sábado, 5 de março de 2016

Livros 2016 [#4] - Alice

Eu comprei há um bom tempo uma versão comentada de Alice, de Lewis Carroll, contendo suas duas obras: Alice no País das Maravilhas e Alice através do espelho e o que encontrou por lá. Estava encostado em uma das minhas muitas estantes de livros até que lembrei que não tinha lido ainda.

O livro é uma obra genial. Tão genial que acho que seria muito complicado de adaptar ao cinema. Por isso, depois de ler os livros, cheguei a conclusão que todos cagaram em Alice. Desde o Valdisney, até o Tim Burton. Alice é uma estória mesmo impossível de ser transportada ao cinema por dois fatores bem simples: continuidade (ou falta de) e o nonsense. Muitas partes do livro é de se ler e ficar pensando: "Caralho, o que diabos eu li?" ou "Que papo é esse que tá rolando?". Em filme ficaria boring e sem nexo. E o legal de Alice é exatamente as coisas sem nexo!

Não vou destacar todos os pontos aqui (embora eu gostaria muito), mas acho que vale uns posts separados mais tarde.

A maior vantagem do livro são os comentários. Curiosidades, significados e até mesmo debates entre estudiosos da obra de Carroll te faz se sentir menos burro quando vê que não foi só você que não entendeu determinada parte. Tem pessoas que fazem até artigos científicos com fragmentos de textos do Carroll, isso sem contar tantos outros que não foram comentados.

Outra coisa que dá pra ver no texto original é como as versões de Alice misturam as coisas. Ou até omitem diversas outras. Ok, é normal, é assim que funciona o cinema, mas não ficaria tão ruim não no original. Um exemplo são os personagens Tweedledee e Tweedledum, que não aparecem no original do Alice no País das Maravilhas, e sim na sua sequência, Alice através do espelho.


Talvez o Valdisney gostava do personagem, sabe-se-lá deus o motivo de ter colocado eles dois.

A história é bem parecida. Alice está junto da sua irmã, reclamando dos livros não terem figuras e serem chatos, até que ela entra num torpor alucinógeno (mas não percebe) e vê um coelho de terno e correndo pra sua toca. E isso a faz cair no País das Maravilhas. Até mesmo a queda dela tem um significado todo físico, pois é uma queda muito mais longa do que retratada nos desenhos. E logo nesse começo, depois de aterrissar, tem aquela cena clássica do "beba-me" e "coma-me", do bolo e bebida que faz crescer ou diminuir.

Aí que começa a diferença. No livro o objetivo da Alice é basicamente cruzar essa porta que ela não consegue passar. Na versão famosa da Disney logo depois do mar de lágrimas ela diminui e passa pela fechadura. Talvez seja pra manter a continuidade no filme, mas no original ela é salvada por um rato, que lhe oferece um leque pra ela diminuir de tamanho e a guia para uma outra margem do mar de lágrimas, onde ela encontra diversos animais em uma ilha, até mesmo um Dodô, como nessa ilustração de Tenniel, que fez ilustrações originais pro livro (usadas até hoje!):


Depois tem a cena dela cair dentro daquela casa que ela cresce e acaba ocupando a casa inteira, e a ameaça de queimar com ela dentro. Come o bolo, cai fora da casa, e encontra um cachorro, que é motivo de bastante pesquisa, pois é um dos únicos animais em Alice que não falam com ela. Tem várias teorias interessantíssimas sobre a presença dele na história.

Alice encontra aquela lagarta maconheira com narguilé, que conta outra estória mais bizarra ainda, e depois tem uma das mais partes mais estranhas, o encontro dela com a Duquesa, uma mulher bem mal-humorada, com um bebê de colo e o gato de Cheshire. O gato aparece apenas três vezes no livro, e essa é a primeira vez. Um gato sorridente não é todo dia que se encontra:


Essa parte é a que mais me deixou encucado pois a duqueza o alimenta com sopa de pimenta, e isso sempre o faz chorar. E quando entrega pra Alice seu bebê, ele se transforma em um porco. Que acaba fugindo e Alice se vê naquele bosque com o Gato de Cheshire perguntando pra que lugar ela deseja ir.

Depois disso temos o famoso chá do Chapeleiro Maluco e a Lebre de Março. Eu lembro que quando eu era criança era ótimo ouvir aquela desculpa de "presente de desaniversário", mas o curioso é que no original nem o Chapeleiro, nem a Lebre comentam isso. É um capítulo muito divertido! E mais divertido ainda é uma outra coisa suprimida pelo Valdisney: o caxinguelê. Caxinguelê é um tipo de esquilo, e ele está presente sentado na mesa, mas está mais sonolento do que tudo! E ele sempre dorme, não consegue ficar acordado, mesmo quando Alice tenta contar uma história pra ela.

Alice volta então aquele salão do início (da portinha que ela tava grande demais pra passar) e enfim consegue passar por ela. Do outro lado da porta estava o campo de croquê da Rainha de Copas. Essa parte é muito parecida com o filme, tem as cartas pintando as flores de vermelho, e o mais curioso é que vai um pouco além: cada um dos naipes tem uma função, como guerrear, medicar, etc.


A Rainha de Copas é bem parecida. Vive dizendo que vai cortar as cabeças das pessoas. E acontece o jogo de croquê (ou críquete?), e o jogo vira uma confusão, até o Gato de Cheshire aparecer imenso pra todo mundo e todos ficarem se perguntando de quem era o gato. E chamaram a Duquesa, a dona do bichano bizarro.

Quando a Duquesa chega tem mais uma conversa nonsense com a Alice, e a Rainha resolve contar pra ela uma história sobre o grifo e a Tartaruga falsa. Outra puta duma viagem, e também outra coisa muito discutida entre os entendidos sobre Carroll. Depois de dois capítulos de muita estória eles voltam para ver o julgamento do Chapeleiro Maluco. O crime? Um que crime que está para acontecer ainda! (oi?)

Alice participa, mas como ela estava pequena, o efeito tava passando e ela começa a voltar ao seu tamanho natural. E ela fica imensa perto dos bichos, e todas cartas começam a atacar, e ela paga de King Kong massacrando todo mundo. Pum, ela acorda.

(aliás, a transição dela acordando é genial. Tipo aquele do osso do macaco que vira um satélite em 2001: Uma odisséia no espaço)

E isso é apenas metade. Tem o Através do Espelho que, sendo bem resumido, conta que Alice passou por um espelho e caiu num mundo invertido. Esse mundo é cheio de campos quadrados, como se fosse um tabuleiro de xadrez. E o livro é basicamente isso! Um jogo de xadrez, onde Alice, um peão deve ganhar o jogo e dar cheque-mate.

Só que óbvio que não existe nenhuma referência direta a um jogo de xadrez. E todos os personagens do livro são peças que a Alice vai encontrando na sua caminhada pelo mundo/tabuleiro, como o Humpty Dumpty e os gêmeos Tweedledum e Tweedledee. O livro não tem nada especificamente sobre xadrez, mas o avançar dela nas casas é mostrado em forma de personagens, locais, dilemas e tudo mais.

Em suma, é tão interessante quanto o País das Maravilhas (gostei um pouquinho mais do Através do Espelho). Mas esse post ficou imenso, e não vou contar mais não, haha. Vale muito a pena ler, e a versão comentada ficou maravilhosa!

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog