domingo, 19 de julho de 2015

The Legend of Zelda - The Wind Waker (2002)


O primeiro Zelda que eu joguei foi The Legend of Zelda - Ocarina of Time, o aclamado jogo, que ganhou todos os prêmios existentes e imagináveis. Depois joguei bastante The Legend of Zelda - Majora's Mask, que é meio que "continuação" do Ocarina. Quando comprei meu Gamecube eu estava louco pra botar as mãos no Wind Waker. Mas só joguei agora, treze anos depois.

Muitas pessoas não gostaram muito. A revolta do povo era basicamente como o Link estava:


Mas sabe, isso no fundo não é nada mal.

Eu tinha muito medo de Majora's Mask, por mais que o Link fosse criança no jogo. O jogo é BIZARRO, e muito SOMBRIO. Em Wind Waker, o Link é uma criança também, mas o jogo tem uma pureza incrível, e não dá medo como o outro dava! O que a gente sente mesmo é o sentimento de estar em uma aventura mesmo, não num filme de suspense com três dias pra Lua cair na Terra e correr pra terminar o jogo.

No jogo você controla o Link, que vive numa ilha no meio do grande oceano e tem sua irmã, Arryl sequestrada por um pássaro gigante. Link, como um bom pé-rapado, decide pegar carona com piratas, liderados por uma linda piratinha loira chamada Tetra (na direita):



E claro, isso nem é spoiler (afinal o jogo é velho) mas a Tetra depois descobre que ela é a reencarnação da Zelda (acima, à esquerda), assim como o Link, que é reencarnação do herói de Hyurle (só que ao invés dele ser o "The Hero of Time", aqui ele é "The Hero of Winds"). E nem vem que a Tetra ser a Zelda é mais manjado que o Sheik ser a Zelda em Ocarina. Spoiler tem validade, todo mundo sabe que o Darth Vader é pai do Luke, cacete. =P

E o jogo é um Zelda clássico, com suas mini-estorinhas, minigames, puzzles, muita aventura, gadgets, enfim. Zelda nunca perde essa essência de sucesso!

Uma coisa chata é justamente a coisa que está no coração do jogo: viajar de barco pelo imenso oceano. Ás vezes é muito chato e entediante. Ainda bem que no remake do jogo pro Wii U, o The Legend of Zelda - Wind Waker HD arrumaram e colocaram um item chamado "Swift Sail", que muda até mesmo a direção dos ventos. Além do jogo ter ficado muito bonito.

Essa é a abertura pro WiiU, versão HD. Fala se não é a coisa mais linda?


Eu adoro a música do jogo inteiro. Por mais que eu seja exigente com música em games, eu odeio a Nintendo pois sempre faz coisas impecáveis. E como sempre, tratam a série Zelda com muito carinho. Eu gosto muito pois o sistema de luta aprimoraram muito o que já existia em Ocarina of Time, seu predecessor e todas as inovações foram usadas na sequência do Wind Waker, o Twilight Princess.

Continua tendo os itens clássicos da série, bumerangue, arco-e-flecha, espada, escudo, hookshot, e mais aqueles itens que não se usa muito. Fico abismado como eles mantém as coisas boas e adicionam coisas melhores ainda.

Gosto muito das cutscenes também. Minha favorita é a batalha final contra o Ganondorf:


Os jogos de Zelda são essa poesia muda. Link chega no castelo do vilão no fundo do mar, e Ganondorf, que havia sequestrado a Zelda está com ela, adormecida numa cama com véu e tudo, quando chega o Link só na base da coragem mesmo (porque coitado, ele é o único que tem poder nenhum, kkkkk) salvar sua princesa.

Mas desses jogos pra cá, a Zelda é quem salva o Link mesmo, porque o coitado só tem coragem mesmo. Força e umas magias loucas pra descer o cacete no Ganondorf que é bom ele não tem. Aí a Zelda quebra o galho matando o vilão e o Link fica com aquela cara de pasmo: "Se você podia matar ele, porque não matou, fia da puta?". Faz parte da poesia muda da série Zelda, haha.

E depois nos 12m15s desse vídeo o segundo filminho com o Link todo esfolado indo lutar contra o Ganondorf. Só achei meio exagerado matar ele empalando a espada da testa do Gerudo macho.

Mas nota dez pra Nintendo reviver e remasterizar os clássicos. A geração atual tem que saber o que foi Ocarina of Time, Majora's Mask e também Wind Waker! Sem dúvida são games que serviram de base para todos os que são feitos hoje em dia. Games que fizeram história. ;)

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog