quarta-feira, 22 de junho de 2016

Samurai X - O Inferno de Quioto (2014)


Depois do sucesso do primeiro filme parece que decidiram fazer a continuação, mostrando a saga de Quioto (a do Makoto Shishio!). Nessa sequência, Kenshin deve deter os planos do seu sucessor como monarquista, Makoto Shishio, que quer derrubar o governo Meiji e tomar o controle do Japão. Mas será que Kenshin tem força suficiente e conseguirá ganhar a luta mantendo seu voto de nunca mais matar?

Eu gostei da versão dublada
Eu não tenho nada contra filmes dublados. Eu diria, aliás, que o Brasil hoje em dia tem ótimos dubladores e uma ótima equipe de tradutores pra fazer uma adaptação boa. E colocaria a qualidade dos dubladores brasileiros junto dos japoneses e franceses - que são ótimos também! Vi o filme com áudio japonês original, mas quando mudei pro audio em português tomei um baita susto! Eles usaram as vozes originais do anime!


Isso não aconteceu no primeiro filme. Mas nesse segundo (e no terceiro) colocaram os dubladores originais do anime, como Tatá Guarnieri (Kenshin), Denise Reis (Kaoru), Affonso Amajones (Sanosuke), Patrícia Scalvi (Megumi), e até o Wellington Lima (Saitou). A única talvez que não combinou muito foi a Scalvi como Megumi (engraçado que pro anime é a voz perfeita pra Megumi), e senti falta da Daniela Piquet como a Misao (acima) com a inconfundível voz da Sakura Kinomoto aqui no Brasil. Mas ainda assim ficou um ótimo trabalho! As vozes combinaram bem com suas versões humanas até.

Eu gostei das adaptações do roteiro
Isso foi algo que se manteve bem, apesar de ser uma continuação. E as mudanças que fizeram ficaram legais até. Por exemplo, a cena onde o Kenshin se despede da Kaoru antes de partir pra Quioto não ficou com a Kaoru com aquela cara de songa chorando do mangá, ou aquele pranto desesperador com os vagalumes do anime.


Óbvio que ela fica triste, mas não chora, e no final se mostrou alguém bem mais forte. Mas não ficou apelativo como no anime, nem tão sem graça quanto no mangá. Outra parte que eu gostei é que a fragata Purgatório do Shishio mal aparece em dois capítulos no mangá até ser destruída pelas granadas do Sano. Mas no filme ela é super importante, forte, destruidora e tudo mais! Inclusive é o palco da batalha final do próximo (ops! Falei demais!).

Eu não gostei do Shishio
Pois é. Não sei o que faltou nesse Shishio. Não gostei do ator. Primeiro porque ele é baixinho. Shishio era bem mais alto que o Kenshin, e isso dava um ar imponente nele. A maquiagem da queimadura ficou até bem realista, mas o ator não foi lá essas coisas (e isso porque Shishio nem é tão difícil de se atuar... É um vilão-padrão básico). Mas existe algo a mais que eu detestei:


A ausência de um nariz. Ok, o cara é asiático, ter um nariz não-amassado é pedir muito, mas será que não tinha uma prótese, ou talvez dispor essas ataduras de uma maneira diferente, ou melhorar um pouco esse "penteado chanel de ataduras" do Shishio? Ficou parecendo aquela múmia tosca do Chapolin. Parece alguém tão simples de transpor pra versão humana, mas todas as tentativas (inclusive de cosplayers) sempre foram péssimas.

Eu não gostei do Aoshi
Eu já disse no review do filme anterior que talvez o único erro do roteiro tenha sido não colocar o Aoshi no primeiro filme ao lado do Kanryuu. Aqui o Aoshi não tem nem um pingo da motivação original do mangá/anime. Basicamente ele e a Oniwabanshuu estavam protegendo o castelo de Edo durante o Bakumatsu, mas aparentemente era pro Kenshin estar lá ajudando, e por conta disso a Oniwabanshuu e o Aoshi foram massacrados pelas forças do Xogunato.


E daí que ele ficou revoltado e quer matar o Kenshin. QUE MOTIVAÇÃO DE BOSTA, NÉ? No original a Oniwabanshuu não lutou essa batalha, embora eles quisessem, e ficaram anos como uma guarda de ninjas secreta. A rincha do Aoshi veio por conta do Kanryuu metralhar todos seus companheiros ao ver a iminente derrota pro Kenshin.

O Aoshi ficou muito deslocado no filme, e acho que mesmo quem não conhece vai ficar pensando qual a utilidade nele nessa história. Mas acreditem: no mangá/anime era bem melhor.

Eu gostei da luta contra o Chou
Das lutas da saga de Quioto uma das mais legais é sem dúvida a do Kenshin contra o Chou, membro da Juppongatana, o colecionador de espadas que vai atrás do Seikku Arai pra afanar a última espada do lendário ferreiro (e seu pai), Shakku Arai. Kenshin é obrigado a usar a última espada de Shakku pra salvar o Iori, bebêzinho, filho do Seikku.


Detalhe pro sotaque de Osaka dele, muito engraçado, haha. E a luta manteve esse clima tenso do Kenshin quase quebrar o voto de não matar pra salvar a vida do garoto. E no final a espada final de Shakku era a Sakabatou Shin-uchi (f*ck!). E a luta ficou animal, quase tão legal que no original. Muitas acrobacias e tal, ficou muito bem sincronizada e bem feita. Nota mil!

Eu não gostei da trilha sonora
Uma das coisas que eu mais gostava da trilha sonora original do anime era que ela era de excelentíssima qualidade. Tinha de Bonnie Pink até L'Arc~en~ciel, muita gente de altíssimo calibre no cenário pop japonês. Mas não conseguiram fazer uma trilha sonora legal na versão live-action. Digo... No primeiro filme ficou até legal, porque ficou uma trilha sonora "épica", sabe? Muita batucada, orquestra, gritos em coral, com um toque feudal japonês.


Mas fica muito repetitivo. E não mudou muito ao longo dos filmes. Não tem nenhuma música cantada, por exemplo. O tema do Kenshin (acima) eu não sei que maconha a japonesada fumou pra criar isso com tanta criatividade, mas faltou muito no filme. Essa canção é aquela que mesmo que tenha anos que você viu o anime, com certeza vai lembrar. Não tem nenhuma dessas no filme.

Eu gostei da batalha final
Como eu disse antes, a aparição da fragata de ferro do Shishio, a Purgatório, é bem apagada no anime/mangá. Mal aparece e o Sano as explode facilmente. Mas aqui não apenas a tentativa dos homens de Shishio de incendiarem Quioto é melhor retratada, como até o Soujirou rapta a Kaoru e a leva pra fragata de ferro, deixando Kenshin, obviamente, puto da vida e desesperado.


E no meio disso existe uma batalha muito legal entre o Aoshi e o Okina, muito fiel ao mangá! É engraçado que acharam um ator que é um vovôzinho e super atleta, dando suas piruetas e lutando mesmo com uma ótima atuação!

Eu gostei da luta contra o Soujirou
Soujirou Seta sempre foi meu personagem favorito da série, e eu não posso reclamar que ele apareceu bastante nos filmes. O braço-direito do Shishio, o "espada celestial", tem uma batalha animal contra o Kenshin, similar ao mangá, no vilarejo Shingetsu. Uma pena que na versão dublada não chamaram a voz original, o Fábio Lucindo. Mas ficou bom mesmo assim!


E colocaram detalhes fieis ao original também! A luta termina em empate, pois a Sakabatou do Kenshin é quebrada no meio, e a Kotetsu do Shishio (que é usada pelo Soujirou na luta) é trincada totalmente. Diga-se de passagem uma Kotetsu é uma espada muito cara na vida real, feita por um dos maiores ferreiros do Xogunato japonês. Nem esse detalhe faltou no filme! Muito bom.

Eu gostei do gancho no final
O final é muito bem bolado. Depois do Kenshin tomar aquela surra do Shishio na sua fragata, ele cai no mar e fica desacordado. Até ele chegar numa praia, onde é resgatado por uma pessoa bem importante do seu passado...


...Sim! Deixaram o treinamento com o Seijuroh Hiko pro próximo filme! Essa parte é uma que eu fiquei com o queixo no chão. Animal! Mas a sequência disso ficou pro próximo filme. :)

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog