terça-feira, 1 de novembro de 2016

Como "Cosmos" me lembrou de quem eu era.


Eu sou super fã do Neil deGrasse Tyson desde os tempos que o History Channel prestava. Hoje não passa de um canal que passa "Trato Feito" vinte e quatro horas por dia. Mas teve um tempo que o History Channel passava seriados de astronomia, documentários sobre guerras, e muita coisa legal.

Há algumas semanas atrás conheci no Netflix o seriado Cosmos: A Spacetime Odyssey, que tem como um dos produtores ninguém menos que Seth MacFarlane (sim, o criador de Family Guy) e é apresentado pelo Neil deGrasse Tyson. É um seriado sensacional, que eu indico fortemente, pois trata não apenas de astronomia, mas de entender que existem diversos universos minúsculos a nossa volta também, pois trata de um pouco de tudo, de geologia, física quântica, evolução das espécies, física, química e, claro, astronomia que dá um laço nessa coisa toda.

Mas uma coisa que esse seriado me fez recordar era como era eu mesmo, quando tinha uns dez anos.

Desde moleque se existia algo que me deixava mais prazer do que desenhar, era astronomia. Eu devorava enciclopédias do assunto, em tempos que Plutão ninguém tinha uma imagem nítida e era um planeta (e não um planeta-anão como hoje) e o povo estava ainda sonhando com exploração de Marte.

Eu lembro que eu na quinta série eu terminava a matéria rapidinho e ficava folheando coisas sobre astronomia e ficava maravilhado com aquele mundo. Eu tinha no final do caderno várias folhas cheias de cálculos de matemática, onde eu fazia cálculo de distância, tamanhos, órbitas de todos os planetas do sistema solar, além de que era estranho pra uma criança de dez anos na época entender mais sobre a Teoria da Relatividade de Einstein do que ditongo, tritongo e hiato.

Meu sonho maior naquela época não era design, ou ser escritor. Não que eu não goste dessas coisas, eu gosto muito, mas meu sonho era ir pro Rio de Janeiro e estudar astronomia - o único lugar que tinha o curso até então. Quem sabe hoje eu teria me tornado um Stephen Hawking com essa cara de mexicano que eu tenho, mas seria uma opção!

Vendo o seriado Cosmos na Netflix me lembrou que o eu de dez anos ficaria tão maravilhado com isso quanto o eu hoje! Eu sou uma criança bem curiosa com tudo, e não consigo até hoje decidir que área de estudo eu goste mais, pois sempre que começo a estudar algo um novo universo se abre. Mas todos os universos tem algo em comum: o nosso próprio universo.

Calma, vou explicar.

Muitas vezes olho pro céu, especialmente no interior que é bem limpo, e via coisas como a Via Láctea, estrelas no céu, planetas, e aquilo tudo me lembrava daquela criança que via nos mistérios do universo acima da gente, e as curiosidades que ele gerava, outros universos que se desdobravam ao meu redor. Se sou uma pessoa muito curiosa até hoje, acho que é graças a esse gosto pela coisa que peguei com a astronomia. Muitos outros universos se desenrolaram (e se desenrolam) na minha frente até hoje graças à curiosidade gerada pelo Universo acima de nós. :)

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog