sábado, 12 de dezembro de 2009

Valeu, feras!²

Mais um projeto acabou ontem. Diria mais - como nosso presidente semi-letrado - "nunca antes na história desse país..." heheh! Toda vez que termina um projeto, vocês não tem noção do peso que sai das costas. Uma vez li que os funcionários da Pixar, quando concluíram o primeiro Toy Story, estavam vendo todo o sucesso e viram que as pessoas queriam ver mais daquilo, outras produções no ano seguinte. O próprio diretor (que hoje é um dos cabeças da própria Disney) disse: "Nossa... Vamos passar por toda essa correria... De novo?".

E assim todo ano a Pixar lança novos filmes de grosso calibre.



Esse semestre foi mostrado pela superação. Se até esse momento somente havíamos mexido com interfaces computacionais, dessa vez partimos para algo físico, algo eletrônico (exceto no primeiro semestre com a Máquina de Rube Goldberg. Quem quiser ver, ou rever, tem um vídeo aqui aqui!). Desafio dobrado: aprender a programar em Java e aprender eletrônica. Mas conseguimos! A coisa funcionou perfeitamente, como nas fotos aqui postadas.

Nosso objetivo era fazer uma harpa a laser, baseado tanto em Jean Michel Jarre, como num americano que refez, chamado Stephen Hobley. Desafio grande, principalmente para quem nunca antes tinha mexido em nada eletrônico - e ainda sente certo receio a mexer. Botamos a mão na massa, conversamos e tiramos muitas dúvidas com professores, noites a fio programando (eu... caralho! ¬¬), brigas internas, arduino queimadas e...

Funcionou perfeitamente. Com direito a vários da sala terem adorado, e muitos professores além dos nossos de projeto terem visto e brincado com ele. Muita gente prestigiando, e muita gente achando o máximo.



Sim, ficou um projeto simples. Eu queria fazer um carrinho de controle remoto e uma câmera, pra ser controlado via computador e wireless. Até que o João, namorado da Cris, engenheiro mecatrônico nos passou o vídeo do amigo Hobley com sua harpa a laser. Lembro-me perguntando: "É difícil fazer isso?" e ele respondendo "Dá pra fazer!".

Afinal onde cinco pessoas que nem sabiam que os elétrons, de carga negativa, eram comumente colocados no positivo dos circuitos iriam fazer isso a tempo e funcionando? Como ninguém manjava, vi que só dependeria de mim mesmo para ir atrás e dar as diretrizes pro grupo fazer. Nos juntamos todos, procuramos saber como funcionava, como se fazia e metemos bala. Alguns fatos pesaram bastante.
  • O fato de eu estar trabalhando, fazendo academia e estudando, só restando os fins de semana ou madrugadas para programar. Perdi muitas noites de sono a ponto de eu sentar no computador e entender absolutamente nada do que estava programando.
  • O fato de nós queimarmos a Arduino faltando quase uma semanas para a entrega final. Por um infeliz discuido de um integrante... Por causa de um príncipe terei que arcar com o prejuízo de algo que estava em minha responsabilidade...
  • O fato de eu ter gasto mais de trezentos paus na Sta Ifigênia comprando equipamentos eletrônicos para tal. E nem todos terem me pago, kkkkkk.. 150 reais só no ultrassom que usamos. Mais setenta na Arduino queimada, e uns 100 só em resistores, LDRs, protoboard, solda, etc...
  • O fato de só eu programar, e ter contado com a ajuda do Fogliano, Henrique e Ruggero, num momento onde eu de tão exausto conseguia fazer mais nada e estava entrando em desespero.
  • O fato de eu ter parado a academia e ter ficado mais cansado ainda. Sem a academia meu nível de stress subiu a tal ponto que passava o dia exausto e tenso. Minha mãe não me aguentava a noite. E como ela dava patada também, ficávamos brigando muito. Tinha anos que não discutia com minha mãe.
  • O fato de muitos estarem viajando com seus namorados e curtindo muito, enquanto eu estava em casa, programando e sem namorada... Isso foi uma das coisas que mais me deixaram pra baixo...
  • O fato de eu ter pensado seriamente em desistir do projeto, e numa delas ter sentado e chorado feito uma criança simplesmente por não aguentar mais a pressão, a cobrança pesadíssima que estava em cima de mim (que já não basta as trilhões de cobranças usuais de alguém que gerencia um projeto como eu...) e as coisas que pareciam não funcionar.
  • O fato de eu ter olhado lá pra cima, e agradecido a Deus por mais um semestre que Ele me ajudou, mesmo eu sendo o fiel mais desnaturado que Ele tem.
Mas valeu a pena. Fico feliz por ter organizado e trabalhado com tanta gente que passa dia e vem dia, sempre me surpreendem pelas suas capacidades incríveis e amizades ímpares.

E o Air DJ saiu. E funcionou, e arrancou aplausos no final das contas.



Acho que o maior prazer que a gente pode ter na vida e olhar pra trás e dizer que tudo valeu a pena, e se tivesse a chance faria tudo de novo do zero. Ok, eu acho que dormiria mais, pois estou com uma dor de cabeça que tá me matando exatamente pois duas noites recentes passei dormindo menos de duas horas. Mas de resto, eu faria TUDO de novo, pois depois do resultado excelente ontem eu teria vontade de repetir essa sensação boa trilhões de vezes na vida!!

Agradecimentos
Primeiramente a Deus, que porra... Disse que agradeceria a Ele primeiro caso a coisa funcionasse, e ele como sempre me dá forças não da onde, é tão eficiente quanto café! Depois quero agradecer a todos do grupo que estiveram lá: Cris, Aline, Edu e Juan. Aos professores de projeto (Fabio, Fabbrini e Ruggero) e ao Fogliano, que mesmo não sendo exatamente de projeto, nos ajudou muito na aula de quinta. O Henrique Arrais que deu uma mega mão na programação em uma parte, meu pai que ia comigo na Sta Ifigência comprar os esquemas e mesmo ele sabendo que dificilmente irei pagar, ele foi de bom gosto e deu de coração, e se eu lembrar de alguém eu edito e boto o nome aqui.

A todos esses, agradeço do fundo do meu coração pela ajuda, pela presença, pela dedicação e por me terem orgulho e a honra de ter dividido com vocês esse momento tão especial e por terem participado de sua construção direta ou indiretamente.

Agora? Cara, meu objetivo é dormir. Hoje acordei ás 8h, graças ao meu relógio biológico. Fiquei um tempo pensando: "Caraco! Já é sábado, nem parece que a semana mais temida passou!", e depois de ficar um tempo no escuro, fechei os olhos e voltei a dormir.

Como isso é gostoso, cara. =)
Vocês não tem noção!

1 comentários:

Martita disse...

Lindo! Fiquei tão orgulhosa de vc ao ler seu depoimento!! ainda bem que te conheci a tempo, a tempo de testemunhar e acompanhar esta experiência tão bela!Parabéns, do mais profundo do meu coração. Bj

Postar um comentário

Arquivos do blog