quinta-feira, 25 de junho de 2015

Thriller (1982)



Difícil explicar a importância de Thriller. Thriller é até hoje o álbum que mais vendeu no mundo, com 42 milhões de cópias vendidas, mantendo o recorde insuperável até hoje. O segundo álbum mais vendido é o The Dark Side of the Moon, do Pink Floyd, com 22 milhões de cópias, um degrau imenso até a lenda que foi Thriller. Ter Thriller era como ter uma bíblia sagrada, um item obrigatório nas casas das pessoas na década de oitenta. Se pudéssemos nos transportar para 1983 e ver uma aldeia qualquer de qualquer país do mundo, pode ter certeza que tinha no mínimo um produto relacionado ao Michael Jackson. E todo ano, esse álbum continua vendendo 130 mil cópias, cara. É um sucesso que não acaba.

Embora seja o número um de vendas, na lista da Rolling Stone de melhores álbuns Thriller está em vigésimo. Claro que o número um é Sgt Pepper's dos Beatles... Enfim. Thriller mudou o mundo. Mudou o mundo dos clipes, com Thriller ganhando o prêmio de melhor clipe musical, mudou o mundo do marketing, e claro, mudou a MTV.

Michael Jackson foi o primeiro cantor negro a aparecer na MTV. E isso foi revolucionário pra época. E o clipe na época foi... Billie Jean! E como se isso não bastasse, Thriller ainda foi um dos álbuns que mais ganharam Grammy, um total de oito prêmios. Esse recorde só seria quebrado por Santana (com álbum Supernatural) e U2 (com o álbum How to dismantle an atomic bomb) com nove prêmios.

Thriller foi um divisor de águas na questão racial americana. Até então música Pop era gênero pra brancos, e pros negros ficavam com R&B. Michael inclusive ganhou uns grammys com Off the wall, mas foi colocado na categoria R&B, e isso o deixou meio puto, e em 1982 com Thriller, ele entrou na categoria Pop e ajudou a acabar com a segregação racial nos "Estados do Apartheid Unidos". Se hoje temos Jay-Z, Akon, e outros cantores com tamanha popularidade, todos eles devem ser imensamente gratos ao Michael que possibilitou eles saírem do semi-gueto musical e ir pras massas. Isso sem contar os que tomaram o caminho inverso, como Justin Timberlake, que sua influência do Michael é inegável.

Thriller teve duas edições especiais. A primeira foi lançada em 2001, totalmente remixado, e contém faixas inéditas gravadas na época e entrevistas com Quincy Jones e Rod Temperton. Além da capa muito melhor na minha opinião:


E em comemoração aos vinte e cinco anos do lançamento de Thriller, em 2008, com o Michael ainda vivinho da silva, lançaram outra edição comemorativa:


Essa segunda versão tá com faixas remix dos caras do Black Eyed Peas e esses zé-ninguém, mimimi, e odeio remixes (assim como o Michael detestava) então não vou falar dos remixes, e sim das faixas inéditas originais. ;)

Vamos embarcar em Thriller:

1 - Wanna be startin' somethin' (Michael Jackson) :: Link para ouvir na Rádio UOL
Não acho que tem melhor maneira de começar o álbum do que com essa música! Ela é tão dançante, tudo sincronizado e redondinho! Realmente é uma música muito boa. Não tem aquela apelo mais disco de Off the wall, realmente é cem porcento pop. Nunca teve clipe, mas Michael fez uma coreografia insana com muita dança e eu lembro que sempre que eu tentava dançar quando era adolescente era exaustivo. Essa música é uma das mais energéticas e pra cima que o Michael criou! Uhuuu!

2 - Baby be mine (Rod Temperton) :: Link para ouvir na Rádio UOL
Depois de toda aquela energia, hora de baixar a bola e ouvir uma das baladinhas do Michael que eu mais amo! Já muitas paixões minhas tiveram essa música de trilha sonora, haha. Eu gosto muito do contraste dos sons graves com a voz aguda do Michael. E o refrão é bem meigo. E como sempre né, composição do Rod Temperton, a letra é uma poesia à parte. Num tempo onde Michael não tinha o R. Kelly pra ajudar ele, Temperton o fazia muito bem.

3 - The Girl is Mine (Michael Jackson) :: Link para ouvir na Rádio UOL
Outra participação do Beatle que "está morto" (McCartney) na vida do jovem Michael. Escrito por Michael, lembra muito Girlfriend do álbum anterior. É uma música muito curiosa porque conta dois amigos competindo pela garota, haha! E no final, os dois tomam toco (chupa!!). É curioso no final da música os dois discutindo "I'm a lover not a fighter", hahaha. Só curiosidade: existe a famosa música Say, say, say, que muita gente pensa que é Michael feat. McCartney, mas na verdade é McCartney feat. Michael, pois faz parte do álbum Pipes of Space, da discografia do Beatle mais babão, sem graça e chato. Porque os dois legais morreram? :-(

4 - Thriller (Rod Temperton) :: Link para ouvir na Rádio UOL
"Cause this Thrilleeeer, thriller night!!", hahaha. Thriller é uma ópera em forma de música. Começa com o ranger da porta, o som de terror na batida pop, e aí entra o Michael cantando. E no meio disso o refrão e depois volta nos versos comuns. Lá pelos 4m20s entra o rap do lendário Vincent Price, mestre do terror americano, mais uma vez o refrão (dessa vez bem mais legal!), fim do rap e a risada maléfica que... Era no final das contas a única coisa realmente tenebrosa na música.


O clipe, bem, nem tenho o que falar. Embora embaralhou a ordem divina música toda, virou uma obra de Hollywood nas telas. Thriller é FODA, e não tem o que dizer além disso. E no fundo é uma música tão simples, não é poluída, nem nada. Precisa de mais alguma coisa?

5 - Beat it (Michael Jackson) :: Link para ouvir na Rádio UOL
Eu já disse que o Michael compositor era meia-boca. Mas essa música tem uma letra muito boa. Basicamente brigas de gangues nos Estados Unidos e toda a atmosfera que o país passava (ou ainda passa, sei lá) na época. Mas a maior coisa que chama a atenção é a guitarra nervosa da música. Obra do imortal Eddie Van Halen. Alguém tem NOÇÃO disso? Chamar Eddie Van Halen pra tocar com um artista negro na década de oitenta era uma coisa inédita na racista nação do norte do nosso continente. Michael não era mais R&B, nem mesmo Pop. Estava entrando no fechado círculo do Rock americano com Beat It.


A guitarra do Van Halen foi tão única que até o Guitar Hero tem essa música. E o clipe é legal também! Não é uma obra-prima como Thriller, mas também tem seu charme. E a dancinha do final, bem única!

6 - Billie Jean (Michael Jackson) :: Link para ouvir na Rádio UOL
Pausa. Agora é a hora de Billie Jean. Perceba que esse batida do começo fica inalterada até o final da música. E eu acho essa batida simplesmente genial. Foi ideia do próprio Michael que fez um beatbox com a boca enquanto pensava na música e mostrou isso aos produtores que super souberam encaixar na música.

Billie Jean é uma música triste. Na minha opinião, essa deveria ser a faixa-título do álbum, mas tudo bem. Fala sobre uma mocinha chamada Billie Jean que aparece grávida dizendo que o filho é do eu-lírico, enquanto ele nega isso, afinal o eu-lírico havia quebrado o coração da menina e ela achou essa forma de se vingar. Tem umas cordas no meio do refrão que são únicas, e a versão clássica que fizeram reflete exatamente toda a tristeza que a música passa (é a única que eu realmente gostei). Não vou mostrar o clipe, porque eu não gosto tanto do clipe. Eu gosto da apresentação em 1983 no aniversário de 25 anos da Motown que Michael se apresentou:


Naquele momento Michael havia se tornado a pessoa mais famosa do mundo. Se os Beatles eram mais famosas que Jesus, Michael era mais famoso que os Beatles. E foi a primeira vez em que ele publicamente mostrou o Moonwalk, o "passo pra trás". Billie Jean não é uma obra de Michael. Billie Jean é uma obra pra humanidade!

7 - Human Nature (Steve Porcaro, John Bettis) :: Link para ouvir na Rádio UOL
Essa música ia participar do This is it, dessa última turnê que Michael estava ensaiando antes de falecer. Essa é uma música cuja poesia parece uma previsão do futuro, falando sobre a solidão do ser humano, sobre ser observado por "olhos elétricos" e sobre a natureza humana. É realmente uma música linda, e menosprezada no álbum. Ela tem uns teclados bem legais, e uma batida muito gostosa. Era minha faixa favorita do álbum quando eu ouvi pela primeira vez.

8 - P.Y.T. (Pretty Young Thing) (James Ingran, Quincy Jones) :: Link para ouvir na Rádio UOL
Que coisa linda, meu deus. Saca só: "Where did you come from lady, and ooh won't you take me there? Right away won't you baby? Tenderoni you've got to be! Spark my nature, sugar fly with me!". É mó legal declarar seu amor por uma dama com bom humor e como se tudo fosse uma grande viagem muito louca, hehe. Baby be mine é uma baladinha mediana entre o amor e humor, P.Y.T. é totalmente esse humor, felicidade. Já a última, The Lady in my life é super melosa. Gosto muito da festa que a música fica aos 2m20s, com os "Pretty young things, repeat after me, say: Na, na na!", hahaha! É muito legal essa música, cara!

9 - The Lady in my Life (Rod Temperton) :: Link para ouvir na Rádio UOL
Enfim, uma baladinha melosa pra fechar o álbum. Já ouvi fã dizendo que só trepava ouvindo essa música (hã?). Composição do Temperton, né mano? Você fica ouvindo a música e dá até um peso no coração, hahaha. Mas não é a fossa de "She's out of my life" do álbum anterior. É uma declaração bem franca, e a letra é linda. Gosto muito das mudanças de ritmo, dando um ar bem alegre pra música. É uma música tão bonita, e fico triste pelo Michael sempre ter deixado de lado essa obra. É realmente de tocar e acalentar o coração: "Cause she'll always be the lady in my life...". Eu tocaria no meu casamento. Fácil.

Faixa bônus - Someone in the dark (Alan Bergman, Marilyn Bergman, Rod Temperton) :: Link para ouvir na Rádio UOL
A música do ET - O Extraterrestre. Michael e Spielberg eram grandes parceiros! Dois grandes gênios. É bem legal, e no meio tem até a voz do ET. Música pra ouvir, e dar aquela viajada. Tema perfeito pra umas voltas de bicicleta na frente da lua voando. ET, telefone, minha casa!

Faixa bônus - Billie Jean (Demo) :: Link para ouvir na Rádio UOL
É legal ver esses demos pra sacar como a música muda até a versão final. As batidas de Billie Jean estão mais discretas, Michael desafina bastante e vários sons meio estranhos pra quem está acostumado com a original. Vale ouvir!

Faixa bônus - Voice-over session from Thriller :: Link para ouvir na Rádio UOL
A lendária gravação do Michael e Vincent Price do rap dele que foi colocado em Thriller. Além de ser "A Capella" ainda tem novos versos ainda inéditos na música (que esses sim são bem tensos e tenebrosos). Deu pra perceber porque tiraram da versão final da música. Tá vai, como se o resto do rap fosse "bonitinho", hehe. Carnificina total!

Faixa bônus - Carousel (Rod Temperton) :: Link para ouvir na Rádio UOL
Acho que todo mundo num momento da vida se envolve com alguma menina desmiolada como é citada na música. Uma menina de um mundo de pipoca e doces, enquanto nós somos de um mundo de desapontamentos de confusões, hahaha. É uma canção que valeria muito a pena estar no álbum original!

Faixa bônus - For all time (Michael Sherwood , Steve Porcaro) :: Link para ouvir na Rádio UOL
Uma baladinha inédita original das gravações de Thriller presente na edição de vigésimo quinto aniversário. Eu já conhecia há milênios por vazamentos que eu baixava, hehe. Mas cara, que música linda que eu não canso de ouvir. Letra impecável, vocal do Michael como sempre impagável e uma música tão bem bolada que caberia como trilha sonora de 9 entre 10 filmes dos anos oitenta. Igual a Carousel, porque deixaram de fora essa obra magnífica, meu deus?

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog