sexta-feira, 23 de março de 2012

Livros 2012 - #8 - Zodíaco

(e tinha gente que pensava que eu tava com livro de HORÓSCOPO...)

Eu gosto muito de psicopatas e serial killers. Acho que é por dois motivos: meu faro de detetive e pelo fato de eu ser muito emotivo. Queria saber como é que alguém mata alguém e não sente nada, como é possível isso. Seria como se a pessoa matasse do mesmo jeito de desempenha uma função cotidiana. Não consigo imaginar isso, mas se pudesse um dia entrar na mente de um assassino, queria saber como é essa sensação.

"This is Zodiac speaking". Estranho como mesmo depois de praticamente cinquenta anos ainda não acharam o cara. Achei esse site aqui, e embora eu saiba como a polícia e a inteligência aja, não duvido que realmente tenham pego e escondido pra fazer um draminha pra vender uns filmes e livros. Tem muita coisa não explicada no livro, e até entendo que exista sigilo policial, um mal necessário.

Conheci o Zodíaco sem querer numa revista sobre Serial Killers. Tinha acabado de ler o Mentes Perigosas, e tinha adorado e entendido perfeitamente como age uma mente com psicopatia. E essa revista contava de diversos casos interessantes, Zodíaco, Jack o Estripador, Maníaco do Parque, entre outros.

Livro muito interessante, mas ao mesmo tempo muito, muito tenso de se ler. Primeiramente porque aquilo tudo é real, aconteceu. E meio incompleto, já li alguns lugares sobre mais algumas outras pessoas desaparecidas, que também foram atribuídas ao Zodíaco que não são citadas aí (a começar pela Donna Lass não citada, mas pelo menos falaram da hipótese da Cheri Jo Bates ter sido uma vítima também).

Vou confessar que quase não li o livro graças a um erro grotesco logo na introdução. De acordo com o tradutor, Jack the Ripper aterrorizou Londres em 1988 (o correto é um século antes, 1888). Quando vi isso, eu fechei o livro, mas depois resolvi dar uma chancezinha.

Ainda bem que não me arrependi.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog