sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Invincible (2001)


Consigo lembrar até hoje de ver na tevê a propaganda desse álbum. Foi o álbum em que eu conheci o Michael. Tá, eu tinha visto Black or White quando era criança e tudo mais, mas foi em 2001 que eu comprei o meu primeiro álbum dele. Ironicamente, o último da carreira dele.

Invincible mostra uma coisa que adoro em Michael: sua capacidade de fazer seu som acompanhar as tendências. E por ter o ouvido e a habilidade que ele tem (e claro, muita ajuda dos produtores também), Michael prova que sempre conseguiu fazer o melhor do Pop não importa a época em que estivesse. Invincible vendeu 13 milhões de cópias, fazendo um dos álbuns mais bem sucedidos dos anos 2000. Os temas continuam parecidos, romance, isolamento, críticas sociais e ecologia. Mas o ritmo, quanta diferença!

Temos na produção, além do próprio Michael, temos Rodney Jerkins (que produziu desde Whitney Houston até Lady GaGa), R. Kelly (que era um ilustre desconhecido até escrever "You are not alone" pro Michael), e a volta da lenda, Teddy Riley (o mesmo de Dangerous), Dr Freeze e Babyface, entre outros.

Invincible é um álbum musicalmente muito bom. É de qualidade incrível e impecável. Foi muito caro de se produzir também. Além de original. Esse álbum marca também uma outra polêmica muito forte, que é Michael sendo usado por Tommy Mottola, então presidente da Sony, que não promoveu direito o álbum, e foi acusado de racista pelo próprio Michael. Naquele tempo os dois maiores artistas da Sony eram o Michael e a Celine Dion, pelo menos em números de vendas. E Michael nunca deixou de esconder como Mottola era uma espécie de "Tom Sheldom", o promotor de Santa Barbara que queria por cima de tudo prender Michael na época das acusações de pedofilia, para com ele. Mottola apenas queria usar o Michael para ganhar dinheiro, e isso sem dúvida foi um dos fatores para o longo hiato que Michael teve depois de Invincible - culminando na sua morte, em 2009, prestes a começar a turnê "This is it".

Invincible é talvez o álbum com maior número de músicas cujo temática era amor e romance. Eu não gosto muito, gosto do Michael mais revoltado, como em HIStory. Mas nem por isso é um álbum ruim. Tem uma qualidade musical incrível. Um trabalho épico e pouco conhecido das pessoas.

Rádio UOL mudou e agora tá tudo chato. Links estão offline. :(

1 - Unbreakable (Michael Jackson, Rodney Jerkins, Fred Jerkins III, LaShawn Daniels, Nora Payne, Robert Smith, Christopher Wallace)
Normalmente a primeira faixa dos álbuns do Michael são de chutar o pau da barraca. Essa é minha faixa número 1 favorita. Todos esses sons pop eletrônico, gosto muito dos graves e das leves batidas agudas no fundo. Uma coisa bacana é que a música tem uma ponte sensacional, enfim, é muito bom, muito variada, um pouco de tudo. A letra parece um desabafo, Michael dizendo que tentaram "quebrá-lo", mas ele é inquebrável. Além de tudo é daquelas pra nos botar pra cima!

2 - Heartbreaker (Michael Jackson, Rodney Jerkins, Fred Jerkins III, LaShawn Daniels, Mischke Butler, Norman Gregg)
Uma música romântica dançante. Bem dançante! Bem de balada mesmo, hehe. Refrão chiclete na cabeça. Eu acho bem legal! Tem muitas batidas, até aqueles sons de remixagem, etc, é uma música que não parece feita há 14 anos. Parece que foi feita ontem, de tão a frente do tempo.

3 - Invincible (Michael Jackson, Rodney Jerkins, Fred Jerkins III, LaShawn Daniels, Norman Gregg)
A música título é uma mistura da primeira com a segunda. Por isso eu sempre quando ouço o álbum, por elas serem similares (canções com batida bem singular, bem eletrônica) eu chamo Unbreakable, Heartbreaker e Invincible como "trio do começo", hehe. É legal, mas acho mais fraquinha das três. As três músicas são ótimas, mas por ficarem pertinho uma das outras ficou meio cansativo.

4 - Break of dawn (Dr. Freeze, Michael Jackson)
Mais uma música super romântica! Michael tocou todos os intrumentos dessa canção! Sensacional. É uma música tipo aquela "Borbulhas de amor" do Raimundo Fagner. Tem metelança de rola na música inteira: "I don't want the sun to shine I wanna make love, just this magic in your eyes and in my heart. I don't know what I'm gonna do I can't stop lovin' you, I won't stop 'til break of dawn makin' love". Sinto muito cara, mas uma ereção não dura tanto assim, caro amigo.

5 - Heaven can wait (Michael Jackson, Teddy Riley, Andreao Heard, Nate Smith, Teron Beal, Eritza Laues, Kenny Quiller)
Eu adoro essa música! Já começa com o refrão. Outra música mega romântica. O refrão é super melódico, em contraste com o restante da canção que é praticamente uma poesia declamada. Bem interessante. Gosto bastante da bastante Hip-hop encaixada com sons românticos. É realmente um achado. Uma das melhores do álbum, e uma das melhores da carreira do Michael!

6 - You rock my world (Michael Jackson, Rodney Jerkins, Fred Jerkins III, Nora Payne)
A música começa com Michael e Chris Tucker dizendo que viram uma gatinha passando no buteco, e o Chris desafia o Michael a pegar ela. E aí a música começa! Poxa, essa é a melhor do álbum, e eu adoro de paixão! Uma letra romântica bem leve, bonitinha! Parece que tá mesmo jogando um charme na menina. As mudanças de ritmo são muito boas também.


E como dá pra ver acima, rendeu um excelente clipe, com estorinha e tudo! Tem até o Marlon Brando, velho! Tem referências de "Smooth Criminal" e "The way you make me feel" total. Acho engraçado Michael correr atrás das gatinhas dançando. Se fossa na vida real, com certeza fugiriam de qualquer louco dançando por aí, haha.

7 - Butterflies (Andre Harris, Marsha Ambrosius)
Depois do ritmo todo empolgante da anterior, hora de baixar a poeira. Butterflies é uma música com uma poesia incrível, que descreve todos os estágios dessa coisa linda que é o amor! O título "brabuletas" vem do que sentimos em nossos estômagos quando estamos junto da pessoa que amamos. Parece uma batida meio retrô, sons bacanas no fundo, e o refrão bem lírico. Super bonita!

8 - Speechless (Michael Jackson)
Se Whitney Houston tinha "I'll always love you", Michael tinha "Speechless". Ele disse que escreveu essa canção de uma inspiração na hora que deu enquanto ele brincava nos jardins de Neverland com crianças! Disse que parou tudo, subiu e foi escrever. Quando eu ouvi eu não pude negar a clara similaridade com a canção do "O Guarda-costas": começa sozinho a capella, aos poucos vai criando o ritmo, depois... BUM! Música fica toda com a batida e segue assim até o final. Eu arrisco dizer uma música romântica tão linda do Michael que eu diria que ela é melhor até que o maior clássico romântico dele: You are not alone. Prefiro por muito pouco Speechless. É minha música romântica favorita do Michael!

Sente só a poesia: "Helpless and hopeless, that's how I feel inside, nothing's real, but all is possible if God is on my side. When I'm with you I am in the light where I cannot be found". Já me declarei pra uma pessoa usando essa poesia, haha. Não funcionou, mas fala se tem algo mais lindo?

9 - 2000 Watts (Michael Jackson, Teddy Riley, Tyrese Gibson, J. Henson)
Essa música me lembra muito Matrix, o filme, hehe. Muitos fãs reclamaram dizendo que não era a voz do Michael, mas era sim, apenas foi puxada pro grave pelo computador. Acho que fala muito da tecnologia, mesmo tendo coisas que hoje em dia são meio antigas, como DVD, D-Lo e tal. Muitos comparavam com "They don't care about us". Pra mim, pareceu sempre um desabafo contra o excesso de tecnologia. Como diz a canção, cuidado pra não dar "overload"!

10 - You are my life (Michael Jackson, Babyface, Carole Bayer Sager, John McClain)
Muita gente detesta essa música, haha. Eu acho até legalzinha. Mas de facto, não é das minhas favoritas. A poesia é legal. Bem romântica (sim, outra!), o que me leva a crer que Michael estava muito carente, hehe. Graças ao Babyface e à Carola Bayer Sager a música ficou bem melosa. Mas sei lá, o fundo de violão meio acústico ficou legal, mas só isso. Música parece meio down, sei lá. De fato poderia ter saído melhorzinha. Esse refrão é de doer também, hehe.

11 - Privacy (Michael Jackson, Rodney Jerkins, Fred Jerkins III, LaShawn Daniels, Bernard Belle)
E temos guitarra do Slash! Tava sentindo das revoltas do Michael, hehe. E nessa canção o desabafo dessa vez é privacidade. Coisa que Michael nunca deve, desde criança, com todo o assédio da mídia. Dá pra perceber toda a raiva no jeito de cantar do Michael. Além do fundo bem grave da música, tem vários sons de cliques fotográficos. O refrão é bem forte, chega a assustar até. Uma música super forte. E tem o Slash. Já falei?

12 - Don't walk away (Michael Jackson, Teddy Riley, Richard Carlton Stites, Reed Vertelney)
Eu também adoro essa música! É um romântico mais melancólico, mas super bacana. Violão no fundo, coral, várias cordas e a tristeza da voz do Michael. Música de foça mesmo. Mas é tão linda, meu deus! A voz do Michael tá super expressiva, a gente sente tudo e não tem como não cantar junto. Especialmente se você tomou um fora da menina que você tava super afim. Sente só o refrão: "And how can I stop losing you? How can I begin to say" When there's nothing left to do but walk away". Lindo demais, puta-que-o-paréu.

13 - Cry (R. Kelly)
Essa teve clipe também! Poesia do R. Kelly, o carinha que o Michael lançou ao estrelato quando gravou dele "You are not alone", hehe. Mas essa canção não é romântica! É mais uma música com aquele tom de "podemos mudar o mundo" que o Michael sempre faz. Sempre presença nos álbuns do Michael, que diga-se de passagem, é um dos artistas que mais colaboraram com causas sociais que já existiram.


O clipe é chato. O Michael nem aparece. #chatiado
Mas a música é legal!

14 - The lost children (Michael Jackson)
Uma versão leve de "Little Susie"? Talvez. Porque a letra é super triste e a música tem esse ritmo todo bonitinho. Fala sobre crianças perdidas. Perdidas mesmo, abandonadas. Ok, é meio tristinha, mas o ritmo é super pra cima, na minha opinião. Também não é das minhas favoritas desse álbum, mas dá pra ouvir.

15 - Whatever Happens (Michael Jackson, Teddy Riley, Gil Cang, J. Quay, Geoffrey Williams)
Violão de ninguém menos que Carlos Santana. Uma música com tom latino, cara. Michael nunca fez algo parecido. Menos ainda com o Carlos Santana, que é um ícone! É a música do Invincible que não tem nada a ver com o resto do álbum, mas nem por isso é ruim. Pelo contrário. Se destaca! Eu gosto muito, muito, muito. Parece "Give in to me" com um toque latino. Imperdível.

16 - Threatened (Michael Jackson, Rodney Jerkins, Fred Jerkins III, LaShawn Daniels)
Outra canção de revolta. Tava sentindo falta! Muitos associam com - obviamente - Thriller, mas observando a letra vai muito além. Mostra um eu-lírico sendo tratado pelas pessoas ao seu redor como uma verdadeira aberração mesmo, um bicho, ou qualquer coisa ruim que queira inserir aqui. Bem como o coitado do Michael era tratado por ele ter aquele jeitão - um monstro mesmo. Antes de Lady GaGa se chamar de "monstro", Michael já fazia isso há anos antes. Realmente algo muito bom. E a música é muito boa, diga-se de passagem.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog