-se o desejar do amor jovial e vira o possuir, seja por ambos os sexos ou apenas um, e aí sim, são felizes pra sempre com poucas brigas, discussões e coisas do gênero.

Acho que depois de design vou entrar em filosofia!

Puuuuuu!

Começando com cumprimento à là Mokona! \o/ YEAH! Mokona rulez. Hoje fui um dia fodaaaaa! \o/ Se bem que do jeito que começou, ele terminou até que bem. Fui pro CNA e tal e fiquei esperando minha prima pra entregar-lhe um texto sobre um seminário dela sobre o reino judaico. E aí...?

Recebi um scrap da Naiara dizendo que os mangás eram lindos... *-* Waaah, ganharia meu dia apenas com isso, mas... HÁ Há!! Resolvi ligar pra ela dizendo que levaria os mangás e tal. E aí nós vemos como os deuses conspiram...!

Ela estava em casa (milagre), como sempre um doce de pessoa (isso eu adoro nela! ^_^), e tava dodói (tadinha T_T). Mas ela realmente havia adorado, e eu entreguei a ela os mangás do X/1999 e Tokyo Babylon, heuahea... Ela me disse que adorou e queria saber se aquilo teria continuação e entreguei X pra ela... Espero que ela goste e...

Ficamos conversando durante um bom tempo e até falamos da Bruna... Conversei com a mütter dela (que eu disse que ainda irei roubar ela dela e farei ela ser a minha segunda mamãe *-*) e expliquei pra ambas a situação. Pena que eu gostaria de ter um papo mais a sós com ela (por isso eu vou pro inferno... tsc, tsc, tsc...), nada demais ora, mas gostaria de conversar a sós com ela uma coisa, afinal estávamos juntos do Renan, que nem era chato, pelo contrário... Moleque muito firmeza e gente finíssima! ^_^

Enfim, essa escola ainda me deixou marcas.. xP~~ Ai, ai... You give me fever...

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Como fazer um bando de marmanjos babarem.

Aqui em casa a gente até que gosta de ver esses concursos de beleza. Tá, nem todos os anos a gente vê, mas quando a passa a gente fica grudado na telinha. Não apenas por eu ser homem e obviamente não piscar quando é a parte de desfile com os trajes de banho (já viram aquele episódio do Chaves que eles assistem ao concurso de Misses, né?), e minha mãe por exemplo gostar de ver os trajes de gala e rir das que se acham... vestindo trapos.

Mas acho que antes de mais nada os concursos desse tipo impõe muito respeito com a mulherada. Não é a Sabrina Sato ou a Tiazinha que tá lá. Não são essas "mulheres pra comer", mas lá são "mulheres pra casar". São bonitas, e não gostosas. Digo isso porque é o que grande parte do que se passa na cabeça de nós homens - o que muitas vezes acaba vindo de alguns de nós esse tipo de pensamento libidinoso. Todas os nomes em negrito durante o post são relacionadas com as suas respectivas fotos. ;D

A que eu mais gostei, embora não tenha nem ficado entre as quinze mais foi a ruiva Clair Cooper, da Inglaterra. Não gosto muito de ruivas, normalmente são sardentas e branquelas demais. De fato, essa era branquela igual leite azedo, mas os olhos verdes com o cabelo vermelho saiu uma combição natural muito, mas realmente muito bonita. Achei uma das mais fortes, embora no desfile das fantasias foi pior que algo saído da X-9 Paulistana...

Larissa Costa me recuso a torcer pra ela. Não é a toa que perdeu, vaca inútil que nem inglês sabe falar tomou o lugar da Miss Minas Gerais, que se tivesse já teria ganhado aquilo sem dúvida! Rayane Morais pra mim passaria até a Clair Cooper na beleza. Mulher mineira é coisa fora de série, o estado pode ser até o mais machista do Brasil, mas que produz mulheres tão lindas quanto as lendárias gaúchas e catarinenses, viu?

Pra não dizer que não falei das flores, nem das asiáticas, não vou eleger nem a belíssima Emiri "da calcinha pink" Miyazaka, nem a Wang Jingyao, onde essa última ganhou o título de Miss Simpatia 2009. Minha favorita de olhos puxados é a koreana Seon Nari. Não é alta como as conterrâneas, nem tem o rosto tão quadrado, mas a achei com um postura e um olhar sereno sem igual. Trocando em miúdos, a chinesa é um docinho-de-côco, a japonesa é uma banana split (LOL! Ainda mais com aquele kimono mini-saia), mas a koreana é o meio termo equilibrado, um Creme Papaia com Cassis. ;D

(ah, e Creme Papaia com Cassis é uma das minhas sobremesas favoritas, fica a dica!)

Das que mais apareceram por serem as finalistas, além da australiana Rachael Finch, a tcheca Iveta Lutovska e a "Audrey Hepburn 15 years old" Gona Dragusha, me apaixonei pela Miss Venezuela, que no fim acabou ganhando o concurso, Stefania Fernandez. Tem um porte invejável de toda boa espanhola, além do vestido vermelho que faria até o mais santo dos homens ferver - literalmente ou não. Tenho um bocado de sangue espanhol por parte da mamma e sei como é ser sensual e gostosão, obrigado! 8D

Pra terminar uma última que me realmente chamou a atenção, de um país isolado com tanta guerra e tanto fervor, exatamente Israel e a miss Julia Dyment realmente foi uma surpresa, e que belíssima surpresa! Parece ser bem alta, o que coloca as judias como uma escolha a se considerar quando eu estiver em busca de garotas altas como eu e bonitas. Mas me circuncizar, nem a pau, fica a dica! Pela idade com certeza já deve ter prestado serviço militar no exército de israel também. Pessoas de sorte que foram parceiros de tropa dela. =(

Onde fica Israel mesmo? =P

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Da geração saúde para a geração geek.

geek - [gik] Pessoa que se orgulha por ser um usuário amplo de tecnologias e que constantemente se orgulha disso.

Hoje quero postar algo diferente, um debate que tive com minha mamma - formada em Artes Plásticas - sobre algo que quando vimos ficamos um tanto abismados. Trata-se da mais nova linguagem visual que a Pepsi fez.

A Coca-cola nunca mudou nada em seu logo, desde 1886, salvo apenas talvez a adoção do logo alternativo da Coke, presente em algumas garrafas. Nossa primeira impressão ao ver a nova da Pepsi foi "Nossa! Que embalagem moderna, né?". De fato, até o símbolo redondinho da rival da Coca com a nova curva mostra toda uma estabilidade, mas é bonito de se ver. A latinha com um azul escuro ficou super moderna, bem nas tendências do design clean que 98% amam, enquanto eu fico na minúscula parcela que repudia isso.

Embora eu não beba Pepsi, e sinceramente não gosto nem um pouco de seu sabor em comparação com a Coca a qual sou viciado assumido, ela é uma marca em constante evolução. Tem essa imagem bacanuda que achei na web que explica bem todos os logos. Quero focar nos dois últimos.


A Pepsi antes era o refrigerante do pessoal saradão, daqueles que vão pra praia pra azarar os docinhos-de-côco, os brotinhos. Do pessoal esportista que toma Nescau pra fazer as piruetas e quando tá com sede vai de Pepsi. Dos ligados ao esporte, pessoas que embora tenham e aspirassem hábitos saudáveis, bebiam um líquido nada saldável, principalmente com um alto teor de açúcar.

Agora não! Mudou bastante. Estamos na geração da internet, do pessoal que se comunica com gente dos quatro cantos do globo. Que baixa música e está ligado nos últimos celulares do mercado. Que se comunica em mensageiros instantâneos e não vive sem seu Orkut. Das pessoas que são bombardeadas o dia inteiro com vídeos do Youtube e não deixa de postar no mínimo duas vezes em seu twitter.

Entendeu né, porque o comercial é cheio de RSRSRS e até um OMG!?

A questão não é mais ser o esportista bombado e saudável, isso já é last year. Agora somos pessoas ligadas e que amam a tecnologia, e acredito que esse pessoal novinho agora, a geração do Super Mario e Street Fighter, que viu Pokémon e Power Rangers que estão agora ficando mais maduros vamos virar o mundo de ponta-cabeça. =)

E parabéns à Pepsi pelo bom projeto de propaganda e design. Desculpe mas, continuo sem beber Pepsi. Sei lá, não desce na goela, acho péssimo! Mas parabéns pela iniciativa de repaginar mais uma vez seu visual.

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Vaidade com cheiro de artemísia.

Ui, ui, ui. Hoje tava fazendo a faxina semanal no meu quarto. Ele é meio isolado, pela péssima noção de arquitetura do meu avô só pega sol aqui quando tá uns 36ºC - o em geral máximo de São Paulo - então por não entrar vendo nem sol direito acaba sendo um cafofo que eu tenho que limpar sempre senão a sujeira toma conta.

Acho que mesmo com meu quarto acredito ser um bocado vaidoso. Deixar sempre limpinho, arrumadinho. Mesma coisa comigo, obviamente. Hoje é normal aqui em casa ter muitos perfumes, mas até pouquíssimos anos atrás, pasmem, eu fui o primeiro a comprar um desodorante - uma coisa básica, de higiene até - e na época essa coisa nem entrava em casa, e usar um desses fez meu pai inclusive pensar que eu tava me tornando um viado. Ele obviamente nunca passou nada, podem imaginar o fedor "sovacal", até mesmo a minha mãe nunca foi muito da vaidade. Uma por ela ser bonita naturalmente, mas fedia também obviamente como toda pessoa na face terrestre. Imaginem eu, um garoto entrando na adolescência, que até hoje tenho um problema muito chato com suor excessivo, que fedia e queria dar uns beijinhos nas menininhas? Isso pq foi só com um mero Axe que comprei, poxa.

Mas hoje o mundo mudou, e embora eu continue sendo o mais vaidoso, o povo aqui começou a entender a utilidade de um bom desodorante e colônia. Pra ser sincero não passo cremes nem maquiagem, a única coisa é filtro solar, que eu tenho uns três aqui. Sou cem porcento in-natura, haha. Gosto bastante de pós-barbas e qualquer coisa pro cabelo. Porém minha fraqueza mesmo admito, são os perfumes.

Atualmente estou com quatro. Na verdade eu sempre compro muitas vezes por anos a fio, meu favorito que acredito já estar no quarto fraquinho é o Quasar. Quero tentar mantê-lo um tempinho porque a colônia mudou um pouco recentemente e gosto dessa fragância anterior. Mas é engraçado porque gosto muito de sentir o cheiro dele nas outras pessoas, porque eu sinto absolutamente nada quando passo. Mas é um cheiro que me acalma, me dá atenção e umas doces lembranças. =)

Outro que ganhei no último aniversário e tenho gostado muito é o Arbo, mesmo que tenha cheiro de coisa made in parelheiros, devido ao seu cheirinho de plantas. É o mais leve que tenho, e me dá uma energia dos infernos por isso evito usá-lo em dias que estou descansado. O que eu uso e que me dá sorte com o sexo oposto é o Uomini Black que não sei porque motivos quando o passo, além de me dar uma bela turbinada na auto-estima ainda faz a mulherada chegar mais perto sei lá. Pode ser impressão ou parecer meio bizarro mas funciona (mas uso com cautela, ele é meio forte, mas é pra quem tem personalidade).

Tem mais um que ganhei da minha tia Cláudia, Vodka Diamond da Paris-Elysees, que acho que foi de pirraça que me deram porque mesmo sendo francês o vidrinho ainda está praticamente cheio. ¬¬ É francês poxa, ficar fedendo igual a um deles não é muito meu desejo... Meu irmão gosta mais desse, mas eu o uso bem pouco. Normalmente pra alguma balada porque ele realmente fica na pele e não sai nem com sabonete.

Como os franceses né? Quando eles vêem alguma coisa limpinha e bonitinha eles logo se impregnam, se misturam, fazem toda a merda e depois custam a sair. Fica a dica heim!

domingo, 23 de agosto de 2009

-no time-

“A legislação brasileira não pune o suicídio por questões obvias, nem a tentativa de suicídio por questões de política criminal, pois poderia incentivar a pessoa a novas tentativas até conseguir o seu intento”.


Viver depois de não conseguir já é um fardo tão grande quanto ter simplesmente morrido, se é que querem saber.

Hoje paro pensar e reflito que fico feliz de ver que entre as trinta milhões de tentativas de suicídio no mundo por ano, pouco menos de um milhão de fato morrem. Isso é, tem êxito em sua tentativa. 

Será que as pessoas de alguma forma renascem? Estiveram tão perto, e pela sua própria vontade apenas voltam.

Verdade é que o assunto é um dos grandes tabus da humanidade. Não o façam. Mesmo. Sendo sincero, até hoje as cicatrizes ardem um pouco. Falei antes do êxito, mas muitos vivem por uma palavra muito próxima, o hesitar. Tão próxima quanto o que se passou na cabeça naquele exato momento.

Vida uma coisa ás 23h59. Um nada ás 00h00... E você de volta ás 00h01.

A ferida pode ter cicatrizado, mas o que ficou na alma, dificilmente vai se curar tão rápido assim. Aqui acredito que começam essas estranhas reminiscências.

Se você acha que quero me exibir, fazer-me de inocente, ou qualquer outro -logismo que inventar, vou pedir gentilmente para que simplesmente feche esta janela, vá embora e nunca mais volte a este blog. Se vai me criticar, vá pra tua querida cama que sua esposa/namorada deve estar com a xoxota fervendo pra te dar.

Vai lá na sua namorada/esposa que não estou afim de colocar a tua mãe como a próxima da minha lista. =)

sábado, 22 de agosto de 2009

"Lições da concorrência" ou, "o que a Globo tem a aprender com a Record".

O Papa, sim o Bento XVI, um dos maiores estudiosos de teologia do mundo mostra que não está marcando bobeira. Já não bastou o canal do Youtube, Josef Ratzinger mostra que tá por dentro do que a concorrência - a Igreja Protestante e todas suas trilhões de vertentes, em especial a Evangélica e Plesbiteriana - anda lhes roubando almas e muito mais.

Uma das coisas que mais atraem as pessoas para o protestantismo são as musiquinhas gays. Ah, é o róqui de jesus, o pagode de cristo e o axé do aleluia. Os mais velhos obviamente tão pouco se lixando - pode ter música ou não vão seguir do mesmo jeito - mas a molecada da geração digital não gosta dos cultos em latim onde todos dormem.

Antes de continuar quero dizer que entre ser Católico ou Protestante, fico em cima do muro. Acredito em Deus, em Jesus Cristo como o meu Messias, mas também acredito em santos e ao mesmo tempo não gosto do culto à imagem. Digamos que se fosse cair, iria pelo lado dos católicos. Aqui em casa é meio guerra, porque a família paterna é toda católica, já a materna é cem porcento evangélica. Sempre porém fui educado para acreditar em Deus, independente de uma doutrina diferente da outra.

Quando Ratzinger assumiu o Sumo-Pontífice veio todos caindo em cima que ele acabaria com a Renovação Carismática, isso é em poucas palavras: Padre Marcelo Rossi. Sim, um cara de batina, sorridente, cantando musiquinhas alegres, quase tão viadinho quanto os protestantes. PORÉM, Católico. Algo que vai contra todos os princípios, afinal todos adoram dizer que o catolicismo é congelado, não evoluiu desde a era medieval, o que é uma óbvia mentira e falta de pesquisa.

A Igreja Católica viu que a molecada prefere o "róqui de Jesuis" das Evangélicas e simplesmente aderiu. Entrou no jogo. E sustenta, por incrível que pareça. A última é que o nosso querido Papa vai lançar um CD. Só o João Paulo II tinha feito um no jubileu não sei de quando. Graças à competição, observando os concorrentes, fizeram quase uma jogada de marketing e conseguiram. Genial, né?

Afinal a competição sempre tá calcada na destruição, aniquilação, explosão, extermínio e desintegração total do oponente. Porém se você não consegue superar, você absorve e faz melhor. Não quero apoiar a Record, ela não tem o meu respeito por carregar o simples nome "Edir Macedo" no seu gabinete, não importa a qualidade da sua programação e mesmo eles jurando que a Universal não influencia em nada a rede televisiva.

Porém jornais por exemplo, prefiro mais a Record porque a Globo perde tanto tempo com novelas, já a Record é praticamente jornalismo o dia todo. Pra mim é mais vantajoso, até porque já tem décadas que não sai uma novela boa no horário das sete. Óbvio que a Globo vai ganhar essa briga, desde a Época, Veja e mais todos os jornais tão estampando a lambança do Macedo e sua quadrilha. A Record o máximo que tem é o jornalzinho da Universal. Eles tem muito mais poder de controlar a mídia que a Record, que tá começando a ter seu poder em cima também.

Mas tá na hora da Globo começar a rever suas coisas e melhorar. A gente não quer ver briga, quer ver é coisa boa! Um sinal muito bom que gosto de ver nela é o fato de deixar a gente enviar vídeos pra participar de programas. Genial, inclusão digital total, uma vez que todo celular - menos o iPhone - faz vídeos. Capitu ganhou não sei quantos prêmios, e seriados realmente espetaculares, como o último Som & Fúria.

E nessa competição quem só ganha é a gente, o telespectador. Um quer ser melhor que o outro, e a gente não precisa necessariamente escolher um. Pode transitar em um e outro, assim como eu que um dia vou na paróquia católica e no outro vou no galpão-igreja evangélico.

E diga não aos filmes de cachorro da Sessão da Tarde.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Beleza da juventude.

WARNING - Se você tem menos de dezoito anos, não continue o post! Embora eu não veja muita coisa, estou preso a uma constituição que diz que isso é errado pra vocês menores verem. Então visite o Jacaré Banguela que é muito comédia, fica a dica, molecada!




Eu acho que não tem nada demais, mas, whatever. É nu do mesmo jeito, pode ser desmoralizante pra você, na sua cultura, ou ao menos eu queria ser no mínimo avisado pra estar preparado quando visse um nu, no mínimo. O desenho abaixo é um que eu demorei, hum... Três semanas pra fazer. Tou vendo aqui que na verdade eu escaniei (sim, eu tenho scanner agora ;D Ele até lê as palavras, mó chique) no dia 26, mas antes teve rascunhos e estudos pra sair isso.

Não é nenhuma personagem famosa, embora obviamente vai ter alguém de qualquer forma que dirá que parece alguém. Talvez até pareça, mas é criação minha, a Mia, a qual colorido só tinha feito uns desenhos dela pirralha, e agora a fiz adulta. Óbvio que tem que dedicar mais tempo a diversas melhorias, principalmente os seios que ficaram quadrados, embora acho que melhorei bastante em não ter feitos caídos.

Sinceramente, gostei! Mangá sempre é uma coisa tão limpa, chapada na pintura, poucas camadas, resolvi brincar mais como se fosse uma pintura, borrar mesmo, brincar com a luz, com a cor da pele, com as formas. Sou muito crítico, mas muita coisa que eu odeio o pessoal sempre acha genial, e esse foi bem experimentação, conceito, fazer a coisa do meu jeito - mesmo que não tenha sentido nenhum.

Afinal, eu sou cem porcento pós-modernista, baby. ;D
Clique na imagem para ampliar.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Santa democracia virtual, Batman!

Hoje a gente não passa mais telefone pras gatinhas, passa o MSN ou Orkut. Hoje a gente não se reune mais na casa de alguém pra fazer trabalho, a gente faz tudo via Skype.

Muita gente odeia esse papo de democracia virtual. Eu apoio completamente, até porque as pessoas tem que perder a mania de pegar o número de telefone dos estabelecimentos, via internet é muito mais prático. Pra tudo, até bilhete único. Óbvio que tem algumas coisas que são chatinhas como as pessoas pararem de se reunir pessoalmente muitas vezes, perde o contato humano, mas diminui também fronteiras.

Embora seja via uma máquina gelada que dá uns choques, ainda é melhor que nada. Deixo aqui essa foto bacaninha que vi numa cadeira de um ônibus, hahah. Coitado do moleque, agora na web todos vão adicioná-lo. Até eu vou sacanear. xD

Ainda tem muitas melhorias a se procurar, primeiramente é um português básico, que por incrível que pareça o "internetês" é usado por alguns em redações na escola. Minha mãe é professora, e já recebeu redações nessa língua, haha. Mas isso vem com a idade, norte-americanos tem gírias cibernéticas tão porcas quanto, a começar pelo "LOL".

Explosão das Lan Houses já passou o tempo, embora hoje ainda seja uma coisa muito lucrativa. E nas Lans as pessoas são apresentadas ao Orkut, MSN e depois é um pulinho pra comprarem o que há pouco tempo era um artigo de luxo. Não temos tamanha clareza como os britânicos em fazerem disciplinas ensinando até o uso do Twitter, mas é um belo dum começo.

Hoje, brasileiros são verdadeiras pragas na internet, kkkk. AINDA BEM, eu diria. Somos em pesquisas o povo que mais gasta tempo surfando na internet, embora ao menos em São Paulo tenhamos nossos encalços como Telefónica e NET, uma dando o serviço mais porco que a outra.

Além de termos dominado o Orkut, próximo é o twitter, ao ponto de levar tags pros Trending Topics como #BrazilMissesMiley, sobre a Hannah Montana, a mais nova lolicon da Disney no lugar da Lindsay Lohan ou então no mais recente aniversário do fim do RBD, com a tag #RBD. Estranhamente elas não duram muito tempo, e são substituídas por outras americanas imbecis que todos usam todo dia, como #fact, entre outras.

O que acho? Até os caras do twitter tão com medo dessa raça do maior país do hemisfério sul que censuram a gente nos Trending Topics, haha. =O Somos como motoboys, viemo pra ficá, mano!

domingo, 16 de agosto de 2009

Impotência. Defesa.

O recado viera pelo correio. Sobre uma reunião familiar, e meu irmão mais velho por ser casado com um membro daquela família tinha que ir. Ele escapara de todas, mas essa parecia séria. Eles não gostavam dele, dizia que vinha de uma família desequilibrada, diferente dos costumes. Deixei a carta numa mesa e fui me trocar, depois saí em direção ao casarão onde estariam reunidos. Parecia algo relacionada a uma herança, não sei.

Chegando no local, entrei calmamente. Vi um monte de homens em pé conversando, inclusive chamaram minha atenção. Virei na hora, assustado, afinal era uma criança que veio apenas explicar e pedir desculpas pessoalmente pela ausência do irmão mais velho, inventar uma doença, qualquer coisa valia. Mas não foi tão fácil. "Ei, garoto! Aqui não é lugar de crianças! Papo de adulto, saia já daqui!"

"Desculpe, senhor", disse eu tremendo de medo por todos os cantos, "Vim apenas dar um recado, que meu irmão não vai poder vir hoje, peço desculpas!". Eles pararam por um momento. A esposa do meu irmão estava lá, observando tudo, sem mexer um músculo. Definitivamente os Blain não tinham lá muita descência.

"Seu irmão, aquele merda! Nunca vem em nossos encontros de família. Parece que repudia só pela nossa nacionalidade! Diga pra ele que, se ele não vier hoje não virá mais...!", na hora eu o interrompi, exclamando "Não, senhor! Meu irmão é uma pessoa nobre, é bondoso e gentil, apenas está doente e não poderá vir!".

O velho deixou sua bebida com um amigo do lado, era possível sentir o hálito etílico forte nele. Enquanto resmungava "Não vai vir, não vai vir, não vai vir, não vai vir...". E então ele se virou pra mim, dei um passo pra trás pelo susto e quando percebi sua perna estava vindo pra cima de mim, um violento chute e de súbito sentir meu corpo sendo puxado pra trás por alguém, enquanto o pé, que não havia me acertado, com o impulso fez o homem tropeçar.

Atrás de mim uma voz conhecida, seus braços me abraçavam e me protegiam. Dizia em alto e bom som "Espere um pouco, você. Não dou a mínima pras asneiras que você fala de mim, mas não perdôo essa sua perna que quase acertou meu irmãozinho. Vamos, coloque ela aí novamente pra que eu possa torcê-la!".

"Ora, então você... Você chegou!", disse o homem, já bem alterado. Achei engraçado que a esposa de meu irmão ficou no mesmo lugar, sem mexer um único músculo. Não gostava de mim, nem eu dela. "Idiota! Cala essa sua boca, fique caladinho seus paspalhos!", na hora ele me levou pra sentar, porém o velho não cessou os xingamentos e ordens para se calar.

Foi nessa hora, depois que eu já estava sentado e bem mais calmo que meu irmão não aguentou, virou no impulso e deu um chute bem forte no velho. Ele não era forte nos braços, e assim como eu tinha pernas grossas e bem fortes, podem ter uma noção da dor pois o velho ficou quase inconsciente. Depois ele disse algo que dei bastante risada.

"Ops, foi mal. Você disse pra eu calar a boca, mas não disse nada sobre meus pés. Coisa de instinto sabe, eles ás vezes falam pelos cotovelos!".

Bem feito.

sábado, 15 de agosto de 2009

Virar a página. Fechar o capítulo.

Querida, estava esses dias relembrando tudo que se passou. Estava lendo aquele último recadinho que você deixou pra mim, onde não faltaram palavras tristes, onde nós dois tomados pela cólera nos separamos e depois tudo que se sucedeu e como bem sabemos como tragicamente terminou. Sim, de alguma forma ainda guardo as palavras, e sempre quando sinto alguma falta de você me deparo lendo aquilo, mesmo sem querer.

Já faz tanto tempo, não? As primaveras vão passando, a gente vai ficando velho, cheio de cabelos brancos, vai disfarçando e mentindo a idade, sobre quem é, sobre quem conheceu. Você. Acredito que antes de tudo nós já tínhamos decretado a ida de ambos, mas não esperava que tudo acabaria do jeito que acabou. Você foi, e me deixou aqui. Ainda te vejo de alguma forma, onde que no mundo dos sonhos o nosso único limite é o acordar. E encarar a realidade.


Sinto muito, muito mesmo por tudo que ocorreu. Sei que nunca tive coragem para lhe dizer, embora não mais poderemos ficar juntos. Isso é injusto, sabe? Preferia que levassem a mim, não a você. Mas de alguma forma eu também morri e perdi um grande pedaço desde aquele fatídico dia. Ambos, nós dois fomos levados, e fomos obrigados a selar essa estorinha para que ninguém além de nós dois soubesse. Foi uma escolha, uma escolha infelizmente bem imatura, e espero que não sinta rancor, pois nada me faria mais feliz do que chegar a você e pedir o perdão sincero de anos que eu gostaria de pedir. Mas isso, já está fora de questão e da possibilidade.

Porém, vou seguir esse seu conselho. Vou levar isso até o fim, vou criar novos capítulos além do seu, mas é difícil. É difícil viver dia após dia sem você, é difícil estar com outra garota se você não sai da minha cabeça mesmo sem querer, é difícil saber que por mais que tente levar, sei que você também jamais voltará. Por nada desse mundo.

Vou seguir esse seu pedido. Continuarei a vida. Sei que lá pra frente nos encontraremos novamente, acredite, nada me faria mais feliz do que ser feliz pra sempre do seu lado. Não posso voltar atrás pra apagar, mas acredito que tenho o presente nas mãos, e posso fazê-lo melhor. Para que eu seja feliz. Para que você lá me veja que estou feliz. E a vida continue.

Tentei algumas vezes tirar a vida, mas acho que o destino é ficar aqui e você aí. Acho que talvez a penalidade seja ficar aqui vivo, de alguma forma.

Mas saiba que, acredito que talvez não, nunca mais deixarei de te escrever, nem que seja uma frase perdida entre tantos textos, como tenho feito por todos esses anos a fio, sei que de alguma forma está do meu lado lendo. Peço apenas que perdoe esse meu jeito. Acredito que éramos pessoas tão opostas que sempre de alguma forma nos completávamos. Sinto falta de nossas conversas, do seu cheiro e nem que seja de ter você pertinho de mim. Mas sei também que demorará muito, talvez uma vida inteira, para que nós nos encontremos novamente cara-a-cara.

Viver, ser feliz, encontrar talvez um outro alguém, novos amigos sinceros me dará o perdão. Portanto, me esforçarei para apenas não respirar, não sobreviver, mas sim viver. Tentarei não me preocupar com o passado, nem com o futuro e continuar focado no agora.

Até lá, seja feliz também. Fique de olho em mim, me proteja como sempre fez, e esteja aqui do meu lado, mesmo que inconscientemente. Pode deixar que contarei pra ninguém, nada, como tenho feito. Daquilo em diante é vetado.

Pois eu prometo que tentarei me esforçar pra ser feliz, tá bom?


Dessa vez, eu juro.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Como nasce um layout - Parte 11

PRONTO. Paguei meus pecados. Esses últimos muitos conhecem! Pra ser sincero, gostei muito de ambos. E observando agora, ficaram parecidíssimos também. Eles fecham também o primeiro semestre de 2009.

Tintin - Abr 2009/Mai 2009
Estava devendo a mim mesmo um sobre o Tintin e o Soujiroh. Os dois seguidos pra quitar a dívida. Tintin foi, acredito que junto de Saint Seiya e alguns Tokusatsus uma daquelas coisas que ajudaram a alegrar um bocadinho minha infância. Lembrando que estou aceitando quadrinhos de bom grado e prometo que os tratarei muitíssimo bem. =)

Uma coisa que não curti muito foi o azul-bebê, mas o resto gostei bastante. O Tintin "invadindo" a área dos posts junto do Milou, as fotos e screenshots da série, as formas, e tem o capitão Haddock do lado, mas dependendo da sua tela ele vai parar num espaço bem longíquio (perto de Tangamandápio, saca?) e como meu monitor é meio grande, tou com preguiça de mostrar. Perdão!

Mystic Scholar - Jun 2009/Jul 2009
Eu já fiz um dedicado ao meu Sábio do Ragnarök, o mesmo Sakurazuka-mori, e dessa vez dediquei a ele que virou um Professor. Ficou até que parecido, vai! Embora ele veio de uma luz de Deus que eu recebi do nada (ás vezes antes de dormir, eu tenho uns espasmos e faço uns desenhos de idéias que brotam do nada... Sério!) desenhá-lo e tudo mais foi uma tarefa deveras simples, mas colocar no ar, ô inferninho.

Problemas no CSS (linguagem visual da página) e uns brancos que viam do nada. Esse acredito que particularmente foi um dos que mais gostei e foi complicado mudar pro próximo. Idéia era usar cores que lembrassem o personagem meu no Ragnarok, umas nuuuuuuuuvens (Ivo! =X) e tem até umas coisas escritas nos japoneis lá, um tal de "cangi". Saudades desse layout, haha!

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

De porta em porta conversando com os eleitores.

Na última vez que fui visitar minha família no interior do estado, fiquei conversando com meus tios sobre como funciona o processo eleitoral lá. Uma das minhas tias é vereadora, inclusive foi candidata à prefeitura local, mas perdeu. Ela tinha muita curiosidade pra saber como funcionam as eleições na cidade grande e numa de nossas conversas tocamos nesse assunto.

Expliquei que em São Paulo pra vereadores muitas vezes votamos na legenda, é difícil escolher entre tantos um vereador, exceto que ele seja famoso ou alguma celebridade. Dificilmente a gente conhece os vereadores, exceto se eles dão um santinho com seu número. Temos nove milhões de habitantes apenas na cidade de São Paulo.

A cidade onde meus avós e tios moram chama-se Gavião Peixoto, próximo a Araraquara e São Carlos. Cidade pequena, de pouco mais de quatro mil habitantes. Tem a maioria da população de descendentes de italianos, uns dois japoneses e uns três negros. Ela recentemente cresceu bastante com a chegada de Embraer lá, produzindo aviões pro mundo inteiro. Tem até aeroporto, a cidade que antes não tinha quase nada. Mas ainda sofre por não ter internet banda larga, sinal de tevê apenas via satélite e particularmente eu acho um lugar muito, muito quente.

Enquanto em São Paulo ainda dependemos do horário político e os dez segundos que cada vereador por exemplo tem pra dar suas propostas, lá a coisa funciona bem diferente. Primeiro que o número de votos que precisam é muito pouco, acho que não chega a cinquenta votos. Uma coisa que achei interessante é como fazem para o eleitor conhecer, minha tia por exemplo em toda época de eleição vai de casa em casa pra falar com os eleitores, e como é cidade de interior todos a conhecem.

Olha que coisa bacana: Que contato bacana que as pessoas tem com os eleitores. Cada conquista nova que eles conseguem, eles fazem questão de divulgar. O povo acredita no governo, e a prefeitura mesmo com uma bela duma grana, tanto pela presença da Embraer como pelos investimentos em turismo que a cidade faz trazendo shows, festivais e até eventos esportivos num ginásio super moderno que construíram. Da última vez que fui, na virada do ano passado, eles trouxeram até o Edson e Hudson (pra quem não conhece, é uma dupla sertaneja já um pouco velha e de som bacanudo).

Acho que os políticos daqui tem muito a aprender. Óbvio, só a população do Jd Angela aqui já dá a inteira de Gavião Peixoto, é uma missão impossível ele ir de casa em casa mostrando e conversando sobre os problemas. Mas temos hoje tantas ferramentas como internet, poderia ser muito bem usada, nem que seja num bate papo na UOL com os eleitores ou um mero vídeo no Youtube, como o Obama fez. Pessoas precisam acreditar mais nos políticos, para tanto seria bacana se eles se aproximassem de nós, conhecer nossos problemas, e com todas essas ferramentas aí disponíveis acho que seria bem bacana, certo? Não apenas nas vezes para fazer comerciais, mas usar a renda dos marketeiros de uma maneira mais inteligente, que nos aproxime de nossos representantes, celto Cebolinha?

Onze Listras em meu Braço Esquerdo

Demorou, mas chegou!

Tava difícil de mudar. Gostei demais do layout do meu professor lindão do Ragnarök. Mas enfim, a vida é feita de mudanças, e não foi a primeira vez que não quis me despedir de um layout. =P

Esse layout foi baseado na minha mais recente tentativa de suicídio. Antes que você me venha dar lição de moral, dizendo porque eu fiz isso e blábláblá, mando desde já você pegar e enfiar no meu do seu cu essas palavras. =)

Disso isso porque sou meio egoísta sim. Vida é minha, faço o que me der na telha. Sei que sou muito frio nesse aspecto, mas não tenho problema em abandonar pessoas, coisas, ou o mundo. Sou meio desprendido das coisas, sabe? É uma das muitas coisas que adquiri durante o tempo que cresci, essa maneira meio fácil de me apegar e depois me desapegar tão fácil quanto me apeguei.

Coisa de retardado, sabe? A Yvone e eu somos bando de psicopatas, kkkkk!

Esse e o próximo são dois layouts baseados nesse momento, que embora tenha sido complicado, foi um belo dum divisor de águas. Porém, esse é apenas uma Perspectiva Óptica, o meu ponto de vista será o próximo layout. E fiquem atentos, acho que estou pronto o suficiente pra expor bastantes coisas, desde motivos, anseios e sentimentos que me levaram na época a marcar meus braços e meus pulsos tão... Subitamente até, diria.

O nome é complicadinho também. Eleven Stripes on my Left Arm ~ Optical Perspective. Acho que o próximo será Eleven Stripes on my Left Arm ~ Mental Experience. Que coisa de besta ficar anunciando layouts como se fosse evento de cinema, hahaha. xD

O de dezembro que será da hora, bicho. ;D
Vai ser o layout mais autobiográfico e completo que já fiz sobre mim. Vai ter muito neguinho retratado lá inclusive, haha!

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Precocidade.

Tento ficar por dentro das novidades que a molecada tem disponível. Seja os desenhos animados, brinquedos, ou até um Wall-E que eu vi numa loja e quase desembolsei e levei pra casa. Acho que é meio complexo, minha infância foi muita chata e triste, em comparação com outros, não gosto de falar nesse assunto. A última eu achei o máximo, uma boneca que a criança ao vestir uma regada especial com um sensor, faz com que imite o ato da amamentação.

Muita gente veio dizendo que isso estimula a criança a querer ter filhos. Fico do lado do que acha que não tem nada a ver, afinal as meninas brincam de boneca e nunca tiveram vontade de sair transando por aí. Crianças são seres bem inocentes, ainda acredito muito na inocência da criançada. Embora exista exemplos de que cada vez mais elas estão precoces também.

Digo isso porque a minha geração muita gente deu seu primeiro beijo aos sete e transou com treze. Exceto eu, até nisso tive um puta dum azar, só fui beijar com quinze. Transar então, vish... Acho que foi com uns dezessete. Foi tão ruim que prefiro até esquecer, kkkkk. Dizem que melhora depois né? Pra um homem isso é muito atrasado, mulher é café-com-leite, até uns vinte muitas estão virgens como vieram ao mundo. Agora pra homem pega muito mal, senão fica fichado como agasalhador de quibes, pegador de sabonete, queimador de rosca, enfim. VIADO. Coisa da virilidade masculina e tal, tem que transar nem que seja ali na hora com alguém e de qualquer jeito perder a virgindade. Adolescência é mesmo uma péssima fase.

Molecada quer beijar, quer transar, até porque as informações sobre isso estão bem disponíveis. Tive uma criação rigorosíssima, e embora por exemplo eu fosse um fã do James Bond, o grande comedor, só depois de muitos e muitos anos na adolescência tardia que eu entendi que o meu pinto tinha que entrar numa perereca. Pra mim era só pra mijar, pra vocês terem uma noção da coisa.

Afinal as coisas já tão uma bagunça, não? Gente de treze anos virando pais e mães, meninas abortando até dizer chega, gente indo pras baladas e transando ali na hora com mais medo de gravidez do que de pegar HIV. Mas ainda acho que uma coisa salva isso tudo: romantismo.

Uma vez eu tava conversando com uma menina de oito anos eu acho. Faz um tempinho já. Não trato a molecada como doentes mentais porque me tratavam como um retardado e eu odiava. Converso de igual pra igual, na boa. E aí a mãe dela que tava junto disse que sua filha tava gostando de um amiguinho lá da escolinha.

Acho isso muito fofo, cara. Se os adultos amassem como as crianças, duvido que teriam metade das brigas, desentendimentos, divórcios e coisas do gênero. Crescer corrompe mesmo as pessoas.

Não havia malícia, não havia segundos interesses ou intenções. O "namoro" provável que seja "coisas bobas" como ficar do lado, brincar juntos, dar um beijinho na bochecha, sei lá. Até mesmo os adultos, tão ligados em querer alguém com a benga grande, com um carro do ano, muito dinheiro na conta, colocam coisas tão essenciais, tão primordiais em segundo plano como presença, fidelidade, amor, carinho, e tudo mais. Sim! Estou levantando a bandeira dos rapazes ruins de cama como eu, hahahah. Ao menos na pegada e nos amassos eu me garanto.

Onde no mundo um cara vai admitir ser ruim de cama? Manhêêêê, me socorre. Tô de crise existencial, kkkkk.

A menina não tem vontade, nem curiosidade, nem nada. Quer ficar perto de quem te faz feliz. Acho muito saudável pras crianças estimularem o romantismo, o amor, não o sécso ou perverções. Elas aprendem companheirismo, aprendem a ser menos egoístas, isso as ajuda a crescer, ter auto-estima, tudo mais. Acho que só faz bem ter um namoradinho quando a gente é criança, caso contrário você vai virar um adulto cheio de complexos e anormal como eu. xD

Amar poderia ser uma coisa tão mais fácil, né? Ainda queria entender porque as pessoas complicam tanto. Fica aí com um vídeo sobre a tal boneca, e você acha mesmo que ela incentiva a precocidade?

domingo, 9 de agosto de 2009

this iz japz kabuki rock!

Dias atrás estava falando como rock hoje em dia é chato, com os fãs querendo que os artistas nunca mudem, os artistas obviamente querendo embolsar cada vez mais e todo o espírito de liberdade, de quebra de paradigmas e de revolta que foram as marcas do movimento jogado aos ventos. Sim, estou generalizando, by me.

Mas claro! Falo de uns 90% dessas bandinhas, e como dizia uma professora minha que viveu os intensos anos sessenta, ainda existem uns poucos que nos fazem acreditar e ter fé ainda. E muitos nem norte-americanos são ou estão até do nosso lado. Tom Zé em suas mais recentes obras é incrível como se adaptou a modernidade, e o "Santa Música" do Erasmo Carlos não sai do meu Windows Media Player com seu rock meninão. Saindo um pouco dos brasileiros, gosto muito de britânica Corine Bailey Rare (peraí, essa não é rock!), ou então mais experimentais , os novos psicodélicos como os do Franz Ferdinand. E j-rock, óbvio.

Abrir o repertório ajuda.

Hoje quero falar do Miyavi. Nunca falei dele, que ás vezes acaba sendo a porta de entrada pro universo nipônico para muitos. Ele já veio pro Brasil no ano passado, fez um show pequeno, mas lotado. Não lembro se foi dele o comentário, mas ao desembarcar disse que ficou chocado com o tamanho dos biquinis brasileiros. Na boa Miyavi, nossas japonesas são muito mais bonitas que as do seu país também. =)

Antigo guitarrista de uma banda que não fez lá muita diferença, ele se lançou na carreira solo como cantor. Tinha tudo pra dar errado, mas virou um dos expoentes do rock japonês. Sua aparência já é algo peculiar, sempre com o cabelo grande, muito tingido, cortado, desfiado, ás vezes mais feminino, cheio de tatuagens e piercings. Magro, relativamente alto e uma cara de moleque peralta.

Suas músicas é difícil de categorizar. Gosto do Miyavi porque ele faz sons com os objetos mais estranhos possíveis. Substitui o violão pela guitarra muito facilmente, une som de batida em madeira com instrumentos clássicos, além de seu timbre único - ainda mais no Japão onde é muito, muito, muito difícil entre os vocais masculinos ver alguém com um tom diferente.

Provável que não venda trilhões como outros, mas tem fama fora do Japão - o que é complicado. Além de tudo tem um jeito moleque, uma vontade de experimentar novas coisas, ter novas idéias, mostrando sempre aquele som molecão, divertido e nada comum. Recentemente virou papai, filho do seu relacionamento com a também cantora Miyuki Melody Ishikawa, a belíssima melody.. Ficou bem fofa a primeira foto que ele divulgou na internet para os fãs recentemente com sua filhinha recém nascida:

PS: Post Dedicado à Natalie, a fã número um do Miyaviuta. =D

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Como nasce um layout - Parte 10

Aqui são os layouts de número 19 e 20. Vinte. Sei lá, parei pra pensar agora e vejo, independente dos vinte serem bons ou não, se mudaram nada ou são todos iguais, se os temas foram péssimos, however. Acredito que foram importantes pra mostrar não apenas a evolução, mas a constante de sempre tentar ser criativo, trazer novas formas de expressão e tudo mais. Para conferir todos os outros, vai aqui, bicho!

Pegasus Gearing - Dec 2008/Jan 2008
Gosto muito da analogia de nossas vidas serem como engrenagens. Não é totalmente minha, claro, mas gosto bastante de pensar que somos como engrenagens mesmo, encaixamos umas nas outras e nossas vidas ganham impulso juntas, caminham, até talvez adquirirem uma velocidade insana, se quebrarem ou se separarem. Se não somos meras transeuntes na vida dos outros de alguma forma somos ligados e estamos juntos, e levamos nossa vida juntos.

Um pouquinho de sangue, mas não apenas no sentido de violência, morte, mas sangue também significa vida. E tem flores, uma das minhas favoritas, pétalas de laranjeira. Sim, não precisa ser gay pra se gostar de flores, até porque não tenho alergia a nenhuma mas gosto bastante de algumas poucas. Normalmente quando saio com alguma garota, ou eu fico ou namoro alguém especial, gosto de presentar com flores, nem que seja uma vez. Muitas das que gosto são de árvores frutíferas. Sangue, engrenagens e pétalas de laranjeira. Achei uma combinação tão forte que adotei até no layout do meu twitter. 

Shuntentatsu - Fev 2008/Mar 2008 
Fevereiro eu sempre coloco algo que eu adoto ou tem a ver com minha personalidade e é mais "vital". Foi assim com o Seiya de Pégaso, James Bond, os roqueiros do Dir en Grey e dessa vez foi o primeiro dedicado a minha segunda série de mangás favorito (perdendo pra Saint Seiya só, haha), Samurai X, onde foi homenageando um dos vilões, o Soujiroh Seta. Para tanto, o layout foi nomeado fazendo uma referência a sua Ougi (técnica suprema), a "Morte Celestial Instantânea", Shuntentatsu (瞬天殺).

Meu antigo mestre dizia que eu era igual ao Soujiroh. Dizia que eu era um cara que fica sorrindo por aí toda hora, mas muitas vezes um sorriso disfarçado, pois debaixo desse sorriso existe alguém profundamente deprimido, frustrado e inseguro. Eu o odeio até hoje por ter captado e sintetizado tão bem algo que me esforço duramente a esconder de tudo e todos. Ninguém vai me ver chorando ou triste pelos cantos, mesmo que esteja tudo uma merda eu abro um sorrisão falso e faço uma gracinha, exceto se as coisas estiverem pretas mesmo. Afinal eu sou de ferro sim, mas ás vezes enferrujo. O layout é baseado no epílogo dele, que tem sua técnica suprema suprimida, sua espada quebrada, seu espírito dilacerado, mas... Ganha uma nova vida. Uma kataná quebrada, um papelzinho com sua foto e alguns dizeres no meu nihongo enferrujado e péssimo (já apontaram alguns errinhos, kkk) além do azul, a cor do Soujiroh. Me diga, alguém já me viu usando essa cor que eu particularmente não a tenho na minha lista das minhas favoritas? Difícil, heim!

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Quer melhorar o trânsito? Tire os ônibus!

São Paulo é uma cidade engraçada. Mais engraçado ainda são as soluções mirabolantes que nossos políticos sempre tem na ponta dos dedos para solucionar tudo sempre num passe de mágica.

Trânsito sempre é um assunto complicado. Tudo se dá por São Paulo ter uma das maiores frotas de veículos, um metrô de três linhas e meia, trens terrestres caindo aos pedaços, e ônibus com linhas que mais dão mais voltas em círculos do que te levam pra nenhum lugar. Acho engraçado ver países como o Japão, onde pessoas naturalmente usam metrô, inclusive quando querem ter um momento sussu com alguma menina (encontro romântico, por exemplo). Óbvio, tem carro, mas com a eficiência tamanha do transporte público torna-se vantajoso deixar o carro em casa e pegar o metrô na esquina.

Isso não é xenofobia. Não poupo críticas exatamente pois acredito nas pessoas, acredito em governos e acredito que um dia irá melhorar. Porque sim, a coisa tá melhorando, mas sempre pode ficar melhor, isso seja no Brasil, na Bretanha, na Romênia, no Cazaquistão... Menos na França é claro, afinal aquele país nojento só tem a tendência de piorar cada vez mais e afundarem até o dia que o mundo se tornará um lugar perfeito sem sua existência. =)

A última foi a proibição dos ônibus fretados na área conhecida como "Centro Expandido". Causou polêmica? Causou. Prometeram um trânsito melhor, mas não conseguiram mostrar isso com os nossos amados congestionamentos de três dígitos. Disseram que o problema é que fretados correspondem a poucos porcento da frota.

Chegou a ser elogiado por alguns políticos, mas o povo em si mesmo que não gostou. Muitos que falaram nos telejornais já vão pegar seus carros, pois se demoravam antes pouco mais de uma hora pra chegar no serviço, agora estão levando três vezes mais. Isso significa mais espaço em congestionamentos, mais poluição, mais vias paradas e mais tempo perdido no trânsito. Valeu Kassab! ;D

São Paulo tem um razoável sistema público de transporte. Poderia ser melhor, poderíamos ter mais ônibus em melhores condições, mais linhas, mais agilidade, mais metrô (e metrôs ÚTEIS, não incluindo a linha lilás!) mas ainda vivemos numa cidade onde o governo faz de tudo para nós comprarmos um carro, pois como sempre costumamos fazer exatamente o contrário do que o resto do mundo faz: Porque não damos ênfase ao transporte coletivo do que o particular? Imagina se as cento e tantas pessoas do ônibus, nem que sejam as milhares que pegam fretados, cada um pegasse um carro?

E aí ônibus urbanos enchem, motoristas de fretados perdem o emprego, carros não andam e metrôs não existem. Isso pois acreditam que dar regras bizarras aos fretados vai melhorar a coisa. Será que a solução melhor seria essa mesmo? A prefeitura promete não voltar atrás.

Regras até acredito que devam existir. Mas quando você limita o transporte coletivo você diretamente ou não faz apologia ao transporte privativo. Mesmo que sejam boas ou não. Os números mostraram que praticamente não mudou nada a vetação dos fretados, será que precisava mesmo de tudo isso? 

Quantas décadas mais teremos que esperar pra ter um mapa de metrô confuso como Tóquio? Cara, se for pra ter um metrô tão bom, tão eficiente e tão completo, prefiro que o mapa do metrô de São Paulo fique muuuuuito confuso mesmo.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Como nasce um layout - Parte 9

Esse o pessoal mais atual talvez conheça. Ou não. Foi o primeiro que o tema não era algo que eu gostasse, mas algo que tivesse relação comigo e sua estréia se deu longe do último mês, embora se a gente for filosofar é meio estranho você procurar algo que goste que não tenha relação, enfim. Verdade seja dita, as coisas que eu gosto estavam, e estão se acabando! Já prestei homenagens pra várias coisas, então acho que é nessa parte que meu blog começa a ter mais personalidade (?). Nossa, isso foi muito tocante. E meigo.

fallen Pegasus - Ago 2008/Set 2008
Não me pergunte da onde eu tirei. Até hoje eu fico pensando. Mas quem sabe seja isso, seja o puro e simples nonsense mesmo, gosto de trabalhar com coisas sem sentido e pedir pra trouxas, como eu muitas vezes, procurarem sentido numa coisa que não tem. Muitos reclamavam que a parte superior tinha ficado muito grande, mas a idéia era dar uma espécie de imersão, quase como cinema, embora não corresse como eu quis passar a idéia.

Uma das coisas que eu gosto no blog é poder testar, ir praticando e brincando com as coisas. Fundo com um ruído, paisagem entre os pinheirinhos e um cavalo voando. Meio brincadeira com o título, não é um pégaso caindo (falling), mas um pégaso caído (fallen). O cavalo alado que é tão puro, estava nas nuvens, e descobre como é a vida na superfície, longe da pureza lá de cima. No fundo isso significa, e muito, pra mim.

Bleues Pommes - Out 2008/Nov 2008
Título em francês biboso, tive que colocar por uma aposta que perdi. Layout produzido em homenagem ás famosas "Blue Apples", ou maçãs azuis, uma simbologia muito importante, que poucos conhecem, com relação ao Sangreal e em especial, a cidadela de Rennes-le-Château. Tenho um documentário excelente em DVD que eu empresto pra dar um gostinho para as pessoas, hehe. Vale como curiosidade!

Esse surgiu inteiramente de um rascunho. E tive que tirar oitenta porcento das coisas que queria colocar com medo de tomar um belo dum puxão de orelha por falar demais. Ossos do ofício. Ficou mesmo as coisas mais óbvias, menos uma que eu deixei passar que é exatamente uma das coisas mais lindas e poéticas que eu acho da lenda, que são as lindas maçãs que são refletidas na parede, presentes no layout. Quem quiser saber mais eu indico umas visitas a uns locais e umas leituras. Pena que é no sul do França. ¬¬' Pise no país com seus sapatos mais sujos. Acredite, naquele país o seu sapato mais sujo vai parecer limpo perto da porqueira desse povo irritante, burro e desprezível.

domingo, 2 de agosto de 2009

Character Design


Um tema que eu ando pesquisando, e ainda estou pesquisando, é o Design de Personagens. Estava lendo e vi que o que move uma boa história não é apenas a boa história, mas bons personagens. Acho importante também que essa mesma psiqué dos personagens você consiga de alguma transpor no desenho.

O desenho acima é um exemplo bacanudo que eu quero usar. Feito por mim, inclusive.
São três personagens do Frontière, onde o número 2 e 3 são o casalzinho principal do roteiro (clique p/ ampliar).

Vamos começar! Primeiro a gente designa a característica principal da pessoa. Observando a primeira (nome ainda a confirmar, não dei um pra ela, quero um nome chinês ou vietnamita, mas a chamaremos de Qin por hora) sua personalidade é de uma pessoa jovial, além dela ser uma das mais desiquilibradas e bobas do roteiro. Esbanja felicidade por fora, mas vive triste por dentro.

Observando pessoas que normalmente tem em suas vidas uma quantidade imensa de desgraças, a gente percebe que eles sabem disfarçar muito bem. Digo isso porque conheço muitas pessoas que tem tudo de material e são tão tristonhas... É quem toma mais no rabo que fica sorrindo por aí, praticamente em progressão aritmética. Por isso mesmo o sorrisão, a aparência de felicidade e jovialidade. O rosto também, redondo, olhos puxados e a trança indicam sua etnia asiática. Ah, pretendo jogar uma espanhola que vai tar na estória também.

No meio temos o bonitão, o Andie. Ele é o cara que cresceu, ficou bonito, bem estilão George Clooney. Ontem vi um Stand-up onde um cara dizia:

"O Clooney foi eleito o homem mais sexy duas vezes! Que vantagem tem isso? Só pode ser a dele chegar, apontar pra mulher e dizer 'Chupa aqui agora', e toda mulher obedecer. Afinal ele foi eleito o mais sexy duas vezes! É só mandar chupar e pronto, qualquer mulher no mundo faz!"

Hahaha. Mas a coisa dele é mostrar que ele é um cara bonitão mesmo, másculo, forte, embora mais pra frente ele vai perceber que ser bonitão não o ajuda em nada pra conseguir quem ele mais ama no mundo, que obviamente não o ama, a cabeçuda da Mia. Acho que vou mudar algumas coisas no Andie, não sei. =P Ainda tou estudando. Quero brincar com os penteados dele bastante. Deixar arrepiado, grande, pra trás, franja, etc.

Por fim, a amada e idolatrada Mia. Eu ando desenhando tanto a Mia que estou pegando o jeito do corpo dela. Acho legal essas nuances, embora só percebam se os seios for como os da Rangiku Matsumoto, de Bleach. Num dos primeiros dela eu a fiz com a bundona quadrada sem querer, um monte de gente comentou e eu pensei: "Gostei! Ficou uma característica legal nela", afinal ela não faz o tipo de mulher sedutora, muito pelo contrário. Ela tem um lado infantil muito forte dentro de si além da tristeza - e bote tristeza nisso.

Por ter perdido a mãe cedo, por nunca ter encontrado o pai, por amar um idiota que não vale nada, por talvez não conseguir amar o cara bonzinho que presta, enfim. Ela também é trancada no mundinho dela, e embora tenha o Andie com toda sua testosterona, esse será um roteiro completamente voltado para falar das mulheres, do ponto de vista das mulheres e no mundinho delas. Mas obviamente é escrito por um homem, mas se eu disser que tenho duas mulheres me ajudando na parte sobre "escrever sobre elas escrachando", acho que vou ter mais crédito (e é sério!).

E enfim, isso é apenas um texto amador, não sou profissional e meu relacionamento com quadrinhos, mangá e coisas do gênero é apenas de um grande leitor a admirador da Arte Sequencial para outro (você!). Os estudos que eu tenho são muito ralés mesmo, nada muito profundo, por falta de experiência e conhecimento. Mas tenho paixão e gosto da coisa, que é uma das coisas mais importantes.

E tenho também as mãos cheias de nanquim, hahaha. Unhas pretas é o que há.

sábado, 1 de agosto de 2009

Como nasce um layout - Parte 8

Faz tempo, não? Estava pensando que tinha perdido pra sempre um dos layouts. É então que eu, fuçando alguns arquivos enquanto estava upando coisas pro meu Skydrive, encontro os PSDs intactos. Santa nuvem, batman. Uso e abuso da nuvem enquanto muito neguinho vai na conversa de que não é seguro e nem vê que isso é o futuro, querendo ou não. O que não é seguro andar na frente do Terminal Capelinha, lá é point de assalto! Agora não me venham nos regressar para a idade da pedra enquanto a nuvem tá por aí!

Pink Spider - Abr 2008/Mai 2008
Em homenagem a um dos meus maiores ídolos do rock nipônico. Seu nome era hide, fala-se "rii-de", não "raid", ex-guitarrista da lendária banda X-Japan, na minha opinião e na de muitos a maior banda de J-Rock, mas hide era especial. Depois da banda ter terminado em 1997, hide embarcou numa carreira solo muito boa. Fez diversos sucessos e obras excelentes. Porém, no auge, acabou por suicidar de maneira até hoje meio confura aos 2 de maio de 1998.

Seu apelido era Pink Spider, carinhosamente dado pelo Toshi, vocalista da banda. O layout foi bem básico, com linhas rosa-choque, pretas e uma foto bonita do hide. Porém, não gosto de coisas cleans, limpinhas, embora todos gostem. Embora usar um rosa choque tão potente acho que só por ele mesmo daria um ruído estrondoso na limpeza do layout!

Mello - Jun 2008/Jul 2008
O último ainda na Weblogger, e esse aqui invandiu também a Blogger aqui na Google. Sim! Quando o blog passou a ser Fallen Pegasus e eu entrei na blogspot. A idéia dele veio de um dia que eu caminhava no Senac, do nada parei pra sentar no segundo andar o Centro Acadêmico e ali na hora veio essa idéia de tubos, degradês (que hoje em dia é outra coisa que é totalmente abolida e pouco usada) e o Mello, do Death Note, um mangá policial muito bom.

Gostei muito das cores, trabalhar com marrom e tons alaranjados, são cores difíceis de se ver por aí. Meu conhecimento de cores é apenas de curioso, embora leio muito, é um assunto que me interesso embora não goste de trabalhar muito com elas, prefiro uma abordagem mais livre, sem ficar preso nas leis ou cores prontas. No dia 13 de junho foi a última postagem minha na weblogger, que fechou as portas pouco tempo depois. Me vi com o desafio de debulhar o XML da Blogger e enfim vir pra um lugar bacana que (espero) não acabar tão cedo, no caso aqui na Blogger! Rá! 

Arquivos do blog