sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

E se um dia for tarde demais?

Querida,

Eu sei que você é muito indecisa. Provavelmente vai ficar pensando, pensando, pensando antes de dar qualquer passo. E eu cheguei num momento que não consigo, nem mesmo seria legal, continuar insistindo tanto. Pelo menos foi isso que senti nessa última vez que te chamei pra sair, e você respondeu com um "Err... Hããã...". Porque nunca dá uma bola, nunca dá pra sair, nunca dá pra fazer nada. Será que alguma vez já se colocou no meu lugar?

Gostaria de poder desligar isso. Essa vontade de se entregar em um amor sem pensar no amanhã. Porque apenas com você eu senti isso, e quanto mais o tempo passa, mais forte fica esse sentimento. Mais eu acabo admirando você, mesmo que por um lado temos lá nossas brigas, o que é normal. Ainda combinamos na essência, sorrimos juntos, e nosso olhar se encontra, e nesse encontro, repousa, pois sabe que é um local seguro no meio de todo esse caos.

Sinto falta do seu sorriso. De olhar pra baixo e ver você lá (afinal, você é baixinha!). Gostaria que você quebrasse essa barreira física mais vezes, pois ás vezes sobe uma muralha intransponível. Mesmo eu tendo quase dois metros.

Eu nunca disse o quanto eu sofro. Ás vezes gostaria que esse sentimento fosse algo vazio em essência, que eu pudesse te esquecer, mas volta e meia me pego pensando em você. E quando não consigo encontrar seu olhar, eu desenho seu sorriso. Quando não consigo sentir seu perfume fecho os olhos e tento imaginar seu aroma. Quando não consigo encontrar seu abraço, ao deitar no travesseiro imagino que coloque minha cabeça no seu colo.



E acima de tudo fico pensando como seria se não fosse com você. Será que se você ficasse com outra pessoa daqui a anos você pensaria: "E se fosse com o Alain?". O que você pensaria no futuro quando você estivesse triste e você olhasse pra trás vendo que disse "não" e poderia naquele momento estar feliz comigo?

Incerteza sempre vai existir. Eu não sei o que o futuro nos reserva, tudo na vida é uma grande incógnita, nem mesmo sei se você pelo menos me cogita. E quanto mais o tempo vai passando eu me pergunto: e se um dia for tarde demais? Quando fui hospitalizado há dois anos foi isso que mais me passou pela minha cabeça: do nada a vida pode nos reservar uma surpresa que pode eventualmente nos custar a vida. Pra que adiar algo? Ou porque esperar algo que nunca virá se na sua frente tem algo sendo oferecido? Será que não é melhor um pássaro na mão do que dois voando?

Você quer insistir em paixões que nunca renderão nada. Continua batendo de cara na parede, e isso me entristece muito, pois sei que esses caras jamais terão um sentimento por você como eu tenho.

Porque a escolha é apenas sua. O ano passado mostrou isso. Aquelas vezes que você viajou foi quando o conflito foi colocado na sua frente. Foi quando você teve a chance de dizer "sim, quero arriscar, quero tentar" e tudo o que você fez foi... Fugir. Sem nem ao menos dar uma chance pra mim. Sem nem ao menos dar uma chance pra si mesma.

Talvez se você tivesse dado uma chance, você teria conseguido. Pois você não teria apenas um namorado, mas uma pessoa pra te apoiar nessa coisa louca chamada vida!

Eu não sou perfeito. E mesmo sabendo que você também não é, cada aspecto seu eu tento me adaptar, e eu ouviria muito você caso você dissesse "Não gosto de você agindo assim", e eu mudaria. Eu sei que tenho meu jeito, e quando incomoda pessoas eu faço um esforço pra mudar isso em mim. A vida faz parte, não tem essa de "esse é o meu jeito, você que se acostume". A gente tem que ser maleável em prol das outras pessoas e eu faria isso por você.

Meu único pesar é pensar se um dia pode ser tarde demais.

Eu já te amo secretamente há quase cinco anos... Gostaria que os Budas eliminassem esse sentimento. Mas se ele ainda sobrevive tem um motivo. Talvez seja algo muito maior do que qualquer coisa que pensamos.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog