quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Ode à Índia.


De agora em diante você jamais estará sozinho.

Essas foram as últimas palavras do nosso primeiro encontro. É verdade que nunca nos encontraríamos pessoalmente - existe um imenso salto temporal de séculos, milênios que nos separam. E que talvez será difícil saber seu nome real também. Mas continuarei a chamá-la de Índia.

Me disseram que com o tempo eu deixaria de ver você. E pra muitas pessoas eu sequer conto quem é você. Mas talvez apenas nós dois sabemos o quão importante nós somos um pro outro. E o quanto nossa ligação espiritual irá ajudar a continuar o trabalho que você começou - e que você também recebeu de alguém que veio antes de você.

Talvez o objetivo da vida não seja saber de onde viemos. Embora estamos aqui hoje, existiram incontáveis gerações antes da gente. E não tenho dúvidas que elas olham nosso desenvolvimento espiritual com muito afinco. Eles estão lá. Provavelmente esperando o momento em que nós vamos dizer sim, e nos jogar de cabeça no desconhecido. Porque o que importa não é onde começou, mas que continuamos e somos herdeiros de uma corrente que foi mantida por incontáveis kalpas de tempo.

Índia! Ás vezes fico imaginando o quanto de tempo você aguardou. Sinto sua presença pura, e vejo o quanto você se esforça, mesmo que eu seja muito preguiçoso e nem sempre as coisas dão tão certo quanto vocês esperavam. Nossa vida é muito curta nessa terra. Mas ao mesmo tempo é um dom de preço incalculável, pois é apenas nessa esfera que podemos ao menos fazer a diferença pra alguém. Dar as mãos para essa pessoa, e caminhar junto com eles.

Nunca imaginei que você tivesse existido. Nossa relação, essa de sangue mesmo, é o meu maior presente, do qual eu sou imensamente grato. Lembro-me bem quando você estava atrás de mim naquela primeira elevação. Sua voz forte dizia: "Fique calmo. Eu estou com você, logo aqui atrás de você", e eu sentia tanta força me empurrando pra frente, sabe? Como se eu tivesse montado num cavalo e você fosse logo atrás de mim, montada também, me orientando como domar o animal.

E nessa última elevação, então? Sei que todos meus antepassados queriam vir. Mas seu rosto amável, junto do dragão, dizendo "Acalmem-se vocês todos! Fiquem aí torcendo. Ele só precisa de mim e do dragão agora. Vai dar tudo certo", não via mais você atrás de mim, e sim do meu lado. Pois embora eu tivesse dezenas de ancestrais que serviram de escada até você, que sou eternamente grato, você é a minha Índia, a pessoa que mais amo sem nem ao menos conhecer!

Ainda tem um longo caminho pela frente. E teve um tempo em que nós dois éramos sozinhos, aguardando. Mas a partir de hoje até a eternidade, quero levar esse desejo seu além, afinal nos encontramos finalmente, e não quero perder um só minuto pelo resto de nossas vidas.

Nunca pense que seu esforço é em vão, pois para essas pessoas, sua dedicação foi algo incalculável.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog