quarta-feira, 2 de setembro de 2015

The Legend of Zelda - Skyward Sword (2011)



Terminei dias atrás do The Legend of Zelda - Skyward Sword para o Wii.

Sensacional! Pessoal reclamava muito que a série Zelda não tinha uma cronologia, e cada jogo era isolado um do outro em épocas e reencarnações diferentes (exceto os que são sequências óbvias, como Ocarina of Time/Majora's Mask), e Skyward Sword foi criado pra mostrar o começo do mundo. Antes mesmo de Hyurle, o país fictício de toda a série sequer existir. Nem mesmo a Zelda é princesa ainda!


Aliás, falando em Zelda (acima), eu nunca a vi tão participativa num jogo como nesse. Ela realmente rouba a cena. Nos jogos mais antigos a Zelda era tipo a Princesa Peach do Mario, você nem tinha noção de quem era, até derrotar o Bowser e descobrir que aqueles belos sprites cor de rosa eram a tal princesa.

A série Zelda não era muito diferente não, mas de Ocarina of Time pra cá a Zelda está muito mais participativa, o que é excelente. Sonho ainda é um jogo onde ela seja contolável, como em Hyurle Warriors.

Em Skyward Sword a Zelda é uma mera moça latino-americana sem dinheiro no banco, sem amigos importantes. Uma estudante de Skyloft, e apaixonadinha por um loirinho baixinho e narigudo, o Link, o protagonista e o carinha que você controla. E claro que esse amor é correspondido! Mas a menina parece despertar uma força que pode salvar o mundo, e decide ir sozinha arrumar as coisas na superfície do mundo. E o Link, é claro, vai atrás da menina!


Essa cena acima é uma que das muitas que eu chooooorei largado! É tão bonitinho! A Zelda nem esperava que seu amado iria fazer essa loucura de seguir ela no temível mundo da superfície (eles moravam numa ilha no meio das nuvens!), e mesmo que esse escudo de madeira seja super brochante, Link tem coragem mesmo, porque força e dinheiro coitado, ele nunca tem, haha.

Mas é lindo esse amor puro dos dois! Mas melhor falar do resto do jogo, senão vou ficar só falando da Zelda, hehe.

O vilão do jogo é esse tiozinho de franja branca no vídeo acima, o Ghirahim. O quê? Cadê o Ganondorf, vilão clássico? Calma que vamos chegar lá. Mas o Ghirahim é muito legal, mesmo que ele seja meio psycho ("meio?"). Em seu currículo ele deve escrever que sua ocupação é ser o "Lorde dos demônios" que no jogo inteiro está atrás da Zelda para usar a força dela pra despertar o seu mestre. O temido Demise:


Ele é a origem de todo o mal. E ele mesmo diz que ele vai renascer inúmeras vezes, mas em todas as vezes que ele renascer nesse mundo, Zelda e Link estarão lá pra acabar com a raça dele. Em todas as eras! Basicamente ele é um embrião do que virá a ser Ganon/Ganondorf/Agahnim.

Link continua aquele atleta de sempre! Corre, pula e sapateia. Ao mesmo tempo.

O controle do jogo é o WiiMote mais o Nunchuck, e com os movimentos do WiiMote é como se fosse uma espada mesmo. E é obrigatório o uso do Wii Motion Plus, mas eu fortemente recomendo que você use o que já vem embutido do controle (as versões mais atuais) do que plugar no soquete do controle, porque sempre descalibra, e sempre nas priores horas.

O visual do Link ficou bem parecido com o do Twilight Princess! Mas menos dark:



O jogo em si é muito bom! Zelda é Zelda, a Nintendo sempre trata com super carinho. É muito bom sair pelo mundo colecionando upgrades, garrafas e indo em dungeons. Mas entenda que as dungeons nesse jogo são pelo menos uma três vezes maiores que nos outros jogos! São tão grandes que você tem savepoints no meio das dungeons, só pra ter uma noção! Se for jogar, reserve um tempo. Não é uma dungeon como antigamente que você termina em uma hora no máximo. Essas aqui realmente levam tempo.

Temos itens clássicos de volta, como arco-e-flecha, escudo (o Hylian Shield é o mais difícil de pegar, pasmem!), mas outros itens legais que aproveitam as características do WiiMote, como o Chicote e até uma rede pra pegar insetos. E temos Clawshot também, a versão evoluída do clássico Hookshot, presente desde que o Link veste verde.

Em suma é um jogo ótimo! Eu demorei muito pra jogar, mas quando resolvi sentar e continuar não me arrependi. Jogo com carisma, personagens memoráveis, uma história demais e a Fi, o espírito que reside na Master Sword e guia você como o Navi no Ocarina of Time. E o final, como sempre, é de chorar.

Mas minha cena favorita não é o final. É essa:


"Stand now, Link.
Draw your sword".

Como faz pra não amar? :)

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog