terça-feira, 6 de fevereiro de 2007

Hum... Muito bem! É... Não gostei.

Não está entendendo nada? Hahaha... Sabe porque eu gosto da minha vida às vezes? E que tem horas que tudo está tão ferrado, tão fudido que do nada o jogo vira e parece que tudo vai dar certo. Esse é o porque do "Hum... Muito bem!". A parte ruim é que nem sempre dá tão certo quanto eu espero, por isso mesmo o "É... Não gostei.".

Mas vamos ver no que vai dar. Estou com esperanças de que conseguirei um emprego. Vamos ver no que vai dar. Bom, de resto tá tudo ok. Faculdade nova, novas pessoas (parecem muito legais!), professores novos, matérias novas... PQP, aquele Senac tem tudo heim? Tem desde garotas que raspam o cabelo dos lados até academia! Ontem caiu uma baita chuva e cheguei ensopado em casa. No meio do caminho aconteceu algo deveras engraçado no terminal João Dias, que resultou em mais uma teoria maluca by me.

Quando meu ônibus chegou ele estava ensopado. Ora essa... Tinha caído uma chuva torrencial, logo dá pra imaginar como estavam os bancos: enxarcados. Aí que eu vi mais uma coisa que eu já tinha certeza desde o inicio, e é uma das coisas que eu mais me impressiono com os seres humanos. Que o ser humano não tem a capacidade de ser diferente ou ser isolado do mundo. E os que têm essa capacidade são tão poucos, mas tão poucos que exatamente por serem únicos são capazes de influenciar todos a sua volta. Ou quem sabe a grande maioria.

Vamos provar isso com a teoria do ônibus. Todos os bancos estavam ensopados. Eu fui um dos primeiros a entrar, e nem vi se alguém tava sentado... Umas duas pessoas estavam na minha frente, mas quando eu vi o banco molhado eu nem hesitei... Tirei minha carteira do bolso e sentei. Não posso negar que veio aquele geladinho característico no rabicó. Mas aí tudo bem, nem liguei. Iria chegar em casa, não iria pra nenhum lugar. E outra, com certeza até lá secaria. O calor humano é bastante eficaz nessa parte, e com calça jeans ainda, fica mais dificil da água não evaporar!

Aí eu fui ajustar meu MP3 Player Sony-Ericson® (quero royalties!) pq já tinha ouvido Dir en grey bastante e enquanto eu procurava uma musica fui vendo o pessoal entrar. Alguns sentavam, outros não. Os poucos que entraram antes de mim e ficaram disfarçando pra ver se sentavam ou não já haviam sentado-se. Em bancos molhados, claro. Mas quando mais pessoas foram entrando e mais e mais foram preferindo ficar em pé do que molhar a calça nem que seja minimamente, sendo que depois iria secar sem dúvida, eu vi que vários... Vários nao. A grande maioria que entrou ficou em pé. Inclusive pessoas de calças pretas que nem precisariam se preocupar com o molhado!

Sabe, eu fiquei abismado. Gente que mesmo pouco antes de eu descer no onibus preferiram ficar em pé e secos do que sentar e se molhar. Será que era só isso? Acho que o ser humano é movido contra uma palavra simples chamada: "Solidão". Eu disse que é movido contra, então eles tentam sempre manter-se longe dessa palavrinha. Afinal, pra que ser diferente e sozinho se podemos ser iguais e juntos? Mesmo com pequenas pessoas que estavam sentadas e os bancos do onibus inteiro vazios a gente ainda via que era por causa dos primeiros lá que resolveram ficar em pé os outros também resolveram ficar em pé. Ainda ouvi comentários do tipo "Ah, esses espertinhos aproveitaram os bancos secos". Mentira. O meu banco estava tão molhado quanto os outros.

Coincidência? Não sei... Sempre me acostumei com a solidão e nem ligo pra isso. Escrevo esse blog pra ninguém, não vivo por ninguém, não tenho namorada, não tenho um grande amigo, enfim... As pessoas poderiam dizer que eu sou uma pessoa triste, mas sei lidar com a minha solidão e digo que aprendi a viver com ela e sei que não viveria tão mal sem ela. Logicamente que precisamos de um contato com pessoas periodicamente, mas consigo ficar hoje em dia sem MSN, telefone e sem encontrar ninguém em especial por semanas...

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog