segunda-feira, 11 de abril de 2011

Em resposta à Soninha.

Li a postagem do blog da Soninha Francine. Gosto muito dela, ela é uma pessoa que, na minha opinião, divide muitos dos meus valores para uma boa cidade, como mais bicicletas, prioridade total no transporte público sobre o particular, além de ser uma das únicas políticas numa democracia de merda como a nossa que eu faço questão de votar nela, sempre, nem que seja pra ser síndica de prédio.

Leia primeiro depois volte aqui. O do dia 8 de abril.

Tou falando sério, clica aqui, cara.


Leu mesmo? Tem certeza? Não me engana.

Vai lá e lê. Eu espero...





Pronto, agora presumo que você tenha lido. Muito bem! Vamos começar.

1) Esbarramos na bendita psicologia. Eu fico pensando na utilidade da psicologia. Psicopatas enganam fácil qualquer psicólogo. Assim como não existe cura pra psicopatia, não existe uma maneira de se diagnosticar antes que aconteça. Muito porque acredito que todos temos sim um bocado de psicopatia dentro de nós. Mas o caso de explodir como foi no caso do Wellington, é a coisa mais aleatória do mundo. Pode ser eu, você, a vizinha gostosa ou mesmo aquele vovôzinho que adora dar milho pros passarinhos. É trágico? Vou falar pela milésima vez: SIM. Previsível? Muito, muito, muito difícil. Qualquer um que estuda psicopatia sabe como isso é uma bomba-relógio.

2) Desarmar a população não é a questão. E os bandidos terem arma, também não é a questão. Alguém já comprou muamba no Paraguai? A coisa mais fácil de se conseguir uma arma é por lá. Embrulha, traz na sacolinha, passa a Ponte da amizade e já era. Você traz uma .32 fácil e entra no país com uma arma que você pode... Matar pessoas! Então todos falam em desarmar se o problema do Wellington não foi o desarmar, foi o de conseguir fácil assim como qualquer pessoa nesse país consegue. Não adianta você colocar leis (ou um comercial engraçadinho) pra botar medo nas pessoas se você pode ir ai do lado e pegar uma arma facinho.

3) Bullshit. Já viram o Impostor do Pânico? Não existe lugar impenetrável. Eu já disse isso num post recente. Porque você acha que você está protegido fechando sua porta? Fechar a porta é nada mais que um signo que diz as pessoas que dali elas não podem passar. Mas um signo desses pode ser facilmente derrubado com um chute bem dado, você invade, e faz o que quiser. Podem colocar o exército, a guarda papal, os Rangers americanos, a Task Force 141 na escola, o cara consegue entrar.

Eu só ando lendo opiniões femininas, e acho que elas sempre se deixam levar bastante pela adrenalina da situação. Pensem um pouco antes e deixem a emoção de lado. Esse tipo de coisa acontece. Existiu o Maníaco do Parque, o sequestrador do ônibus 171, o Lindenberg que matou a Eloá Pimentel, o Bandido da Luz Vermelha e outros trilhões de exemplo.

Prever um ataque psicótico é uma tarefa impossível. Pode ser comigo, com você, com o Silvio Santos ou com o Karol Wojtyla. Entendam isso, um cara com esse quadro psicológico, se estiver decidido em jogar um avião em um prédio ele vai fazer. E ninguém vai impedir isso pois se tentassemos impedir isso nos tornaríamos seres mais paranoícos do que somos.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog