sábado, 22 de abril de 2006

Cara... To cansado. E estou caindo de sono... Enfim. Quando estou com sono fico falando muita besteira, portanto vou escrever as besteiras aqui, para que depois que eu estiver com ânimo e mais lúcido eu possa tentar decifrá-las.

Sempre adorei o céu. Não sei porque, o céu sempre me despertou fascínio surpreendente. A hora não importa, pode ser de manhã, com aquele azul claro... Ao meio dia com algumas nuvens diante do azulado vivaz do céu. Ou quem sabe no por do Sol, onde o céu fica tingido de vermelho como nosso sangue... Mas o que eu mais adoro é à noite.

Agora que estou chegando tarde em casa, sempre que eu abro o portão e entro em casa olho pra cima e fico maravilhado, até minha mãe me chamar e eu voltar a mim mesmo. Principalmente quando está em Lua cheia, e eu vejo a minha sombra mesmo à noite. Olhar o céu e encontrar as várias estrelas da nossa galáxia, e imaginar que aquilo não é nada, que por detrás delas ainda temos outras várias e várias que sequer conhecemos.

No sábado a noite, sempre quando meu pai compra pizza, vou pra fora olhar o céu. Dá pra sentir energia delas as vezes, algo como elas me puxassem, sabe? Não sei, mas seria muito interessante ver cada estrela de pertinho, ver que depois de alguns anos aquele brilho que ela está exibindo chege aos meus olhos na Terra. Sim... Mesmo sendo algo extremamente rápido, 300 mil km/s... Pra nós tal coisa está fora da concepção, mas é tão lerdo... Uma vez me disseram que pode ser que aquele brilho que eu esteja vendo no momento não é da estrela nessa hora, pode ser que ela nem exista mais agora. Isso porque sua luz ainda tem que chegar nos nossos olhos.

A vida é risco que corremos todos os dias, e quando não é possível, nada pode mudar isso. Imagine uma estrela que envia um feixe de luz até nós... Aquilo leva não sei quantos anos para atravessar todo o universo numa velocidade impressionante... Quando enfim chega na Terra para ser contemplada uma nuvem aparece na frente, impossibilitando daquela 'luz' ser vista. Nem mesmo o Sol que brilha tão próximo da gente é excessão diante desta regra.

Eu não sei... Lutar contra o destino? Nunca fui a uma cigana, por exemplo. Eles lêem o nosso futuro, mas não é por eu não acreditar... Muito pelo contrário! Se um cigano disser que algo "X" vai acontecer comigo amanhã, não sei... Sou induzido a fazer o oposto. O destino que os deuses nos traçam... Nós somos apenas fantoches, e por mais fortes que sejamos que tal tentarmos uma única vez mudar o nosso destino? Se amanhã nosso destino será morrer, porque não lutar para viver? Se amanhã nosso destino é perder o emprego, porque não lutar para manter-se? Se amanhã nosso destino é apaixonar-se... Por que não lutar para não se apaixonar?

Não sei... É algo que eu acredito. Sou sozinho demais, e nada nem ninguém irá mudar isso. =)
E ninguém que seja solitário é alguém que preste. ^^ É outra coisa que também acredito...

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog