segunda-feira, 19 de maio de 2008

Nostalgia!

Nostalgia pura!

Me peguei esse fim de semana jogando joguinhos que há muitas primaveras não havia jogado. Um deles, Super Metroid, na minha opinião um dos melhores jogos já produzidos. Além de, é claro, eu ser um dos maiores fãs da Samus, dos Metroids e da Nintendo. Ainda no campo da Nintendo, me vi jogando Pokémon Fire Red, a nova versão do GBA desse que é um clássico dos clássicos. Escolhi o Charmander e ele virou já Charmeleon! E me vi jogando isso até as 6h da matina... E só parei pq achei que era tarde, não porque estava cansado.

Enfim, eu estou meio sem assunto. A Angela apareceu (sim! Todos vocês perderam feio, ehaeuhaeu... Ok, ok... Não vou me prolongar mais nesse assunto, o pessoal já está de saco cheio) e... Bom, eu to entupido de trabalhos a fazer, e sem ânimo pra fazer nenhum (legal!).

Mas hoje eu quero falar de uma outra perspectiva sobre algo que agora está saindo da mente dos brasileiros: a defunta que foi lançada pela janela. Não quero falar de culpa, nem nada. Como disse da outra vez que falei disso, usei um tema que ninguém tá discutindo (se não leu, perdeu!!! Ok, zuera...) e hoje vou usar um outro tema que ninguém anda discutindo sobre isso também.

Primeiramente que violência familiar sempre existiu. Eu mesmo sou o maior exemplo disso, mas pelo menos hoje em dia meu pai mudou, ainda bem. Porém claro, infelizmente ficaram alguns traumas que a psicóloga está me ajudando a superar. Mas sem querer falar de mim, mas esse tema é mais corriqueiro do que muito babaca na rua fica falando aí, falando da defuntinha juvenil e tudo mais.

É mais do que óbvio que a morte da menina, a repercussão na mídia e o processo da perícia e as investigação são mais um aspecto meramente político da coisa do que a tal "revolta popular". Sim, é óbvio, mas tem muito neguinho dizendo que isso é a primeira e única vez que ocorre um crime assim, porém ele é mais usual do que todos imaginam. Muitas crianças morrem nas mãos dos pais, familiares ou são violentadas, seja no aspecto branco ou vermelho deste. O que ninguém vê é que vivemos num país do tempo das cavernas, onde há uma polícia incompetente, uma apologia ao crime e a vitória com o mínimo esforço. Mas isso é da cultura desse povinho ignóbio, e disso todos nós sabemos.

Muito mais do que mostrar eficiência usando até raios modernos parecendo sair do C.S.I. o que a polícia e a justiça brasileira quer mostrar com o caso da defunta é que ela é rápida, eficiente e que sabe fazer seu trabalho. Meus caros senhores, deixe a tal menina descansar em paz, os culpados na cadeia e partem pra outro caso! Digo, há tantos crimes por aí, solucionados ou não, temos tantos ladrões no planalto, tanto desvio de verbas, o tal PAC, enfim...

Todos querem mostrar uma polícia eficiente, que faz seu trabalho, que agiliza a prisão e um habeas corpus. Mas ninguém vê que é muito mais um mero artifício político pra mostrar eficiência num momento em que a sociedade pressiona querendo respostas. Façam-me o favor, e peguem o neguinho que pegou meu Motorola V8 e deixem esse caso de lado e mostrem serviço também pra pegar os ladrões de Brasília, criminosos em geral e outras coisas. Afinal, se formos viver de cada Isabella da vida pro brasileiro ter noção de justiça, bom... Muitas crianças serão sacrificadas.

Para essa justiça lerda da terra das bananas (a.k.a. Brasil) eu faço essa cara de desdém da foto no início do post. =\

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog