segunda-feira, 2 de abril de 2012

Pecado no budismo.

No cristianismo existem os sete pecados capitais. No Islã tem uns 60 pecados graves. No budismo tem 108 pecados. Parece que o número vai sempre aumentando, hehe.

Mas embora no budismo exista realmente uma maior quantidade de pecados catalogados e que devemos purificá-los, basicamente os pecados no budismo tem como raiz nós mesmos e o jeito com que olhamos e agimos com o mundo a nossa volta.

Eles pedem sempre para policiarmos nossas mãos, boca e mente, pois é desses três que originam todo nosso pecado.

Primeiramente as mãos que podem ferir a outra pessoa. Claro que a gente pode chutar alguém e ferrar a pessoa. Para purificação das mãos, devemos fazer o gasshô (olha a foto aí do lado pra saber o que é). Juntar as mãos é um símbolo universal da gratidão e paz, em diversas religiões. Com as mãos em gasshô você não tem como causar o mal a outrém por meio da violência.

Segundo vem a boca. Nossas palavras são péssimos instrumentos quando usados de maneira incorreta. Ferimos as pessoas a nossa volta com isso e, uma vez dito, não tem como voltar atrás! Claro que devemos sempre policiar pra não ofender as pessoas. No budismo dizem que nossa boca deve ser usada pra recitar mantras, e não para ficar falando baboseiras.

Por fim, a mente. Ah, a mente! Tecnicamente tudo nasce na mente, incluindo os pecados da boca e das mãos. Nossa mente é nosso grande mestre. Nossa mente nos pode fazer sofrer também quando estamos inundados em nossos próprios pensamentos. Para tanto, devemos ter em mente que a prática de meditação pode nos tornar propícios a achar uma verdade, um consolo ou uma solução dos problemas que surgirem na nossa mente.

Bem mais fácil do que decorar várias listas do que fazer ou não fazer. Portanto, policie sua mente, mãos e boca!

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog