segunda-feira, 21 de março de 2011

Questão de tabus

Nesse fim de semana estava pensando em tabus da sociedade. Como sexo, que antes era uma coisa tão "difícil" de se fazer, hoje é algo relativamente fácil. Embora que, eu acredite que as pessoas não fazem tanto quanto querem/dizem fazer, por um simples motivo: existe algo chamado HIV circulando por aí.

Mas, embora a descoberta da AIDS tenha aparecido praticamente junto com o "libera geral" da putaria desenfreada, as pessoas não deixaram de falar de sexo. Engraçado isso, acho que uma vez que o assunto está tão no conhecimento das pessoas, elas descobrem mais sobre, e outras coisas mais.

O tabu que quero falar é outro. Se a sociedade antes da década de sessenta não falava de sexo, a sociedade do século XXI não discute a morte, e o envelhecimento.

Um tio meu, de setenta e poucos anos tava conversando comigo no interior. Disse que, quando tinha vinte anos seu objetivo era chegar aos trinta. Ao chegar nos trinta, seu objetivo era chegar aos cinquenta. Ao chegar nos cinquenta seu objetivo era chegar aos setenta. Agora com mais de setenta, seu objetivo é chegar até os cem. Diz que a vontade de viver vai chegando, mas ele sabe que depois de uma determinada idade é mais fácil de morrer.

Mas ele não teme. De alguma forma compartilhamos o pensamento de que "estamos no aqui e agora, vamos fazer o que conseguimos fazer, se der, deu. Se não deu, não podemos dizer que não fizemos".

Não estou dizendo pra você se jogar na balada e dar pra três caras ao mesmo tempo num ménage. Cada um tem suas expectativas e anseios particulares, e acho que nosso tempo aqui é muito ínfimo pra fazer tudo o que queremos. Mas você deve estar preparado pois pode acontecer a qualquer hora, qualquer lugar, qualquer momento. Que é a morte.

Porém todos continuam vendo a morte como a coisa mais horrível do mundo, quando não é. É um ciclo, pessoas nascem, pessoas morrem. Você se sente triste? Claro que sente! Faz de tudo para evitar? É natural, tem que fazê-lo. Mas uma vez acontecida, não tem jeito, não há volta.

Talvez seja questão de uma sociedade que preza tanto a vida, a juventude eterna, não vê que de alguma forma a morte também existe. E o pior: ela é algo que é impossível de se fugir. Não há propaganda, religião, reza, absolutamente nada que irá evitá-la. Assim como a velhice.

Mas o importante, é estar de alguma forma pronta pra ela.Talvez você ache isso errado, mas uma vez que você põe uma barreira em algum assunto, ele é um tabu pra você.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog