terça-feira, 16 de agosto de 2016

Nunca perder de vista a compaixão.

Esses dias uma grande amiga que trabalhou comigo postou no blog pessoal um desabafo. Na época que eu saí da empresa onde trabalhávamos ela estava começando a luta contra um câncer de mama, e venceu. Mudou muito como pessoa e hoje está inclusive vivendo em outra cidade, casou, arranjou um ótimo emprego, e está numa vida bem feliz. Mas esses dias apareceu nos feeds de blogs que sigo que ela está passando por um novo câncer agora. E agora foi justo parar no cérebro.

Doenças sempre são coisas terríveis, mas câncer parece ser o terrível dentre os terríveis. E pude sentir ao ler as palavras dela toda a tristeza de começar o tratamento de novo, a perda de novo do cabelo, o corpo que reage de maneira péssima, os quilos perdidos, enfim. Ela não compartilhou em nenhuma rede social, nem nada, e talvez por blogs serem coisas que hoje não têm tanta audiência como anos atrás, talvez foi a forma que ela encontrou de compartilhar sem causar muita comoção. Fiquei lendo e refletindo o quão difícil foi pra ela também ir lá e escrever isso.

Nessas horas lembrei de um conceito budista muito forte. A compaixão. É verdade que minha vida também não está nada boa. Estou há anos lutando contra uma depressão horrível, desencadeada por diversos fatores, como desemprego, problemas amorosos, questões familiares, dificuldades financeiras.

Mas ao mesmo tempo não consigo deixar de sentir compaixão pelas outras pessoas, e desejar e orar pelo bem estar deles muito antes do meu. Quantas e quantas pessoas eu não meditei e orei arduamente pra que conseguissem um emprego no meu lugar? Acho que nesses dois anos foram incontáveis. E muitos conseguiram, e ao mesmo tempo não tenho coragem de pedir algo para mim. Gostaria sinceramente de ver uma pessoa a mais feliz, pois a tristeza, bem... Pra quem já viveu tanto tempo assim acho que posso aguentar mais um pouquinho. Ver a felicidade dessas pessoas é o maior de todos os presentes pra mim!

Emprego, namorada, felicidade, vão chegar uma hora e eu não ligo de esperar. Mas essas pessoas precisam de muito mais do que eu. Como essa amiga que está novamente lutando contra o câncer.

Ando meditando muito e desejando o melhor para ela. Eu tenho muita sorte. É verdade que infelizmente algumas vezes não deram certo, mas a grande maioria foi êxito. E sei que mesmo eu não tendo força alguma, eu tenho uns budas maneiros do meu lado que sempre dão aquela força quando peço ajuda pros outros! Ser humano é difícil, vivemos nesse mundo de sofrimento e também sinto que recebo muita compaixão dos budas também.

Apesar de muita coisa por um lado estar ruim, não consigo deixar de ver o quanto de coisa boa também está acontecendo ao mesmo tempo. Por isso agradeço por hoje estar aqui e poder fazer uma diferença - mesmo que muita gente nem tenha idéia que eu fiz algo desejando seu bem. A ideia nunca foi nem mesmo receber um "obrigado". Mas se a cada dia que eu puder abrir os olhos, sentar no meu altar, meditar e orar pedindo com que todos ao meu redor superem tudo e tenha uma vida com tudo de bom, eu continuarei fazendo isso até que a chama da minha vida acabe.

Essa minha amiga, assim como da outra vez, superará novamente esse câncer. E, como eu disse antes, agradeço muito a compaixão não apenas estendida a essas pessoas mas pra mim mesmo, que apesar de muitas coisas nesse momento estarem dando erradas na minha vida, que sinceramente continue dando certo na vida dos outros. Afinal, é isso que me faria mais feliz! O sorriso dos outros! :)

Não vou falar seu nome aqui, mas estou contigo minha amiga! Força!

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog