quarta-feira, 7 de maio de 2014

Ensinando gratidão aos outros.

Esses dias tava lendo um artigo legal nas internet sobre como pessoas com gratidão vivem mais e melhor. Só vou ficar devendo o link porque realmente não salvei, hehe. Mas engraçado que isso já é algo ensinado no budismo, e fico feliz em ver como essas coisas são divulgadas para que as pessoas se auto-conheçam e achem um norte. =)

Nesse fim de semana estava conversando com uma amiga que está passando por diversos problemas na vida profissional. Tentei dar um conselho que todo mundo me dava antes: "Tenha gratidão, especialmente pelas coisas ruins". Mas ela não entendeu, e lembrei de como eu ficava muito p* da vida quando as pessoas me falavam isso e eu retrucava: "Falar é fácil, quero ver é viver minha vida", logo resolvi tentar sintetizar num bê-a-bá, ao invés de ficar apenas falando pra ela nutrir gratidão sem saber direito por onde que se começa.

Acho que quando estamos envolto de problemas é difícil ver as coisas legais e pequenas ao nosso redor. Muitas vezes eu como moleque via de dentro do carro crianças de rua e perguntava o que eu tinha de melhor que elas pra não estar naquela situação, por exemplo. Sendo bem sincero, as pessoas mais humildes são as que mais se mostravam ser felizes, pois quando você tem pouco, aquele pouco vira muito. E mesmo se você tiver muito, tenha muito apreço pelo pouco também.

Gratidão você pode exercitar em qualquer lugar. Eu gosto de exercitar nas coisas mais banais do dia-a-dia. Vamos dar um exemplo simples que funciona: digamos que você está andando na rua e pisa numa poça de água. Eu, por exemplo, detesto ficar com os sapatos molhados, mas e se a água estivesse limpa, só iria molhar um pouquinho, e depois com o sol iria secar. Mas e se fosse água suja? Eu agradeceria, pois seria um bom treinamento pra mostrar pras pessoas que esses acidentes acontecem, e que pediria desculpas às pessoas por ter sujado a calça (se fosse num trabalho, por exemplo). Sem contar que, mesmo que suje, existe a possibilidade de limpar numa pia, num banheiro por exemplo, e eu me sentiria grato por isso.

Viram? Normalmente uma pessoa que sujasse sua calça numa poça ficaria somente com muita raiva, xingaria o prefeito e tudo mais. Claro que isso é um exemplo simples e cotidiano, nutrir gratidão quando você é demitido do emprego, ou um parente próximo falece, ou quando é roubado é algo mais complexo, mas acho que se praticarmos o primeiro passo com essas coisas cotidianas, rapidinho sua mente não fica mais focada no seu ego, mas adquire uma espécie de paz mental, que elimina esses apegos (apego, no caso, aquele sentimento de raiva quando você pisa na poça e suja suas calças).

Acho que essa paz interior que te permite se distanciar dos problemas e ver eles como uma solução. Mas o caminho mais rápido e prático é com essa tal de gratidão. Então vamos praticar essa coisa, e vamos ser gratos por termos comida, por termos um teto, por termos o ar pra respirar e sempre um novo dia para fazer a diferença. Assim, seja você rico ou pobre, vai viver uma vida melhor ainda. ;)

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog