quinta-feira, 4 de julho de 2013

Aqueles que não vemos mais.

Hoje estava conversando com uma galera de um fórum antigo de fãs de Michael Jackson que eu costumava frequentar na web. E isso em 2002, foi quando eu ingressei. Brincando ou não foram onze anos! E conversando com uma amiga sem querer citei uma menina - que na época era menina mesmo, de onze anos. Eu devia ter uns quatorze naquele tempo.

Mas o tempo passa, e hoje estou beirando os 25 e ela 20. Fiquei abismado ao ver como ela cresceu e... Ficou gatinha!

Porém ainda vejo ela como a pirralha viciada em mangás da época, haha. Eu tinha meio medo dela. Sei lá, internet é coisa difícil de se acreditar, ainda mais naqueles tempos que não existia a identidade da web como existe hoje. Sim, eram tempos difíceis onde a gente não falava onde vivia, muito menos o nosso próprio nome! Todo mundo ainda deve achar difícil associar "Alain De Paula" com o "Meta_Morphine", meu nick no fórum.

Cara, tô ficando velho, isso sim! A gente era tão criança na época, entrando na puberdade e tal. Hoje somos adultos, trabalhamos e estudamos (ou já terminamos). Eu tenho uma imensa dificuldade em ver o tempo como uma linha reta. Eu acho que isso é uma forma que nós encontramos de colocar um ponto A a um ponto B.

Mas eu ainda acho que uma forma melhor de representar o tempo seria um círculo. Time flows in circles. Until all possibilities have been tested, it will remain locked in this arc for all eternity.

Putz, aquela pirralha virou essa loiraça? Brincadeira, hein?
Baba, baby. Baba, a criança cresceu.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog