sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Como nasce um layout - Parte 12

A duplinha Eleven Stripes aqui. Tenho tanto amor por este blog, que ele é bem parte de mim mesmo. Óbvio que é apenas um blog pessoal idiota, como tantos outros trilhões. Mas é o meu espaço, sendo bem egoísta mesmo, quase uma parte de mim. São layouts baseados diretamente em histórias de vida minhas. Acho que as imagens valem mais que mil palavras.

Eleven Stripes ~ Optical Perspective - Ago 2009/Set 2009
Acho que seria o maior choque cair num blog e ver um braço cheio de cicatrizes, sangue, faca e madeira. Era pra ser o pulso, mas não ficou nenhuma marca tão visível assim. Eu estava afiando a faca, #fikdik. Pode parecer que tinha relação nenhuma, mas tinha.




A idéia era quase como uma introspecção pessoal, raciocinar mesmo sobre o acontecido. Raciocinei e pensava em tudo toda santa vez que entrava no blog e via essa imagem. Acho que fui criando criaturas, bonecos, imagens sobre tudo, e com esse raciocínio consegui criar a próxima versão. Tive que ver aquilo de uma perspectiva ótica pra entender o porquê daquilo tudo, meio bizarro né. Ainda mais se tratando num mero layout de blog. Mas funcionou. E obviamente vou pensar se ainda posto esses insights!

Eleven Stripes ~ Mental Experience - Out 2009/Nov 2009
Sem dúvida o layout mais difícil de ter sido feito. Primeiro porque estava trabalhando, em final de semestre, academia e muito cansado. Os desenhos todos são de autoria minha, incluindo a pintura (sim, fiz um pouco no trabalho!) e como estava namorando, então não tinha tempo mesmo (pra fazer o layout, obvio, porque pra namorar a gente sempre arranjar um tempo!), haha.



Saiu em novembro, mas era pra ter dado as caras em outubro. Mas a idéia é "se a pessoa de fora viu o anterior, foram essas imagens que ficaram na minha cabeça". Até saírem todos os desenhos, saíram outros trilhões de outros antes desses. Mas no fim, um layout que dá medo e é meigo, que faz pensar e tem sentido algum, que intriga e debate, e que ambos significam muito pra mim. E enterraram de vez muitas coisas. Graças a Deus.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog