segunda-feira, 12 de novembro de 2012

IV - O Imperador.



Era uma noite com trovoadas e muita chuva.

Mikael adentrou no local na sala de Dietrich. Fazia alguns meses que Arch havia sido executado.

"Senhor Dietrich, sou eu, Mikael. Já faz alguns meses que o Arch foi executado naquela emboscada", iniciou Mikael.

"Sim, Mike. Arch foi um traidor, junto do Capitão. Ambos sofreram as consequências de sua escola. Dois grandes traidores!".

"Eu não duvido. Mas, naquele dia em que fomos atrás de Arch, ele não esboçou nenhuma reação. Ele foi em paz com nossos homens. Sequer levantou um dedo contra eles. Acima de tudo, quando olhei pros olhos dele, vi uma paz de espírito imensa", Mikael disse.

O velho olhou fixamente pra Mikael. Seus olhos verdes e cabelos louros grisalhos fitaram ele no fundo de sua alma. Era o jeito de controlar as pessoas que só Dietrich tinha. Ele queria ir até o fim daquela conversa.

"Arch foi um traidor. Onde você quer chegar com essa conversa?", Dietrich questionou.

"Senhor, o que quero dizer é que aqueles olhos não eram olhos de um traidor. Muito menos de um assassino. Arch sempre demonstrou uma justiça e um bom senso inabaláveis, então porque ele, que confiávamos nele, faria uma coisa dessas? Eu não compreendo!".

"Mikael, Mikael, Mikael...", Dietrich disse, ficando em pé, "Quero que veja uma coisa. Logo depois daquela porta existe algo que você vai se espantar em ver".

"E sem contar que a morte do Coronel foi muito misteriosa! Não consigo conceber a ideia de que Arch seria o culpado do sequestro do velho e depois seu expurgo! Ele era meu amigo, eu confiaria nele de olhos fechados?".

"Pois então veja o que tem logo atrás daquela porta. Eu prometo que isso vai mudar tudo o que você pensa".

Mikael se aproximou da porta e abriu. Dietrich sentou-se logo num estofado próximo e ficou de frente para ele. O jovem russo deu uma pequena olhava pra trás, um último relance pra Dietrich antes de abrir a porta. O velho lhe deu confiança, parecia dizer com seu olhar "vai, siga em frente"!

O que Mikael viu atrás da porta o deixou horrorizado. Ele deu um grande grito e levou suas mãos na cabeça, caindo pra trás depois do grande susto. Dietrich levantou-se e fechou a porta. Pegou Mikael, que embora seja forte, não conseguia compreender o que tinha visto. Estava em estado de choque com o que via logo atrás.

"Você entendeu agora, Mikael, meu caro? Eu sou a justiça. Eu sou o sucessor. Você questiona Arch, mas o que você viu atrás dessa porta mudou tudo, não? Me obedeça a partir de agora, Mikael. Sou seu líder, quero ganhar seu respeito e admiração. Consegue me compreender agora?", disse Dietrich, segurando Mikael pelo colarinho, com os olhos esbugalhados e em choque.

Tudo o que Mikael conseguiu dizer naquele momento foi repetir em choque uma palavra:

"Jus... ti... ça...?".

Uma enfermeira aplicou um sedativo e o levou pra fora. A ideia de Dietrich era fazer aquilo tudo parecer um sonho.

"Bom, essa é a prova final. Somente o sacerdote conseguiria usar essa técnica contra um rebelde. É a prova final que eu mereço, definitivamente, estar onde estou", disse Dietrich, depois que Mikael inerte foi levado pra fora.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog