terça-feira, 30 de abril de 2013

Não. Faça o que eu mandar.

Na adolescência achava que já podia tomar minhas decisões. Meu pai chegou dizendo que eu devia fazer engenharia, afinal essa era o sonho dele. Eu detestei a ideia logo de início. E foram brigas intermináveis até eu insistir em fazer Design Digital, afinal a internet é a minha área. Mas sentia que ele no fundo estava louco pra me ver dando mal e chegar em mim, apontando o dedo, dizendo que eu era um inútil que só trazia dívidas, como ele nunca escondeu que eu fosse.

Se eu fosse tão ruim assim, era uma despesa interminável, só desobedecia e trazia nojo pra ele, custava ter usado uma camisinha?

Mesmo hoje me sinto preso numas amarras terríveis, e olha que já estou chegando aos trinta anos, logo logo. Ou como ele sempre fazia, me envelhecendo. Tinha dez anos? Logo logo tá com quinze. Tem quinze? Logo logo tem vinte, e na sua idade eu já tinha casa própria e filhos.

Tempos mudaram, né?

A última foi uma viagem que pintou ai. Ele disse que, se eu tivesse com emprego eu não iria. Como se eu, que estou desempregado (só um detalhe) não tivesse a chance de conversar com meu chefe e negociar alguns dias, mesmo que descontasse da folha de pagamento.

Por incrível que pareça se eu estivesse desempregado até lá, de acordo com ele, eu iria "de boa".

Sinceramente, meu pai tem uma boca terrível. E mesmo com o apoio dele da boca pra fora, ainda tem muita chance de tudo dar merda. E se ele fala que não, nossa, dá muita, muita merda. São uns espíritos chatos que andam com ele que eu tenho que tentar conviver com.

Mas sempre é isso, é sempre assim e não tem discussão. Ele repete o mesmo argumento vezes e mais vezes, tenta explicar, mas nunca é capaz de mudar de ideia.

Recebi um sesshin dizendo que essa viagem vai ser ótima, vou aprender muito, lidar com pessoas diferentes e terei um crescimento incrível. Mas pro meu pai, é: "Se tiver trabalhando, cancele".

Cara, tem hora que cansa dessa vida. Sério mesmo. Eu tenho uma amiga, uma senhora de cinquenta anos, que me disse que ela perdeu diversas oportunidades boas por causa de veto dos pais dela. E ela me aconselhou a sempre ter responsabilidade e fazer minhas próprias escolhas, porque depois que o estrago de obedecer está feito, o tempo já passou e estarei velhinho sem nunca ter feito nada na vida.

Meu pai sempre foi, e acho que continuará por muitos anos como o meu maior karma. Me sinto muito como o Tidus lutando contra o Jecht em Final Fantasy X. Tidus é o filho do maior prodígio e super fodelão Jecht, e ele não consegue chegar muito aos pés do seu pai, mas tem uma hora que ele tem que lutar contra ele.

E Jecht, é o chefão final.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog