quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Seria tão mais fácil se...

Meu pai sempre foi uma pessoa muito rígida comigo. Por um lado eu agradeço, pois isso me ajudou a ser uma pessoa forte. Por outro, fico me perguntando se tudo não seria mil vezes mais fácil se ele simplesmente me ajudasse, nem se fosse com um apoio moral.

Estou com uma viagem pra Europa programada pra novembro, havia planejado tudo pra ela, e ontem numa conversa ele chega em mim e fala: "Porque você escolheu isso? Você vai voltar desempregado e cheio de dívidas. Não vai conseguir arranjar um trabalho novo nessa crise que assola o país! Como vai se sustentar?".

Sabe, seria TÃO mais fácil se ele simplesmente falasse algo como: "Vai filho, aproveita sua viagem, é sua primeira vez pra fora, na próxima você se planeja melhor".

Mesmo hoje, eu já passado dos vinte anos, ele me trata como se eu fosse um moleque de onze. Não vou mentir, não moro na minha casa, não sou completamente independente nem nada do gênero. E todas as vezes que eu seguia minhas escolhas sempre ele estava lá pra pisar em mim e me humilhar no caso de falha e se eu conseguisse dizia que eu não tinha feito nada mais que a minha obrigação.

Ele nunca me elogiou na minha frente. Nunca.

Poxa, será que tudo por si só já não está sendo um baita desafio pra mim? Eu tenho que superar meu medo de avião, saber me virar sozinho num país estrangeiro, ter o dobro de atenção e resposabilidade, ficar longe da família, aprimorar meu inglês, gerenciar o orçamento da viagem e agora não tenho o apoio da minha própria família?

Dureza. Hoje eu estou pensando seriamente em cancelar minha viagem pra Londres. É muita pressão e muita energia negativa por parte do meu pai que estará torcendo pra que tudo dê errado pra jogar na minha cara quando voltar. Desisto.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog