sexta-feira, 28 de março de 2014

Em nome do amor.

Eu quando era criança, gostava muito de assistir ao clássico do SBT, o Em nome do amor. Afinal, quem não lembra daquela abertura clássica? Todo mundo sabe cantar, vai, hehehe!


Eu matei meu lado romântico há alguns anos, mas volta e meia tem algumas coisinhas que até tocam no meu coração gelado (nossa, que discurso!). Porém, sou manteiga derretida, não tenho medo de admitir que me emociono, choro bastante e mesmo hoje em dia tenho lá umas meninas que sou interessado.

Não acredito em amor, mas nunca se sabe o dia de amanhã. Muita coisa não acreditava e meu ceticismo foi pro brejo pra muita coisa, hehe.

Mas eu gosto de ver como a abordagem das coisas mudaram um pouco nesses quase vinte anos. Esses dias estava mudando os canais e me deparei com um programa de reprises do SBT, chamado "Quem não viu vai ver", onde passou... Não! Não passou "Em nome do amor", mas passou um que achei interessante a ideia, chamado Esquadrão do amor (link).

Nesse episódio contava a história de uma donzela chamada Pamela, que gosta de um rapaz chamado Robson. Engraçado ver a mudança dela, uma menininha de dezoito anos, super tímida, criando confiança em si mesma, sabendo até como paquerar homens, nossa. Deram uma super escola pra menina!

Engraçado como é essa mudança na auto-confiança dela, o que achei mais legal. Vejo muitas mulheres, independente da idade, seja 20, 30 ou até 40, que tem uma auto-confiança da Pamela antes do tratamento de choque (se ver o programa, vai entender o que estou falando! hehe).

Tudo bem que não ficou perfeita, falta atitude, sensualidade e ainda estava um bocado insegura, mas com a confiança em si mesma melhorada, melhorou também a maneira de lidar com os homens.

Sei que muitas mulheres pensam nessa de que o homem que tem que fazer tudo, como se todos os problemas relacionados a relacionamentos recaíssem apenas sobre nós. Mas admirei bastante isso da mulher correr atrás, e hoje em dia eu pensaria, porquê não, né? E acima de tudo gostei da abordagem que ensinaram pra ela no caso de receber um possível "não" da paquerinha. Afinal, homens e mulheres estamos sujeitos a "não" como "sim". O que importa é seguir em frente, independente do resultado.

Normalmente o pessoal que pensa que o homem que tem que deixar de ser o nerd babão básico, mas ninguém pensa que existem padrões comportamentais nas mulheres que complicam na hora da paquera também (CALMA, FEMINAZIS!!), até porque, tem muita mulher desmiolada por aí que se acha, quando na verdade está fazendo tudo errado e só assustando homens ao seu redor, da mesma maneira que aquele nerd de espinhas e bafo de esgoto faz.

Afinal, nós homens podemos pedir um pouco de atitude na hora da conquista, né? Não é ser gostosa, e ser sensual não é se vestir como uma biscate. Conheci mulheres que me deixaram no chão apenas com um olhar. Sim, APENAS um olhar. Essas eu adoraria que ensinassem o macete pra algumas, porque sinceramente, tem mulher que dá nenhuma pista e quer que nós homens tenhamos bolas de cristal.

E pela reação dos homens, ser direta assim funcionou super bem! Pelo menos foi bem melhor do que quando nós homens somos diretos com elas, que resulta em: 1) virarmos apenas amiguinho; 2) elas viram as costas; 3) em casos extremos, chamarem a polícia pensando que somos maníacos apenas porque fizemos um elogio sincero.

Fica a dica, mulherada. Atitude, mano!

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog