sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Diários Nipônicos - #9


Outro dia bem puxado.

Pela manhã tomamos café e fomos pros ensaios. Logo enquanto tomávamos café deu pra ver pela grande janela que tinha o Monte Fuji com as nuvens do topo desaparecendo. Provavelmente isso aconteceu porque a Keishu-sama estava em Yamanashi já pros ensaios do Saito Homa.

Pegamos o micro-ônibus até o templo do lago Kawaguchi e ficamos ensaiando, mas sem o robe dessa vez. Focamos principalmente na forma de entrar e na forma de sair. Fomos almoçar e depois na volta tivemos uma “folga”. Ficamos assistindo o ensaio dos japoneses.

Fiquei surpreso em saber que todos estavam treinando há semanas. Por isso tudo saiu tão natural e não precisou da força e da paciência da equipe que organiza os eventos na Shinnyo-en.

Assistimos os dois ensaios, deu pra gente se sentir bem próximo. E uma hora a própria Keishu-sama apareceu e ficou um tempinho conversando com as pessoas que estavam fazendo gohoshi (e que eram quase umas 300 pessoas). Depois recebemos o aviso: Keishu-sama está vindo, vamos recebe-la.

Como é encontrar com a Keishu-sama? Difícil de colocar em palavras. Acho que de início ela é uma pessoa pequena, mas ela tem algo grandioso nela que é difícil de explicar. E ao mesmo tempo é muito simples.

Quando vimos que ela iria entrar todos nós olhamos pra trás e nos demos conta que era realmente ela. E ela existe!

Ela nos deu palavras de encorajamento, dizendo que éramos pra nós darmos o máximo de nós pelo nosso país e ser uma ponte do ensinamento entre eles e Oyasono. E também que os ryodoji-sama e os sooya-sama estariam sempre conosco juntos, nos apoiando e nos protegendo.

Meus olhos, por mais que estariam olhando pra Keishu-sama ficaram marejados de tantas lágrimas que brotaram ao vê-la. Realmente ela é muito especial. E então tão rápido ela chegou, ela se foi. Com toda sua delicadeza e humildade. Ela continuou o ensaio com os japoneses e correu tudo bem. Depois fomos colocar nossos sapatos especiais e depois voltar pro treinamento noturno. Mas tudo correu bem no geral. Eles são bastante perfeccionistas, focam nos detalhes, e ás vezes a gente fica um pouco nervoso. Mas tudo vai correr bem, não tenho dúvida.

Como no nosso time tem vários reinoshas é interessante conversar com eles. Um que eu gostei bastante é o Ernnie, do Havaí. Ele é muito engraçado e passa o ensainamento pra gente de uma maneira tão suave que a gente nem percebe que está praticando. Uma grande pessoa iluminada que também se emocionou comigo quando nos demos conta da importância e a gratidão que devemos sentir por participar do Saito Homa no centenário da fonte espiritual Shojushin-in-sama.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog