sábado, 2 de julho de 2011

"Paz" não é um conceito nascido no ser humano.

Estava jogando Metal Gear Solid - Peace Walker, pra PSP, estou levando uma surra (o jogo é difícil!) e existe uma personagem no jogo chamada Paz Ortega, uma menininha de cabelos louros e olhos claros, de ascendência espanhola, que é pacífica - não apenas no nome.

Em uma das cenas do jogo ela diz que a paz não é um estado natural do ser humano. Ela deve estar na vontade do ser humano para que ela exista, pois o natural do homem é batalhar, matar, ferir o outro.

Para atingir a paz, devemos criá-la dentro de nós mesmos. É o que ela diz nessa cutscene.

Acho que talvez não seja apenas um característica do ser humano ou da sociedade, mas sim de qualquer ser vivo. Guerrear, machucar o outro é algo imperativo para a natureza de qualquer ser humano, aparentemente.

Provavelmente ao falar na palavra "violência" pensamos instantaneamente em bandidos, em criminalidade. Mas ao mesmo tempo tratamos eles com violência, afinal taque a primeira quem nunca quis "matar" alguém que o tenha assaltado. Nem que seja dar-lhe uma surra, ou dar um sermão. Criamos prisões, achamos que trancá-los dentro de uma prisão é o correto, queremos mais polícia nas ruas quando eles acabam sendo vítimas da sociedade humana, que é violenta, que acaba com sonhos, com anseios e com uma vida digna.

Algo como, assistem um filme da Disney que diz pra acreditar no sonho, e vêem que quase ninguém consegue atingir sonhos, que isso é utopia, impossível, e esse é um tipo de violência também... só que legalizada. Manipulando vontades, criando estereótipos de comportamento enquanto observam que a realidade em torno de si mesmos seja totalmente diferente.

Talvez assistem na tevê aquela pessoa que vai dar depoimento por ter saído das drogas, da violência e vencido na vida e vê que pra ele talvez isso esteja muito longe. Será que esses exemplos podem ser considerados ao mesmo tempo uma violência também?

Estou com uma cachorrinha de alguns meses de vida em casa, ainda é uma filhotinha. Ela morde a todos, de brincadeira. Afinal, o que seria a mordida, mesmo as engraçadas, como um ato de violência, uma violência que foca a sobrevivência. Pense bem, observe aquele assaltante que rouba sua bolsa na terça-feira, e veja o gerente do local onde você trabalha que despede a pessoa na quinta-feira. Você vê alguma diferença?

Uma luta pelo mais forte, a lei da floresta, o ser humano tenta ser um bicho pensante mas... não consegue jamais negar sua natureza de bicho do mato. Criamos carros com tecnologias incríveis, mas ao mesmo tempo ainda acreditamos que bandidos merecem ficar encarcerados igual animais, ou então que deveríamos nós mesmos dar uma lição deles na base de safanões.

Abaixamos a cabeça para a intolerância e para a tolerância, achamos que os bancos nos cobrarem juros altíssimos é correto, pensamos que o método que colocamos nossos representantes no poder seja o melhor, pedimos paz para Israel e a Cisjordânia enquanto brigamos com o cara que está te encoxando no ônibus.

Paz não é um estado pleno do ser humano. Ela deve ser criada. Mas pra ela ser criada, o ser humano deve deixar sua parcela de animal de lado. Mas será que isso é possível?

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog