sábado, 9 de maio de 2015

Monges de sabre de luz (1)

Esses dias eu tava assistindo essa última trilogia de Star Wars (episódios 1-3), e como eu sou budista, foi inevitável fazer algumas comparações com a minha religião. Muita gente curte, mas nem sabe que os Jedis foram baseados muito na filosofia e crenças budistas. Até por aí criaram uma religião chamada "jedaísmo" em homenagem à série. Mas vamos considerar que foi apenas baseado na crença budista, muitas coisas não tem nada a ver também com o que o Buda pregava.

Anakin, você fez tudo errado!
Ai, ai, Anakin Escaiuólquer, me trinca de vergonha, cara. Mas tudo bem, passou e você colocou aquele penico preto na cabeça buscando seu fone de ouvido headphone e nos fez dar muitas risadas no Youtube. Mas você traiu o movimento, véio!


Talvez quem conhece um pouco de budismo possa dizer que Anakin Skywalker se tornou um Sith por causa do ódio. Em um lado pode ser bem verdade. Mas antes do ódio havia alguma coisa muito forte: apego. E especialmente esse apego gerou nele o medo de perder alguém. E isso o cegou, pois ele só achava que as coisas poderiam funcionar do jeito dele. E aí, tomado pelo medo, ele não viu saída a não ser se juntar ao lado sombrio da força.

Vou exemplificar de outra maneira: se Anakin tivesse pensado de uma forma mais budista (ou Jedi) ele teria visto de uma outra maneira as coisas. Quando eu via ele se tornando Sith eu pensava: "Ué, ele poderia continuar a vida dele numa boa! Poderia ser um pai solteiro dando duro pra criar o Luke e a Leia com todo o carinho, mesmo que tivesse que deixar o caminho Jedi". A morte é inevitável, mas existe vida mesmo depois que um ente querido morre!

E outra: quem garante que mesmo ele se casando e tendo filhos ele não poderia ainda assim continuar um Jedi? Afinal compaixão é uma palavra-chave dentro do budismo e dentro do meio Jedi. Todos nós erramos, mas pedimos desculpas sinceras e seguimos nossas vidas.

Se talvez Anakin, ao invés de fugir dos seus medos, tivesse encarado de frente, usaria a morte da Padmé no parto (que seria inevitável, ele se tornando um Sith ou não) como força pra se erguer e continuar em frente, e não como desculpa para se unir ao Darth Sidious (Palpatine) e melar todo o esquema pra sempre.



Anakin, tomado pelo medo, virou no budismo o que chamamos de Ashura, um ser dominado pela fúria.

No cristianismo permeia muito a dualidade entre bem e mal, que é uma coisa que não existe no budismo. Por isso que as pessoas que são budistas não tem medo nenhum de demônios ou "seres do inferno", pois mesmo esses são passíveis de acolhimento, de entendimento, e assim conseguirem se livrar das suas amarras. E isso inclui os "demônios" (no caso do budismo, seres dominados pela fúria e discórdia).

Budismo não tem medo de demônios. Pois o Buda, na sua imensa compaixão, acolhe até os que os outros chamam de "demônios", os entendendo, mostrando sua compaixão e perdoando seus atos maléficos. Buda foi tentado por Mara, o rei dos demônios, enquanto ele sentava na árvore bodhi para alcançar o Nirvana. Ele não "exorcizou" o demônio jogando-o de volta pro inferno, mas o derrotou no momento em que toda aquela dúvida, ira e sentimentos não o atingiam mais - nesse momento ele alcançou o nirvana, a plenitude, a iluminação.

Eu achei muito errado o que o Obi Wan fez. Chegar no cara e começar a lutar contra ele? Que coisa feia, isso não é nem um pouco budista, hehe. A violência nunca será o caminho. Jamais. Especialmente com alguém como o Anakin, que precisava ser entendido, não massacrado. Tudo bem que foi ele quem mais ou menos se matou, tomado pela raiva quando o Obi Wan tinha a vantagem do terreno, cortando as duas pernas do menino. Mas ainda assim, agir daquele jeito foge muito dos preceitos budistas.


A compaixão no budismo é exatamente mostrar isso nesses momentos! Não é punir o cara com a morte. Possivelmente o Obi Wan seria morto se ele chegasse lá disposto a falar com o Anakin? Provavelmente, sim. Mas eu creio que poderia ter tido um final diferente ainda assim.

Nesse estágio, Anakin saiu do medo de perder alguém, passou a ser dominado pela fúria, e chegou sim num estágio de icchantika, que isso sim no budismo é ruim, pois significa uma pessoa cega, que perdeu as raízes da sua fé (ou no caso, suas raízes Jedi). Anakin estava realmente cego, pois não importasse o quanto Obi Wan falasse ele nunca entenderia pois estava afundado em demasia no lado sombrio da força.

Na verdade até o período do Sutra do Nirvana no budismo quem fosse icchantika não teria salvação de forma alguma. Mas o Buda quando deu seu ensinamento final mostrou que até mesmo os icchantikas, as pessoas cegas de fé, teriam salvação.


Talvez isso necessite de um exercício de imaginação. Supondo que Obi Wan chega lá em Mustafar e vê o Anakin já bêbado de lado sombrio da força. E se ele mostrasse pro Anakin que poderia ter sim um futuro bom na frente, mesmo apesar de tudo? Poderia, por exemplo, mostrar a compaixão de um Jedi e dizer que iria ajudá-lo a viver num lugar seguro com a Padmé pra criar os pimpolhos, ou dizer que não importasse o que ele tinha feito ele o perdoava, e que ele poderia desistir daquilo tudo de coração e seguir em frente, sem problemas.

Bom, Anakin mesmo depois que virou Darth Vader mostrou que havia algo de bom dentro dele. Havia uma chance dele ouvir o pedido de Obi Wan e voltar pro lado da luz. Mas poderia ser também diferente, Anakin poderia ter sacado o sabre de luz e cortado a cabeça do mestre dele. E aí? Legítima defesa do Obi Wan ainda seria um argumento?

Quem pratica o budismo com afinco vai eliminando seus medos um a um. Chegando em um estágio que nem mesmo a morte é capaz de nós fazer temer, afinal ela faz parte da vida.

Uma vez um dos discípulos do Buda veio se despedir do seu mestre e disse que iria para um vilarejo longínquo, cuja fama era de que as pessoas naquela área não gostavam de budismo, e seguramente ele iria morrer se fosse para lá. Ainda assim o Buda perguntou pra ele: "Mesmo que você vá, saiba que as pessoas podem inclusive te matar. Ainda assim não medo de ir?"

E o discípulo do Honrado pelo mundo disse:

"Se eu morrer, não tem problemas. Todas as pessoas morrerão um dia, e eu sei que se eles tirarem minha vida antes estarão fazendo um favor pra mim, adiando minha ida ao mundo espiritual. Mas até lá, irei de coração me dedicar no tempo que tiver em ajudá-los a alcançar a iluminação e levar vidas melhores".

Talvez Obi Wan poderia ter esse tipo de pensamento e ir encarar o Anakin sem medo nenhum. E se ele fosse morto, ele sabia que de alguma forma ou de outra as palavras de compaixão haviam entrado no Anakin, e que mesmo que ele continuasse um Sith algum dia ele seria acolhido na imensa compaixão dos Budas e enfim pedido perdão por tudo o que tinha feito - afinal, maldade não se cura com mais violência.

E nossos atos bondosos e sinceros com as pessoas sempre plantam sementes nos que nós queremos o bem. E inevitavelmente em algum momento o mérito brilhará e a pessoa se redimirá.

Se levariam anos e provavelmente nem Luke, nem Leia, nem ninguém se levantaria contra o Império? Possivelmente. Mas existia alguma fagulha de bondade em Anakin, ninguém é inteiramente mal, isso não existe. Talvez no final da vida Darth Vader iria se lembrar daquelas palavras de Obi Wan em Mustafar e pediria perdão pelo que havia feito, cedo ou tarde. E nesse momento, sem dúvida, ele teria sua redenção.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog