quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Star Wars - O Despertar da Força (2015)


Antes de qualquer coisa: eu gostei do filme.

Como disse um professor meu de cinema da faculdade, deve ter sido muito louco pro JJ Abrams, um cara que provavelmente viu os filmes da trilogia do Luke no cinema, ter sido escolhido pra fazer um capítulo novo da saga. É um sonho de qualquer fã. Tipo me colocar pra ser um novo James Bond, saca?

Engraçado que o pessoal talvez por ter gostado tanto do filme, guardaram os spoilers. E olha que eu não fechei meus olhos pra spoilers. Se um spoiler viesse, eu iria ler. Mas (quase) ninguém falou nada expontaneamente. Foi algo totalmente diferente do que foi na época do filme dos Vingadores (da Marvel), por exemplo. Que rendeu spoilers, memes, e eu sabia de tudo do filme antes de assistir. Eu não ligo pra spoilers, pelo contrário, eu adoro spoilers. Spoilers me dão vontade de assistir (ou não). Mas 90% das pessoas não gostam de spoilers.

Fiquei pensando em um formato legal pra falar do que eu gostei e do que não gostei dos filmes/seriados/música/games que eu experimento. Separei em tópicos do que gostei e o que não gostei, acho que vai ficar legal e melhor pra ler do que um textão! Vamos lá:

Eu gostei mais do Finn do que do resto do pessoal
A Daisy Ridley (Rey) é legal, corre maratonas, mas muito chiliquenta com aquela de "não pega na minha mão!". O Poe Dameron só porque cumprimentou o Finn todo mundo diz que ele é gay (sim, uns tontos falaram que "Malévola" era um amor lésbico também). O Kylo Ren não sei se gostei ou se odiei. Mas desde que os trailers vem rolado sempre pensei que o Finn (John Boyega) ia ser apenas um tapa buraco. Mas não é que depois de ver o filme eu não achei o negão o mais legal de todos?


Essa molecadinha é bem talentosa atuando. Na qualidade da atuação, gostei muito do trabalho da Daisy Ridley. Mas o personagem do Finn é muito bacana porque é o cara mais perdido das galáxias. O medo dele voltar a ser um Stormtrooper, a coragem de seguir em frente mesmo sem saber onde tá pisando, as mentirinhas, a vontade de dar um sapeca-iáiá com a Rey, usar um sabre de luz, e até mesmo mostrar sua carga de testosterona lutando contra o estressadinho Kylo Ren. Finn foi muito além do esperado. E já é meu personagem favorito!

Eu não gostei de ignorarem o Expanded Universe
Quando anunciaram o novo Star Wars eu pulei de alegria. Pensei que enfim iria ver os heróis que eu tanto sonhei em ver, como os filhos do Han e da Leia: Jacen, Jaina e Anakin Solo, o Luke dando uns pegas na Mara Jade e tendo o Ben Skywalker como fruto desse roletrando, as guerras civis, morte do Chewie, etc. Isso tudo está escrito, por fãs, aprovado pelo próprio George Lucas. Mas estamos falando da Disney. A empresa que é tão rica que está acima do bem e do mal. E o meu sonho de ver Darth Caedus (abaixo) foi por água abaixo e colocaram um babaca emo como Kylo Ren no lugar.


Mas quando em meados de 2014 a Disney disse que não usaria o Expanded Universe o meu mundo caiu. Todas as histórias que eu tinha lido até então jamais seriam filme, fariam uma coisa aleatória e tudo mais. Ok, pouquíssimos fãs devem ser fãs o suficiente pra buscarem coisas como o Expanded Universe. Um conselho de fã: tem muita coisa legal. Desde games sensacionais (como The Force Unleashed) como seriados como Clone Wars. Quando verem o esquema tudo, nem que seja pela Wookiepedia da vida, vai ver que é bem legal. É um universo MESMO!

Eu gostei da nostalgia
Os filmes de Star Wars, comparando a trilogia do Anakin e a do Luke, se você analisar o filme parte a parte você vai reparar que a estrutura dos filmes são bem parecidas. Vou dar um exemplo: O primeiro filme (Episódio 4 - Uma Nova Esperança) basicamente temos uma pessoa no deserto, alguém encontra o protagonista, levam pra fora desse deserto, a morte de um mestre, um planeta é ameaçado e uma batalha de naves terminando em uma explosão. Leia essa ordem que eu dei e você vai ver que se encaixa perfeitamente na estrutura do fluxograma dos episódios 1, 4 e 7.

Faz parte do clichê, e embora muita gente detestou pois esperasse uma coisa 100% nova, eu acho que isso deixou esse episódio 7 como um irmão caçula dos seus irmãos mais velhos 1 e 4. E irmãos são parecidos, mas não são a mesma pessoa.


Não entendeu ainda? Se você reparar bem existem mortes que fazem com que os protagonistas enfim entendam suas missões e sigam em frente. Luke perde o Ben Kenobi (episódio 4), Obi-wan perde o Qui-Gon (Episódio 1) e nesse o Finn e a Rey perdem o Han Solo (episódio 7).

O que? Não sabia que o Han Solo morre? Mesmo depois do Marcelo Adnet ter feito essa obra prima?

Eu não gostei da "disneylização" dos diálogos
Isso foi o que eu mais detestei. Eu dei MUITA risada no filme. E eu adoro dar risada. Mas dar risada em Star Wars por tudo parece que algo está muito errado. Acho que poucas pessoas repararam, porque ou quem assistiu foram crianças e não percebem isso pois já estão acostumadas, ou são adultos que nunca assistiram seriados da Disney pra entender do que estou falando.

Mas se você tiver a chance, faça a experiência. Assista uns dois episódios desses seriados juvenis da Disney, como Violetta, Zack e Cody, etc. Preste atenção nos diálogos. Essa molecada que fala com doses cavalares de sarcasmo e aquele som de risada de fundo (mas quando você assiste raramente parece engraçado, pois é extremamente artificial). É o tipo de diálogo de criança "esperta e malandra" com diálogos na ponta da língua. Depois de assistir e reparar no padrão, assista Star Wars. Você vai ver que parecem falas saídas desses seriados estranhos da Disney, e ficou extremamente caricato!


Star Wars tem humor. R2D2 e C3PO sempre foram os engraçados. Jar Jar Binks também dava uma dose de humor. Mas aí você vê uma heroína fudida como a Rey, falando como a Violetta fala no seriado dela, deixando ela com uma idade mental de 13 anos, tirando toda a magia dela de a nova Jedi pica das galáxias. Ou xoxota das galáxias, no caso.

A Disney cagou Star Trek. E com esses diálogos inúteis deixou os personagens com o mesmo intelecto desses seriados toscos que passam no Disney XD. Pior só seria se fosse a Nickelodeon que comprasse a Lucasfilm.

Eu gostei das batalhas de sabre de luz
Sei que isso vai fazer muita gente pensar coisa ruim de mim: mas eu prefiro muito a trilogia do Anakin do que a do Luke. Não apenas porque foi dirigida pelo criador (e George Lucas é um diretor do caralho, que vai muito além de Star Wars), e tenho pouquíssimas críticas sobre a trilogia do Anakin. Exceto talvez as batalhas de sabre de luz. Elas eram muito legais, mas tão legais que ficaram exageradas com todo aquele balé.


As batalhas de sabre de luz da trilogia do Luke eram BORING. O Luke não ganhava uma e era especialista em tomar uma surra de todo mundo. Um Jedi de merda que nunca ganha nada. Já na do Anakin era aquele duelo sincronizado com saltos, dança e tudo mais, parece um filme do Ang Lee. Mas o que notei nessas batalhas do episódio 7 é que a palavra de ordem é força. Não "a Força", mas os golpes parecem mais precisos, fortes, e isso de todos os lados. Não parece aquela luta broxante do Obi-wan contra o Darth Vader, e nem parece aquela luta exibicionista da trilogia do Anakin. Parece uma luta de sabre luz... Realista. Ficou bem diferente.

Enfim, é isso! É um filme bom. Muita gente disse que sentiu "marvelização" da coisa, com um roteiro com muitas lacunas, mas não achei tanto assim. Achei que foi tudo bem explicadinho até. Claro que faltaram coisas a explicar, mas é claro que vão explicar isso nos próximos filmes. E mal posso esperar pra ver a Rey treinando pra se tornar uma Jedi depois que encontra o Luke no final!

Oops. Outro Spoiler! hahaha.

1 comentários:

emerson disse...

Adorei, sua critica porem não concordo com alguns trechos, nada que não seja discutido em uma mesa de bar. Vi duas vezes o despertar da força e pra mim o filme fica melhor assim como Creed que recomendo ver se não viu e se viu faça a critica também que eu vou ler.

Postar um comentário

Arquivos do blog