sábado, 14 de abril de 2012

Mamãe quer que eu case.

"Alain!", ela começou.

"Fala, Salete", eu respondi. Não tenho o hábito de chamar minha mãe de mãe. Exceto em algumas situações.

"Nossa, vi uma menina hoje que você vai gostar!".

"Lá vem! Dá até medo de perguntar onde vc arranjou essa 'princesa'!", eu disse. Tudo bem que dificilmente minha mãe me apresentou uma feia. Ela sempre quis que eu casasse com uma menina como ela, meio caboclinha. Minha mãe nunca aceitou meu gosto por orientais! Sempre diz que todas são feias.

"É loira! Não é mulata, sei que você não curte. Olhos azuis e tudo!".

"Tá, mas você não disse ONDE encontrou ela!", eu reforcei.

"Na escola onde trabalho", ela disse. Ela trabalha numa escola publica, dando aula pro ensino médio.

"MÃE! Poxa, você dá aula pra ela? Ah, assim não dá né? Isso é pedofilia!".

"Não! Ela é professora".

"Hum... Minha idade?".

"Sim!", ela disse, sorridente.

"Tem superior?", eu disse, questionando os estudos.

"Sim!!", ela disse, mais sorridente ainda.

"Legal! Demorou, gostei!".

O meu problema acho que é porque sempre busco uma mulher inteligente. Desculpem as burras e bonitas, mas por mais que vocês tenham bundas e peitos deliciosos, não consigo manter uma conversa de mais de cinco minutos com gente sem o mínimo de discernimento!

E vivas para as inteligentes!

Ah! Essa aí da estória minha mãe até hoje nem apresentou nem nada! Será que era uma cilada?

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog