sábado, 8 de maio de 2010

You're a ghost. In every sense of the word.


Fiquei pasmo quando, ao acordar no ônibus vi no reflexo do vidro ela. Virei pra trás meio assustado, ela me fitou, e até mesmo o jeito de olhar me lembrava. As feições européias, o cabelo louro (na época que estávamos juntos, há muito tempo, era cor de beringela), mas os olhos, bem... Tinham olhos bem azulados.

Mas no final, nem era ela! Que bom. Ufa.
Os olhos dela eram mais negros que os meus.
Mas a semelhança era incrível. Mostrei pra duas pessoas que nos conheciam daqueles tempos e todos se assustaram.



25 de maio tá chegando, "mais um 25 de maio" depois de tantos, tantos anos. E mesmo depois de anos da tragédia, ela ás vezes parece ainda vir atrás de mim, como um fantasma. Em todos os sentidos da palavra.

Você faz muita, mas muita falta.
Mas sei que você está num lugar muito melhor, e feliz, me protegendo.
"Recomeçar sempre é preciso, caro Sir Allain de Paula".

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog