sábado, 22 de setembro de 2018

Sonata de Inverno (2002)


Esses dias eu terminei o dorama coreano Sonata de Inverno (겨울연가), de 2002. É um clássico, é verdade, mas francamente achei péssimo. Eu sei que foi uma super febre, e muita gente ainda gosta muito, mas muitas coisas me deixaram muito puto assistindo essa birosca. Mas ao mesmo tempo acho que era muito a linguagem da época. Talvez lá atrás, há dezesseis fucking anos, era incrível. Porém hoje em dia, tá difícil, hahaha.

Trilha sonora fraca
Quem me conhece sabe que eu adoro uma trilha sonora bem feita. Pra mim isso pesa muito. Eu acho que é um pouco o defeito do Titanic. Naquela época os filmes e séries tinham uma música e queriam fixar a todo o custo, logo tocavam a todo o momento. A canção "My heart will go on" toca dezenas de milhares de vezes das mais inesperadas formas, mas uma coisa é um filme, outra coisa é uma série de vinte episódios de uma hora de duração onde essa porra dessa música toca toda santa vez:



PUTA BAGULHO CHATO. Por isso que as músicas devem ser escolhidas com todo o cuidado. Se você for fazer uma série, saiba decidir bem, escolha músicas diferentes, pois é normal que se repita. Mas o problema é quando repete muito e fica cansativo. Quando começava a tocar "My memory", nossa, que vontade de apertar pra pular essa bosta!

Atuações fracas
Hoje em dia coreanos são em geral ótimos atores e atrizes. Eu assisto muita coisa atual e eles possuem uma escola de atuação magnífica, realmente muito boa. Mas eu acho que quando foram buscar os atores e atrizes acho que prezaram em pegar pessoas bonitas, negligenciando as boas atuações.


A protagonista, a Yoo-jin (Choi Ji-woo) é muito fraquinha. Ela sempre faz a mesma carinha de monga, especialmente quando vira o rosto. Enfim, não convence. Ela é bem alta (1,74m!), extremamente bonita, magrinha, mas um rostinho bonito não é mais algo necessário. Os outros protagonistas também são bem chatinhos. O menos pior é o namoradinho dela, o Kang Jun-sang, que depois de morrer atropelado no segundo episódio, aparece o seu doppelganger, o Lee Min-hyung, que é O MESMO ATOR.

Mas pelo menos ele soube construir bem a diferença entre o Jun-sang e o Min-hyung: Jun-sang é aquele típico asiático quietão que as meninas caem de amores, mesmo ele tendo uma inteligência emocional de uma pedra e não sabe se expressar. Já o Min-hyung é a "versão meio gay", ele é todo sorridente, pinta o cabelo, usa óculos, é um bundão, mas... É a cara do Jun-sang (é o mesmo ATOR!! Eu já disse isso??) e aí a Yoo-jin cai em amores por ele.

A história é confusa (e muito triste!)
Bom, eu entrei na história no ponto acima, mas de facto, que roteiro é esse, mano? Eu entendo que é sempre bem vindo esses roteiros que fogem o óbvio, mas Sonata de Inverno é demais! O problema é que o começo, em específico os episódios 1 e 2 são muito bonitinhos. Yoo-jin é uma menina que está terminando o ensino médio e está louca pra começar a vida sexual encontrar um bofe. Um aluno transferido, o tal Kang Jun-sang é transferido para a escola, e mesmo ele sendo quietão, ela consegue desgelar o coração desse imbecil e os dois se apaixonam.


Acontece que esse Kang Jun-sang está procurando quem é o seu pai, que sua mãe nunca contou. Aliás, a mãe dele é uma psicopata doente, pelo menos é isso que eu concluí depois de assistir tudo. Ele parece que descobre algo, mas fica revoltado, e resolve fugir para o Migug (Estados Unidos, em coreano), mas aí ele é atropelado e morre.

Fica aquele climão super triste, Yoo-jin fica arrasada, e eu acho que ele nem chegou a comer ela. Só deu uns beijinhos. Passam dez anos, Yoo-jin está com o cabelinho cortado, trabalhando como decoradora, e namorando o Sang-hyuk, que era da mesma sala que ela, e estão praticamente noivos. Acontece que a amiga falsiane dela, a Chae-rin, aparece num encontro depois de anos sem ver os amiguinhos. E ela está namorado o tal do Lee Min-hyung, que é a cara do Jun-sang (é o mesmo ator! Hahahaha).


E cara, aí começa a tristeza. Sério. É muito triste. Yoo-jin só se fode, porque ela fica vendo o falecido quando olha pro Min-hyung que não entende nada porque a mina fica louca quando vê ele. E ao invés dela chegar nele e abrir o jogo, tudo ocorre de maneira muuuuuuuuuuuuuuito lenta na série. Coisa que eu resolveria em cinco minutos a série demora uns cinco episódios.

Vendo que sua amiga está furando o teu olho, a Chae-rin fica puta, óbvio. O Min-hyung termina com a Chae-rin e o clima começa a esquentar entre ele e a Yoo-jin. Mas como eu disse, o roteiro aí começa a viajar (como se não pudesse ficar pior):


Olha só, vou tentar explicar o inexplicável: Não é a toa que o Min-hyung é a cara do falecido Jun-sang (e não é apenas por ser o mesmo ator). Acontece que quando o Jun-sang foi atropelado, a mãe vagabunda psicopata doente dele fez HIPNOSE para IMPLANTAR UMA OUTRA PERSONALIDADE NELE, além de fazer com que ele ESQUECESSE O PASSADO.

Sim. Calma que ainda piora:

A mãe doida vagabunda psicopata doente do Jun-sang fez isso pois quando ela era jovem ela namorava o pai da Yoo-jin. E durante um bom tempo ela faz todo mundo pensar que o Min-hyung é irmão da Yoo-jin. Que vaca, né? Nem coreanos gostam de incesto. Mas ainda piora: a mãe vadia doida vagabunda psicopata doente dele na verdade se engraçou com outro cara, o pai do Sang-hyuk, e depois de um fucking teste de DNA todo mundo descobre que o Min-hyung/Jun-sang na verdade é filho do outro, logo não são irmãos!


Puta biscate, né? A trama inteira acontece por conta dessa vaca acima e os problemas mentais que ela tem e as surubinhas que ela fazia quando era jovem. Usem camisinha, galera. Nunca se sabe o que pode acontecer. Esse povo dos anos oitenta nunca usava preservativos?

Min-hyung fica lutando pra conseguir recuperar as memórias do antigo ego dele. Mas por causa do acidente, e da péssima medicina da Coréia do Sul (se fosse Coréia do Norte, a.k.a. BEST KOREA, aconteceria isso? kkkkk), ele tem um tumor no cérebro e pode ficar cego e morrer.

Ele deixa a Yoo-jin e se manda pros Estados Unidos para se tratar (é coreano, eles têm visto garantido pra viver nos Estados Unidos!) e no final ele acaba ficando cego da mesma forma, e dá um beijo no final na Yoo-jin. THE END.

É muita viagem do cacete. E 90% é culpa da vaca da mãe do Jun-sang, sociopata do caralho.

Cansa muito
O jeito que foi filmado também é muito chato. O roteiro já é complicado, mas aí a gente junta com episódios imensos, de mais de uma hora, onde existem episódios onde ás vezes não acontece basicamente nada. Muito pelo facto dos personagens viverem numa morosidade imensa, e você junta com a imensa tristeza do roteiro, eu ficava contando o tempo até que horas iria terminar.


O foda é que eu dava várias "segundas chances", pensando que era um clássico, seria bom assistir, ou que eventualmente a coisa melhoraria dali a um ou dois episódios, mas acredite, só piorava. A linguagem que esse dorama foi feito é muito cansativa.

Tá, mas tem algo bom?
Tem sim. Eu se eu fosse indicar eu diria o seguinte: assista o episódio 1 e 2. Depois vai pro 5, 11, pule pro final do 14, assista o 15, e depois o 19. Nem precisa assistir o final, porque doramas coreanos em geral não sabem terminar as séries (e você reclamando do final de How I met your mother). Acredite, você vai economizar um tempo da sua vida que não voltará se você decidir assistir a tudo.



Os primeiros dois episódios são bem mais legais, acho que esse é o problema. Tem cenas como a acima. São cenas bonitinhas que preenchem o coração. Mas o resto da série, é só tristeza, com pitadas homeopáticas de felicidade, e toneladas de tédio. Seria bom se, sei lá, expandissem esses dois episódios iniciais, seria uma boa. Depois que ela fica adulta tudo fica muito sem graça, triste e monótono.

Nota final 2/10

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog