terça-feira, 23 de agosto de 2011

Os muitos "eu".

Quando estava na sétima série uma professora tinha se espantado com o que sabia fazer. Dança, teatro, desenho, além de ser impecável em todas as matérias (menos Educação física).

No meu trabalho antigo o pessoal brincava dizendo que eu era a única pessoa com capacidade de fazer o trabalho de qualquer pessoa do prédio e, as vezes, até possivelmente melhor, devido a um "vasto conhecimento" que eu tinha, uma vez que eu conseguia conversar dos mais diversos assuntos com as mais diferentes pessoas.

E mais recentemente, uma grande amiga do templo, me fez uma pergunta: "Alain, o que você NÃO sabe fazer, já que você faz tudo?".

Fiquei pensando, e respondi que não sabia fazer tricô. Via sempre minha mãe com uma habilidade incrível no tear, e nunca entendia como um punhado de fios virava uma manta, apenas por estarem entrelaçados num formato específico!

Eu, desde pirralho, sempre tive uma visão meio estreita das coisas, uma visão superficial. Por exemplo: Sabia que os aviões voavam, mas não entendia porquê  ele andava rápido na pista e empinava do nada. Pensava que dentro da gente era uma bolsa de sangue grandona, nunca imaginei que existia órgãos.

Não sei se todas as pessoas eram assim, mas quando descobria a verdade sobre uma coisa, aquilo me fazia memorizar aquilo de tal maneira para que eu nunca mais tivesse essa dúvida.

Foi assim que hoje entendendo coisas como: "Como aviões voam?" ou "Pra que servem os órgãos?".

Mas não acho que seja lá uma pessoa tão "sabida" como meus amigos sempre brincaram. Ainda estou engatinhando, e é um círculo vicioso que me deixa inquieto, me sinto uma pessoa doente. Não consigo ficar com uma dúvida, e quanto mais dúvidas eu sanar, mais questionamentos aparecem, e como não consigo ficar em dúvida vou atrás e aí continuo preso nesse círculo vicioso a vida inteira, sobre os mais diversos assuntos, e inclusive sobre coisas que dificilmente farão alguma relevância na minha vida!

Por exemplo, onde diabos vai ser importante pra minha vida saber que, sei lá, o funcionamento de amplitudes de ondas, desde raios beta até raios-x? Mas sei lá, eu sei como funciona.

Mas quanto mais dúvidas eu tiro, mais eu vejo que sei de nada. Parece clichê copiado de Sócrates, mas é verdade, quanto mais eu busco respostas, menos respostas eu acho e mais perguntas eu me faço.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog