segunda-feira, 16 de abril de 2012

Harmonizar entre amigos ou inimigos.

No budismo nós ensinamos que devemos exercer a compaixão sem distinção de amigos ou inimigos. Isso parece muito ilógico em diversos pontos, afinal, como vou tratar bem que me trata mal? Somos ensinados desde criança (ou pelo seriado House) que devemos ligar o foda-se e se não nos damos bem com alguém, devemos entender isso e prosseguir com as coisas.

Todos nós temos problemas de relacionamento com alguém. Somos seres humanos, oras. Alguns com mais pessoas ou menos pessoas. Mas as pessoas não são necessariamente ruins. São pessoas como nós, buscam harmonia no mundo, querem viver num lugar melhor. No fundo são boas pessoas, mesmo que tenhamos desavença.

Platão já dizia: "Aquele que tudo compreende, tudo perdoa". Quando conhecemos deixamos de sentir aversão, e grande parte dos problemas do ser humano nasce do preconceito, desconhecer quem está no nosso lado. Talvez seja por isso que hoje conseguimos ver coisas boas no Estranho Mundo de Jack que provavelmente não veríamos na década de quarenta, pois esse mundo era considerado impuro, já que muitos desses seres eram considerados vilões, frente às imagens de cavaleiros e princesas como arquétipo do bem. Quando conhecemos, não temos preconceito, nós amamos e aceitamos. Isso vale pra tudo.

Logo, as coisas não são necessariamente ruins, são desconhecidas, pois quando se conhece, se ama. Ponto.

(agora vai dar uma respirada e tenta assimilar isso!)

Se nós conhecemos uma pessoa com a qual temos desavença, conseguimos entender o que leva essa pessoa a ser assim. Se nós simplesmente nos fechamos em nossa individualidade e ligamos o "foda-se", igual o House faz, nós não atacamos a raiz do problema. Nós agimos como a pessoa e semeamos mais desavença. E isso é muito, muito errado!

Por isso deveríamos agir assim: Se a pessoa vier e lhe der um tapa, não retruque ou pague na mesma moeda, ofereça o outro lado da face. Não entendam isso literalmente, não quero deixá-los como masoquistas que gostam de levar tapa das pessoas. Olhe a pessoa por um ponto de vista. Se ela lhe parecer incompreensível, tente olhar por outra perspectiva. Use outra abordagem. Se coloque no lugar da pessoa. Mas acima de tudo: seja sincero.

As pessoas não entendem que brigas não trazem melhorias. Isso é babaquice. Brigas só trazem sangue, ódio, e mesmo que um lado desista, ele só desiste porque está sem forças, não porque entrou em harmonia com você. Levamos isso ao pé da letra e queremos harmonizar o mundo a nossa volta quando na verdade essa harmonia deve vir primeiro da gente: Nós que devemos ser o veículo para dar o exemplo. Não existe essa de "faça o que eu digo e não como eu faço". Exemplos concretos falam mais alto que palavras.

A harmonia só virá ao nosso redor quando cultivarmos ela primeira dentro de nós mesmos.

Portanto, amemos nossos inimigos, as pessoas com a quais temos desavenças tanto quanto nós amamos quem nos querem o bem. Temos que entender a pessoa, saber pedir desculpas, e entender que o bem não se constrói por meio da violência. Muito pelo contrário! O bem é uma muralha intransponível. Só nos resta ter a consciência de saber usar isso, e nos harmonizar com todos a nossa volta.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog