sábado, 2 de junho de 2012

Aquela carta.

Um belo dia, nas andanças em Glast Heim, eu te conheci.

A Manu me escreveu uma carta que levou uns 4 anos pra chegar no destinatário. E ainda mais um tempo até eu ter coragem de ler. Comentei dizendo que não tinha coragem de abrir ainda pois não sabia se eu era a mesma pessoa ainda que ela tinha enviado a carta.

Foi tanto tempo, né?
E eu não acho que fui um amigo tão presente como gostaria de ter sido com você. Me sinto péssimo!

Engraçado que na carta ela disse que eu comentei que nos separarmos seria inevitável e que a amizade iria acabar. Antes mesmo de abrir a carta eu pensei nisso.

Faz tanto tempo, né?

Fiquei pensando que, mesmo depois de tanto tempo ainda mantemos uma amizade boa. Conversamos como se tivéssemos nos encontrado ontem. Por isso, meu coração não tinha mais dúvidas. Eu sou, e continuo sendo a mesma pessoa de antes na minha essência! E não tinha nada a temer. Abri, e li a sua cartinha.

A nossa amizade nunca vai acabar, Manuzinha! Eu fui um tolo em afirmar isso anos atrás e hoje vejo isso. Acho que quando a gente vê o futuro na nossa frente eventualmente a gente fica com medo mesmo. Tenha medo de se apegar às pessoas e depois elas nos deixarem.

Mas quando a gente age de coração puro com as pessoas, a gente só recebe a pureza de volta. Uma amizade moldada nisso é eterna, atemporal e única!

E essa cumplicidade de nós é o que existe de mais rico na nossa amizade! Depois de tanto tempo, nunca vou esquecer quando nos encontramos depois de anos sem nos ver (uns 4 anos?) e você viu as cicatrizes no meu braço esquerdo e perguntou o que era. Depois que eu respondi você colocou a mão em cima, fez um carinho, e disse baixinho: "Porque você fez isso?".

Fui um egoísta mesmo, pois tinha esquecido o quão importante eu era pra pessoas como você! Se eu tivesse pensado nisso jamais teria feito. Fui um imbecil!

Acho que no fundo eu nunca entendi o quão sortudo eu sou de ter amigas que se preocupam comigo como você. Não poderia ser mais grato! Por tudo. =)

Eu que te amo mais, minha amiga! Obrigado por tudo, como sempre.

2 comentários:

Manu disse...

Nossa, coloca mais de quatro anos nisso aí, uns 6 quem sabe, rsrsrs. Você cresceu e mudou, como eu também, mas nunca tive dúvidas que sua essência continuava a mesma. Um espirito de caráter, com uma bondade quase inocente daquelas pessoas que acreditam no próximo e em mundo melhor. Volta e meia nos separamos, só nessa parte sua previsão foi certa, mas sempre voltamos a trombar como na primeira vez.

Manu disse...

*em um mundo

faltou uma palavrinha

Postar um comentário

Arquivos do blog