terça-feira, 7 de abril de 2015

007 - Permissão para matar (1989)


Vamos lá! Mais um! Dessa vez é o segundo (e último) filme de um ator que foi muito promissor como Bond, mas só fez esse filme e 007 - Marcado para a Morte, Timothy Dalton. Filme de 1989, o ano que provavelmente enterraria Bond de uma vez, afinal foi o ano onde a Guerra Fria terminou. O mundo não precisaria mais de James Bond, afinal, ele foi um símbolo das tensões entre o bloco capitalista e socialista.


O filme é o mais pesado, sombrio e violento da série, de longe. O climão do filme já é evidente na Gunbarrel (acima), com essa música única, tensa. É o primeiro filme que não foi baseado num livro do Ian Fleming (o criador do 007), e envolve uma trama sombria de vingança, violência e drogas. É um dos meus filmes favoritos!

O filme conta com a volta do ator David Hedison como o talvez único amigo de James Bond, o agente da CIA Felix Leiter (primeiro à esquerda):


Ele foi o primeiro ator a fazer o Felix Leiter em mais de um filme. Sua primeira aparição foi em Com 007 Viva e deixe morrer (1973) e volta no papel dezesseis anos depois, em 1989, nesse filme. Como eu disse antes, o filme rola em torno de uma vingança pessoal de James Bond, pois o vilão, Franz Sanchez, um narcotraficante mexicano que Leiter estava no encalço há anos, mata a esposa de Leiter (que aliás, o casamento rola no começo do filme) e deixa o agente da CIA aleijado, oferecendo seu corpo pra tubarões (a cena é muito chocante dele sendo comido por tubarões).

O filme tem muito sangue, algo não muito explorado na franquia até então:


É até bonitinha a cena onde a Della, a esposa do Felix, oferece um pedaço da lingerie (aquela cinta que colocam na coxa feita de renda) dela usada no casamento pro James, dizendo que a tradição diz que pra quem a recém casada oferece é a próxima pessoa a se casar. James não aceita, e depois da Della ficar sem graça Felix Leiter explica: "Ele foi casado uma vez, mas foi há muito tempo atrás".

James Bond resolve vingar o que fizeram com seu amigo Leiter e a morte da esposa dele, e inclusive chega a se demitir do serviço, mesmo depois que M o impede de buscar uma vingança pessoal. 007 com sangue nos zóio!


É interessante a fala do M na cena acima, onde ele retira a permissão para matar de James Bond e manda ele devolver a Walter PPK, e James responde: "A farewell to arms", um adeus ás armas, antes de dar no pé para buscar a cabeça de Sanchez que fez isso ao amigo dele. Uma cena icônica da revolta de James Bond que ficou na história dos filmes!


Para achar Sanchez, James se une a linda Pam Bouvier, ex-militar, que agora faz uns bicos levando as dorgas do Sanchez de país em país com seus aviões. Bond a encontra num bar, onde acaba tendo uma cena de pancadaria, depois os dois se juntam para ir ao encalço de Sanchez!

Ela já era gatinha assim, mas ela ainda consegue ficar ainda mais gatinha, quando Bond dá uma grana pra ela se produzir e volta com o cabelo baixinho, super mega hiper sexy, deixando-a deslumbrante:


Não é à toa que ela foi considerada uma das BondGirls mais bonitas da história. E eu só tenho a concordar, ela é simplesmente linda! Mas não vamos falar dela agora, a BondGirl sempre é no final do post, como cereja do bolo!

O Q (Desmond Llwelyn) participa muito do filme. E eu gosto muito do Q, é um dos meus personagens favoritos, e o Desmond Llwelyn é o cara!


Tem até uma referência aos Trapalhões quando Q vai encontrar com 007, quando o pobre velhinho está perto da porta e Bond abre com tudo, empurrando Q pra longe achando que era um impostor, hahaha! Nesse momento Bond já está sem licença para matar e oficialmente fora do MI6 depois da briga com M, Q veio apenas ajudar ele como amigo. E claro que o bom e velho Q dá umas bugigangas para Bond.

E pra quem ainda tem dúvida de como é preparado a Vodka Martini, bebida preferida de James Bond, a Pam Bouvier explica como é o preparo. Shaken, not stirred (batido, não mexido).


Viram a diferença? Seus maliciosos! Eu sei que o estavam pensando quando ela fez o gesto de "shaken", hahaha. Ok, eu também pensei "nisso".

Sanchez resolve fazer negócios com a máfia chinesa, e vemos uma cara conhecida! O chefe da máfia chinesa é ninguém menos que Cary-Hiroyuki Tagawa. Sim, o Shang Tsung do filme Mortal Kombat!


Hollywood é dessas trolagens, faz Memórias de uma Gueixa, uma história japonesa apenas com atores chineses. E aqui, a máfia chinesa sendo interpretada por um ator japonês. Vai entender.

Enfim, vamos falar do vilão mesmo! Franz Sanchez é um carinha do mal. Talvez um dos vilões mais sanguinários de toda a série. Ele não é da vibe de destruir o mundo com armas nucleares. Ele é um traficante de drogas internacional que além de tudo é um empresário e muito poderoso, capaz de manipular políticos e a própria polícia para que façam o que ele deseja.

Sanchez é alguém que valoriza muito a lealdade dos seus subordinados. Se alguém trai ele, ele não é capaz de apenas matar, mas de matar com muito... Estilo. Como na cena em que ele... Bom, vocês vejam com seus próprios olhos e verão quando eu digo que o filme é sombrio e violento comparado com a resto da série:


Explodir uma pessoa numa câmara de pressão. Mais bizarro que isso só o cara que foi cozido num microondas industrial no Kick Ass 2.

E Sanchez é um páreo duro! Na cena da perseguição final, James Bond todo fubecado porque tomou muita surra do Sanchez, e inclusive se jogou com ele numa ribanceira junto dum caminhão de combustível em movimento, foi ferido como nunca antes um James Bond foi ferido antes num filme:


(pela cara foi muita porrada que tomou. E foi muita mesmo)

E como o combustível vazou e ensopou Sanchez de gasolina, James Bond usa apenas um isqueiro para queimar o vilão - um isqueiro, aliás, que foi presente de Felix logo no começo do filme, antes da esposa do seu amigo ser assassinada.


E lá se vai mais um vilão.

Vamos falar agora dos colírios dos nossos olhos no filme! Sim, pois o filme embora tenha uma BondGirl principal, a Pam Bouvier (interpretada por Carey Lowell), tem uma outra linda BondGirl que disputa a tapa James Bond com a primeira, a Lupe Lamora (interpretada por Talisa Soto) com muito sangue latino, pele bronzeada, belos olhos de jabuticaba e aquele corpinho que só nós que moramos nesse continente sabemos que as mulheres daqui tem! ;)


Começando pela Lupe, nossa gatinha com sangue latino! Não sei dizer o que eu mais gosto nela. Eu acho que foi a primeira BondGirl latina, coisa que só se foi repetir lá na frente, em Quantum of Solace. Ela é fora de série, e embora seja nota 10 em beleza, ficou ofuscada pela Pam, que é nota 11, é fora de noção.

É muito sexy o sotaque dela em inglês falando como se fosse latina! ;) Mas a atuação dela foi fraquinha... Eu esperava mais. Talvez fosse comparativo com a outra, enfim, os holofotes não ficaram muito nela, mesmo ela sendo de tirar o fôlego também. Muito gatinha!


Sim, ela é levemente vesga.

Ai, ai, Pam Bouvier! Ela acima de tudo é uma ótima atriz. Uma atuação realmente ótima, soube muito bem entrar na personagem e dar muito carisma. Acho que o mais legal em filmes são atuações legais como essas, onde dá pra ver a pessoa realmente deu a alma pelo personagem, pois sabe como ninguém ser impecável em cenas, sejam de tristeza, alegria, de lutas ou do que for. A gente que assiste se envolve junto!

E além de tudo, é LINDA, com todas as letras! Sai totalmente do padrão de Bondgirl, com esse cabelo de joãozinho, sem deixar de ser incrivelmente sensual. Super moderna, rouba a cena em todas em que participa. Não rouba a cena apenas pelo roteiro, mas é uma BondGirl tão única e majestosa que a gente fica contando o tempo pra ver ela de novo na telona. Não é à toa que é uma das BondGirls mais aclamadas da história! O filme valeria o triplo só por ter ela.

A cena final é muito bonitinha:


Pam Bouvier: "Why don't you wait until you're asked?"
Bond: "Why don't you ask me?"
Ah, é bonitinho, vai! Ele pulou de smoking e tudo na piscina por ela. ;)
Graças a Deus ele caiu na piscina, hahaha!

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog