segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Dynasty (2017)



Semanas atrás comecei a assistir o seriado Dinastia na Netflix. E, bem, foi difícil dar atenção para outra coisa, hahaha.

Dinastia é o remake de uma novela americana da década de oitenta, agora feita no formato seriado, e com diversas mudanças interessantes para ambientar a trama mais de trinta anos depois da versão original.

A base continua a mesma. O seriado tem como foco a família Carrington, cujo patriarca, Blake é um empresário de sucesso no ramo do petróleo, que caga dinheiro. Blake tem dois filhos, Steven e Fallon. Steven decidiu não apoiar o pai nos negócios, e defende energia verde e sustentável. Mas Fallon quer herdar a empresa do pai, e exatamente por ser mulher, quer mostrar ser capaz de ser uma empresária de sucesso tão grande quanto o pai.

Porém tudo muda quando Blake anuncia que está noivo de Cristal Flores, uma donzela latina, que também é uma excelente funcionária nas empresas Carrington, e ameaça a herança da enteada Fallon. E aí o circo está armado para muita confusão!


Normalmente vida de ricaços sempre rendem bons roteiros, isso não dá pra negar, hahaha. Embora muitas coisas que mostrem em Dinastia já estejam meio passadas, é interessante a maneira em que foram atualizados para os tempos atuais. A Cristal Flores, por exemplo, nesse remake é uma personagem venezuelana, uma latina, em contraste com a Krystle Grant, da versão original.

A inclusão de atores e atrizes negros em papéis principais foi muito bom também. Tanto o motorista (e affair da Fallon) Michael Culhane quanto os irmãos (e ricos) Jeff & Monica Colby são vividos por atores negros! Não consigo imaginar as versões brancas e loiras deles na década de oitenta, hehe. É simplesmente perfeito como está hoje!

Mas o mais interessante é o que fizeram com o irmão da Fallon, o Steven. Ele era bem revolucionário lá na década de oitenta, pois pelo que li havia um período da novela original que ele se revelava ser gay. Já aqui ele é gay desde o começo, e tem um relacionamento firme com Sammy Jo (que originalmente na década de oitenta era mulher!), sobrinho da Cristal. E sim, os atores se beijam, haha! Estamos em 2018, isso não é mais problema, certo?


Curioso como a Nathalie Kelley (que faz a Cristal) continua bem gatinha! Até mais bonita que na época que ela fez Velozes & Furiosos: Desafio em Tóquio (sim, ela era aquela latina no meio do Japão que o protagonista escolhe ficar no meio de tanta japinha gatinha! COMO ISSO ME DEIXOU REVOLTADO!), e a Elizabeth Gillies (que faz a Fallon), aquela pirralha feia do seriado "Brilhante Victória" ficou gatíssima! Obrigado, puberdade! Tornando pirralhas feias ao crescerem umas Elizabeth Gillies, Marina Ruy Barbosa, Bruna Marquezine, etc.

Dinastia é um seriado excelente. É curioso ver como novelas têm esse roteiro bem bolado que consegue focar em diversas estórias dos protagonistas e coadjuvantes juntos, conseguindo desenvolver como ninguém um pouquinho de cada um à sua maneira. E parabéns à Netflix, que conseguiu manter essa mesma linguagem, e com apenas os treze episódios já esperados por temporada. Parece que no original era uma média de vinte episódios por temporada.

Tomara que faça o mesmo sucesso da série original. Começou em 1981, e só foi terminar em 1988. Por mais que tenha passado mais de trinta anos desde o original, a série continua atual como nenhuma outra.

Nota: 10.0

Prós: Conseguiu recriar o seriado mantendo a linguagem, personagens, e atualizando com uma roupagem nova, com pessoas de várias etnias, e problemas mais dessa época, como exposição às redes sociais, etc.

Contras: Poderia ter mais cenários. A mansão dos Carrington enche o saco ver ela toda hora.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog