terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Quando se perde a fé.

Ontem, na academia, estava conversando com um amigo, um senhor de seus oitenta e poucos anos. Casado uma vida inteira com uma mulher, ela faleceu, e depois ele começou a conhecer novas mulheres. Já namorou quatro mulheres desde então. Todas na margem dos cinquenta anos, ele deve ter uns setenta anos. Mas como faz academia, ninguém daria mais que cinquenta pra ele. Nada de velho barrigudo, nem nada, pra idade dele, ele tá melhor que muito "moleque" de quarenta anos com barriguinha de chopp.

Estávamos falando sobre mulheres. Engraçado que o cara tinha uma visão bem bacana, não conservadora, e me disse dos últimos relacionamentos dele.
Eu sempre busquei mulheres mais velhas, pensando que elas seriam pessoas mais estáveis para construir algo bacana. As últimas tentativas me provaram que não (novidade... Senão, não estaria nem solteiro). E não vou mentir que eram mulheres, que mesmo no alto dos seus trinta anos, eram piores do que as meninas de vinte que eu imaginava. Os últimos foras que levei também, das vadias na média dos trinta anos também não foi muito bacana.

Mas pensava que fosse apenas um azar. Quem sabe meu próximo passo seria avançar pras de 40? Eu viraria um comedor de velhas.
Mas a conversa que tive com esse senhor - que tem uma vida de relacionamentos bem ativa por sinal - foi bem construtiva. Pois exatamente perdi a fé que eu tinha nas mulheres.

Primeiramente algo que me deixou muito encucado foi o fato de que elas, mesmo no auge dos seus cinquenta anos, ainda tem problemas existenciais como toda mulher tem. Que deixa nós homens fulos da vida. Um exemplo: levei um fora de uma vaca recentemente porque não queria iniciar um relacionamento sério com ninguém. O senhor também já levou um fora com o mesmo motivo. Aí eu pergunto: Se essas mulheres, adoram dizer que são sozinhas, que não tem ninguém especial na vida delas, quem são elas pra falar isso quando elas de fato não querem nada sério mesmo quando cara deixa claro que não está pra brincadeira? Não é coisa da idade isso, isso é coisa da mentalidade feminina - que ninguém jamais entenderá, parece um bicho com um sério defeito, pois adora histórias de amor de filmes, mas não concebe que algo legal assim possa acontecer com ela.

Adoram dizer que isso é poético, que é blábláblá, mas não importa a idade: vocês mulheres sempre continuam (e continuarão) umas cabeças de bagre.
Só tenho um conselho: assim como nós homens tentamos, só digo para vocês que tentem. Vocês não podem dizer que não vai dar certo sem nunca terem tentado, quem dá a chance pro cara entrar são vocês. Ninguém força a barreira, e quando um não quer, não adianta. Principalmente quando um belo dia, daqui uns dez anos, você olhará pra trás, verá que passou vários caras legais pela sua vida (como eu) e se casará com um gordo idiota careca com uma lata de skol na mão só porque tem um carro e não tem onde cair morto.

Vocês cavam sua própria cova, não importa a idade, isso que me deixou mais abismado!
Adoram falar que nosso defeito é traição, e como homem digo que isso é a coisa mais variável do mundo. A causa da solteirisse das mulheres não são fatores como "a modinha de hoje em dia de todo homem ser gay", ou "a falta de homem, já que tem mais mulher que homem" mas sim o fato de que "mesmo quando nós queremos algo sério com vocês, vocês adoram dar pra trás e nem vocês sabem o motivo disso".

Francamente? Vontade de pegar essa mulher e dar um pinto de borracha e dizer: "Pede pro pinto de beijar, ver tevê com você junto, ouvir seus problemas e te levar pro altar pra casar. Quando esse pinto de borracha fizer isso me chama, que eu darei razão total pra vocês".


0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog